Tradução deste blog

sábado, 5 de agosto de 2017

A PECAMINOSIDADE HUMANA E A SUA RESTAURAÇÃO A DEUS - EBD LÇ. 06 06/08/2017.

EBD LÇ. 06  06/08/2017 “A PECAMINOSIDADE HUMANA E A SUA RESTAURAÇÃO A DEUS .

O que escrevo com base nos textos da lição, representa o meu pensamento e o que posso extrair para o ensino na Escola Bíblica Dominical,  lembrando que os alunos não são estudantes de Teologia, mas precisam usufruir de um bom e seguro ensinamento.  Eles funcionam como polinizadores;  sim, eles dão fruto para o Reino de Deus.

Aos Irmãos coordenadores de EBD:  Não torne a lição, um caderno inútil, fazendo valer os seus argumentos, um estudo à parte desta ferramenta. Recebo muitas reclamações de irmãos frustrados por conta disso. Há quem crie argumentos, tão à parte, que neutraliza até o tema proposto para estudo.

PONTOS:
I – DEFININDO OS TERMOS.
II – ORIGEM DO PECADO.
III –  A SOLUÇÃO PARA O PECADO.

 Homenageando o saudoso pastor David Wilkerson, pelo que fez ao longo da sua vida pastoral em Nova York.


 A cruz é a solução para os problemas da humanidade, sem necessidade de carrega-la, pois Cristo a carregou pelos nossos pecados.



I – DEFININDO OS TERMOS.

1.1 Pecado.

Atribuímos toda ação contrária à santidade de Deus a “pecado”. Pecado é a flagrante desobediência aos ensinos, santidade e vontade de Deus.

Não seria o pecado, a raiz e os nomes que damos como; adultério, orgulho, perversão de toda ordem e etc.  os frutos ou consequências?

Equivale dizer que uma pessoa pode não fazer, mas permitir-se controlar pela natureza humana e carnal. “O mal está sempre diante de mim...”.

Sabendo que o pecado original, nos matou (separação); a lei nos deu conhecimento disso e Cristo nos remiu com a sua morte na cruz.

 1.2 Os termos hebraicos awon e peshá.

Para facilitar este tópico, vamos analisar primeiro os verbos hebraicos, apontados pelo autor:
AVON – Iniquidade, perversão que vem de uma raiz que significa; entortar, torcer dando ideia de perverter a Lei de Deus.

PESHÁ – Transgressão, delito.

Veja que somando os dois verbos, temos uma resposta firme e  absoluta para “pecado”:

Errar o alvo por agir fora da orientação de Deus e contra os princípios da sua santidade.


1.3 O que é pecado?

Este tópico contém uma interrogação onde o autor pergunta  “o que é pecado”. Os pontos 1.1 e 1.2 apresentam a resposta.

O pecado é sempre punível o que vale dizer que o Senhor não tem por inocente, os que pecam, todavia usa de misericórdia com os que confessam e deixam.

(Ez. 18:4) “Eis que todas as almas são minhas; como o é a alma do pai, assim também a alma do filho é minha: a alma que pecar, essa morrerá.”.

(Gl. 6:7). “Não erreis: Deus não se deixa escarnecer; porque tudo o que o homem semear, isso também ceifará.”.


II – ORIGEM DO PECADO.

 2.1 O pecado no céu.

Pensar em tudo o que aconteceu no céu, antes das mudanças no globo terrestre; transformação e criação considerando que a terra já existia, sem forma e vazia, não deixa de ser algo impressionante e ai temos a rebelião nos céus pela presunção de um querubim ungido, achar que podia ser maior que Deus, o seu criador.  

Tudo parece um pesadelo, confuso ou utopia(?), porém real como está na Bíblia.

O autor cita os textos de (Ez.28:12-15 e Jo.8:44) e outros que devem ser considerados neste ensino, mesmo sabendo do curto tempo.

2.2 O pecado no Éden.

A sequência dos fatos registrados nos capítulos 2 e 3 mostram que do céu à terra, Deus sempre entregou à sua criação, a liberdade de escolha ou o que chamamos de “livre arbítrio”.  Caso contrário, Deus teria fechado acesso à árvore da ciência do bem e do mal.

Ainda hoje vivemos sob o “livre árbitrio”.

(Jo.10:9) “Eu sou a porta; se alguém entrar por mim, salvar-se-á, e entrará, e sairá, e achará pastagens..

“Entrara e sairá” mostra a liberdade dos filhos de Deus.

(Gl. 5:13) “Porque vós, irmãos, fostes chamados à liberdade. Não useis então da liberdade para dar ocasião à carne, mas servi-vos uns aos outros pelo amor.”.

2.3 A universalidade do pecado.

Como o pecado chegou a todos nós?



O tentador estava à espreita e sempre seduziu o homem para o caminho do mal, da violência e da perversão, porém não encontraria abrigo se Deus ainda tivesse ligar no coração de todos os homens.

(Gn.6:5) “E viu o Senhor que a maldade do homem se multiplicara sobre a terra e que toda a imaginação dos pensamentos de seu coração era só má continuamente..

Palavra chave do texto acima e da situação: “(...)  a imaginação dos pensamentos de seu coração era só má continuamente”.

(Rm.5:12) Portanto, como por um homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte, assim também a morte passou a todos os homens por isso que todos pecaram.”.


Na consciência, a liberdade e na liberdade, as péssimas escolhas.


III – A SOLUÇÃO PARA O PECADO.

3.1 Nem tudo está perdido.

Recomendo a leitura do tópico da lição em classe onde o autor aborda a possibilidade do homem interior reviver, considerando que estava morto em ofensa e pecado, resgatando a verdadeira vida e comunhão com Deus.

 A carta de Paulo aos Romanos que poderíamos também chamar de “a carta de Paulo aos gentios”, declara de maneira sublime como pela graça o homem pode resgatar sua comunhão com Deus e mantê-la sempre acesa pela fidelidade a Deus.

Há quem diga que uma vez salvo, salvo para sempre e esta versão, não conta com apoio bíblico.


(ICo.10:12) “Aquele, pois, que cuida estar em pé, olhe não caia.”.


(Lc. 21:34) “E olhai por vós, não aconteça que os vossos corações se carreguem de glutonaria, de embriaguez, e dos cuidados da vida, e venha sobre vós de improviso aquele dia.”.

(Hb.3:15) “Enquanto se diz: Hoje, se ouvirdes a sua voz, Não endureçais os vossos corações, como na provocação.”.

É preciso a todo custo conservar uo que temos recebido.

3.2 A provisão de Deus.
                                                                                             
Teria sido mais fácil para Deus impedir que o al entrasse no coração do homem enquanto vivendo no jardim?
Aqui vai o meu pensamento a respeito sem forçar interpretação ou torcer a Bíblia, sendo lógico que é o meu pensamento a respeito:

Deus criou o homem deixando-o de certa forma livre para escolher entre o bem e o mal; sabendo Deus o que haveria de acontecer, já preparou a provisão mesmo antes dos acontecimentos. Ele, Deus, não precisaria provar nada para Lúcifer, mas como o texto de (Jó 1:6)  mostra que Satanás tem um relativo acesso a Deus e quis duvidar da fidelidade do homem, Deus permitiu que tudo acontecesse para mostrar ao Diabo que a fidelidade pode ser mantida e com os fieis, Deus preencheria o lugar deixado por milhares de anjos desobedientes.

Jesus o nosso remidor. Ele morreu em nosso lugar, para nos resgatar da lei do pecado e da morte.

Com relação a morte, a primeira morte aconteceu no Éden com a separação. A morte física revela apenas a mudança de estágio sendo a segunda morte, o dano maior, pois esta, decidirá para qual eternidade o homem será enviado por ter recusado o amor da Verdade para se salvar.


(Ap. 20:6) “Bem-aventurado e santo aquele que tem parte na primeira ressurreição; sobre estes não tem poder a segunda morte; mas serão sacerdotes de Deus e de Cristo, e reinarão com ele mil anos..



Nenhum comentário:

Postar um comentário