Tradução deste blog

sábado, 25 de novembro de 2017

ARREPENDIMENTO E FÉ PARA A SALVAÇÃO - EBD LÇ. 9 26/11/2017

EBD LÇ. 9  26/11/2017 “ARREPENDIMENTO E FÉ PARA A SALVAÇÃO”.


O que escrevo com base nos textos da lição, representa o meu pensamento e o que posso extrair para o ensino na Escola Bíblica Dominical,  lembrando que os alunos não são estudantes de Teologia, mas precisam usufruir de um bom e seguro ensinamento.  Eles funcionam como polinizadores;  sim, eles dão fruto para o Reino de Deus.

Aos Irmãos coordenadores de EBD:  Não torne a lição, um caderno inútil, fazendo valer os seus argumentos, um estudo à parte desta ferramenta. Recebo muitas reclamações de irmãos frustrados por conta disso. Há quem crie argumentos, tão à parte, que inutiliza até o tema proposto para estudo.

PONTOS:
I – ARREPENDIMENTO, UMA TRANSFORMAÇÃO DO ESPÍRITO.
II – A FÉ COMO UM DOM DE DEUS E COMO RESPOSTA DO SER HUMANO.
III – O ARREPENDIMENTO E A FÉ SÃO AS RESPOSTAS DO HOMEM À SALVAÇÃO.


                            O complexo mundo da fé explicado pela Bíblia.


    
I – ARREPENDIMENTO, UMA TRANSFORMAÇÃO DO ESPÍRITO.
Caro professor! Não dê essa aula emitindo juízo de valor sobre os alunos, aproveite para ajuda-los a ter um reencontro com a bondade de Deus.

1.1   Definição de arrependimento.

O verdadeiro arrependimento só acontece quando há um profundo amor por Cristo e sua Palavra. Quando percebemos que algo está comprometendo a nossa relação com Deus.

Motivos pelos quais as pessoas afastam-se do que é pecaminoso:

1 – Quando descoberto.
2 – Quando se sente fragilizado por conta do pecado.
3 – Quando ama a Deus de verdade.

O que é importante nisso tudo é confessar e deixar. Pv. 28:13.
   
1.2 O arrependimento na vida cotidiana.

Do autor podemos tirar pontos maravilhosos para o ensino e vamos enumerar:
1 – “O arrependimento nos livra das amarras do pecado” produz sentimento de liberdade absoluta.
2- “experimentar a cura da consciência” Não é bom ir ao culto e ficar receoso do que possa acontecer ou o que Deus vai falar. Deus não envergonha ninguém publicamente; Deus quer o sincero arrependimento.
3 – “... resulta em alegria e paz no coração”. Nada melhor que isso.
4 – “... algumas áreas não foram submetidas a Cristo”.  A área mais sensível e mais atacada pelo Diabo, está na relação “olhos e mente” ou seja o que você mais vê com frequência, dominará sua mente até adoece-la.


1.2   A ação do Espírito Santo no arrependimento.

Lembrar que o Espírito de Deus só pode agir quando há liberdade para tal e pode ter sido por esta razão que levou Paulo a dizer à igreja que com nossas armas, além de destruirmos as fortalezas do inimigo, as mesmas armas, levam cativo  todo entendimento  à obediência de Cristo. II Co 10:5.

Quais armas? Os ensinos que extraímos da Palavra de Deus; todo o conselho de Deus, principalmente o amor e a obediência.

E o medo? É lançado fora. IJo. 4:18. Esse texto é muito importante nessa aula.

O autor diz que a purificação do pecado por meio do arrependimento precede o “batismo com o Espírito Santo” que significa isso?

Primeiro o tratamento de limpeza da alma. Conheci poucos casos em que a pessoa recebeu o batismo com o Espírito Santo, no ato da decisão por Cristo o que denota não ter havido ainda o processo de limpeza pela Palavra.


II – A FÉ COMO UM DOM DE DEUS E COMO RESPOSTA DO SER HUMANO.


2.1 A fé natural.

Vamos dividir os parágrafos?
1 – A fé natural é a aceitação “intelectual” de certas verdades acerca de Deus? Podemos dizer que o ser humano já nasce com uma dosagem de fé e esta fé que o faz em acreditar em alguma coisa, não necessariamente em Deus.

2 – O autor reforça o pensamento acima quando diz que “essa fé é vivenciada pelas pessoas que até acreditam em Deus...” como acreditam que tudo o que Deus fez foi para beneficiar o homem.

3 – Essa fé pode não representar muita coisa como teoria da fé, mas ajuda, sem contudo não ter expressão suficiente para que o homem aceite o sacrifício de Cristo, mesmo sabendo por informação que há céu e inferno.

2.2 A fé salvífica.

Penso que posso me arriscar a dizer que a fé e medida por intensidade. A pouca intensidade está vista no ponto 2.1.

A fé vem pelo ouvir e ouvir pela Palavra de Deus ou seja: O conhecimento da Palavra pela pregação da fé, faz crescer essa intensidade ou confiança que aceitando Cristo(*) e seguido do arrependimento dos seus pecados, aceita o Senhor como a única porta de entrada para a eternidade.

(*) Os Calvinistas odeiam essa ideia de o homem aceitar Cristo, porquanto está morto, rs. Está morto em delitos e pecados, mas não aniquilado e incapaz de pensar e decidir por si.


2.3 Os benefícios da fé.

Salvação não se discute: É unicamente pela graça e bondade de Deus.

Vejam quantos benefícios – citados pelo autor - o homem alcança mediante a conversão pela fé:
Justificação, regeneração (regeneração = voltar ao estado como no Éden, antes do pecado), adoção, santificação e tantas outras bênçãos iclusivas pelo Batismo com o Espírito Santo.

E  autor cita outras como; a vitória sobre o mundo, contra a carne, contra o Diabo e até contra si mesmo.


III – O ARREPENDIMENTO E A FÉ SÃO AS RESPOSTAS DO HOMEM À SALVAÇÃO.


3.1 Arrependimento, condição para a salvação.

Sem arrependimento não há como pensar na entrada ao Reino de Deus. Arrependimento aqui é sobre tudo o que fez no passado e rompimento total com a vida mundana.

Encontramos na bíblia de forma implícita,  a expressão: “Aquele que fazia, não faça mais...”.
Jo.5:14,  Jo.8:11.

Não há melhor exemplo do que o de Zaqueu, o publicano em Lc.19.

3.2 Salvação por meio da fé.

A salvação é sempre acompanhada por dois elementos: Graça e Fé.

As duas provém de Deus? A graça sim e a fé mesmo a que é considerada biblicamente como “dom de Deus” Ef. 2:8 deve ser produzida no coração do homem por meio do conhecimento da Palavra de Deus.

Novamente citamos Paulo na carta aos Romanos, 10:17.

A fé como dom de Deus intensifica o seu valor para que os olhos espirituais sejam abertos e vejamos o Reino de Deus e a esperança futura.

3.3 Arrependimento e conversão.

Recomendo a leitura do texto em classe, curto e rico.

O autor mostra que a conversão é uma ruptura com antigas tradições e modos de vida abomináveis e pecaminosos.

Não se pode falar que houve conversão se a pessoa continua a praticar as mesmas obras e a cultivar os gostos pelas coisas do mundo. Não houve mudança alguma na vida.


Boa aula para todos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário