Tradução deste blog

domingo, 12 de agosto de 2018

AS LIÇÕES BÍBLIBCAS E EU!

Desejo a todos um feliz dia dos pais.

Há algum tempo tive o desejo de comentar sobre a minha contribuição nos comentários das nossas lições e já devendo duas lições, achei por bem de informar aos queridos irmãos, que darei uma pausa sobre esse trabalho.


Não pretendo afastar-me dele por longo tempo, mas até normalizar minha carga horária de atividades considerando que aos 72 anos ainda trabalho intensamente.


Assim posto quero muito agradecer a todos que pela confiança depositada, tem acompanhado minhas publicações que por longo tempo ficaram restritas ao estudo das preciosas lições publicadas pela CPAD. Aproveitarei para publicar com alguma frequência, temas que usei para o programa da Rádio CEAR e outros temas doutrinários já compilados e salvos no meu HD.


Não dá para desistir de abordar questões doutrinárias, pois pelo que leio nas redes sociais, as publicações eivadas de erros e equívocos doutrinários, ocupam seu espaço e sempre digo que no silêncio, prevalece os erros atrapalhando a vida de muitos cristãos sinceros.


Assim concluo contando coma compreensão de todos e desejando muita paz e felicidades em Cristo.




sábado, 4 de agosto de 2018

O QUE NÃO DEU CERTO NA MINHA VIDA PASTORAL.


(01:30 p.m. ou madrugada no Brasil) Após dormir tudo o que tinha direito, acordo e encontro uma apostila elaborada em 2003 “VIDA CONJUGAL –ELA”.  “ELA” porque na versão masculina tinha também para “ELE”, um suplemento masculino; texto dirigido sobre problemas do homem e da mulher.

Nesse ano (2003) estava sem igreja e havia enfrentado uma luta que nenhum ser humano no exercício ministerial gostaria de ter experimentado e eu nunca imaginaria passar,  mas não foi com a membresia da igreja com quem sempre desfrutei de uma boa relação, mas pelas mãos daqueles que te afagam.

Resolvera embarcar no veículo que leva à vida de pregador ou ensinador itinerante e entre as tarefas pretendidas, estava a palestra para casais. Já tinha feito algumas, mas o nosso povo gosta de duas coisas: Pagar bem e para pessoas com fama consolidada, mesmo que não tenha conteúdo nem vida.

19 pontos e entre esses, “O Encontro”, “Esposas e Concubinas”,  “A Guerra dos Sexos”, “Quando um não quer dois não brigam”, “Em Busca do Prazer”, “ Conhecendo os Limites”, “Planejamento Familiar”,  “ Aborto”,  “Estupro”, “Masturbação”,  “Promiscuidade”, “Sensualidade”, “Falsos Ensinamentos” , “ Menopausa”,  “O Que Não Podemos Ignorar”  e o Suplemento.
Devo tê-la usado apenas uma vez.

O que não de certo:

1 – Pensei muito nas prolongadas ausências da vida em família. Há esposas que amam viajar, exceto a minha quando se trata dessa missão e muito mais pelos cuidados da casa.

2 – Precisava ampliar os meus contatos com pastores e não dispúnhamos da rede social como a temos hoje em que rapidamente, contabilizei mais de 3.000 contatos sem muito esforço.

3 – Com o devido respeito, há pastores ou pregadores itinerantes que considero  sinceros e com uma ótima base;  são poucos, quase raros, a maioria se pauta pela bajulação barata sem falar nos falsos currículos.

4 – Não desenvolvi o hábito de vender qualquer coisa para os membros das igrejas sob qualquer pretexto.

5 – Precisava aplicar com muita frequência, mel nos lábios, o que não fazia parte do meu caráter e formação cristã.

6 – O povo gosta, exceto os crentes sinceros, de serem bajulados igualmente e enganados. Adoram  ser provocados em seu emocional e eu não tinha gosto para tanto, pois sempre guardei  temor a Deus sabendo que a igreja é sua propriedade e não se deve usa-la para satisfação pessoal ou lucro fácil.

7 – Há pastores hospedeiros sensíveis aos problemas do semelhante como há outros que convidam um pregador e no final, acham que um café com leite regado à pão e manteiga, pagam os gastos com locomoção e tempo empregado.

Lembro-me que um amigo me telefonou e disse: “Genivaldo, vão  realizar uma palestra para casais e cogitaram o seu nome”.  Passado algum tempo, lembrei-me do fato e perguntei a esse amigo como fora e se tinham realizado a tal palestra ao que ele me respondeu: “Genivaldo, eles resolveram chamar um pregador de uma cidade no sul e não deu certo; o pregador queria algo em torno de R$ 4 mil, passagens de avião e hotel para ele e para a esposa”.

Eu sei que o nosso povo não cultiva dinheiro em árvore como sei que há gente generosa em nosso meio que não medem esforços para ter momentos prazerosos até mesmo quando convocados para hotéis em estâncias paradisíacas desembolsando uma boa quantia.
Sempre refleti que a maior parte do nosso povo é composto  de gente simples e sem muito poder aquisitivo, mas os pregadores itinerantes (com raríssimas exceções) fogem deles, como se não precisassem do mesmo afago.

Por tudo isso,  “baixei a bola e a guarda”,  fiquei no meu canto como estou até hoje, feliz aguardando a bem aventurada vinda e o aparecido da glória do  grande Deus, Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. Voltei a tarefa de dirigir igrejas até o meu pedido de jubilação.

“Sê fiel até a morte e dar-te-ei a coroa da vida”.

Abraço a todos.

Genivaldo Tavares de Melo
sp 05/08/2018.