Tradução deste blog

sábado, 8 de junho de 2013

EBD10 A NECESSIDADE E A URGÊNCIA DO CULTO DOMÉSTICO.

LIÇÃO 10 A NECESSIDADE E A URGÊNCIA DO CULTO DOMÉSTICO.
EBD para 09.06.2013. Subsídio.
PONTOS A ESTUDAR:
I – O CULTO DOMÉSTICO.
II – O CULTO NO LAR.
III – BÊNÇÃOS ADVINDAS DO CULTO DOMÉSTICO.
  
Em tempo: O que passo a compartilhar sobre culto doméstico, não pretende nem de longe, sugerir uma rota de fuga para não realizar o culto doméstico, porém, pior que não realizar um culto doméstico, é não viver uma vida de exemplo para os filhos. Há lares que vivem, sem muitos esforços, uma vida de devoção e respeito pelas coisas de Deus mediante os ensinamentos aprendidos na igreja pela Palavra do Senhor. Prevalece o amor, o respeito e o carinho no trato das coisas de Deus.

I – O CULTO DOMÉSTICO.
1.1        Adoração em família.
Quando lemos textos, principalmente no livro de Levíticos, não podemos  esquecer que Israel era uma nação teocrática, portanto, havia mandamentos para a nação em geral e para famílias e pessoas em particular. As famílias deviam observar e ensinar aos filhos, a Lei do Senhor e essa era também, a escola secular.
O autor fala da falta de cultura para realização do culto doméstico e normalmente nos baseamos na vida das famílias nos grandes centros urbanos onde prevalece a luta pela sobrevivência, desarraigando os valores familiares. As poucas horas em família são entregues a todo tipo de entretenimento, restando à igreja a pouca frequência, comprometendo-se a fé

1.2        A restauração da instrução doméstica.
A instrução doméstica deve observar o ensino na hora da devoção familiar bem como o ensino corretivo, aquele que visa ir construindo vidas através das observações reparadoras de quaisquer atos transgressores como: Falar mal da igreja, dos pastores, dos membros da igreja ou tratar com desprezo tudo que represente objeto de culto, Bíblia, livros, hinários, instrumentos musicais e etc.
É melhor empregar a força do exemplo que o exemplo da força.
1.3        A prática da adoração doméstica.
O autor adverte que mesmo casais sem filhos, devem cultivar o hábito do culto doméstico. Sempre achamos que o fato de frequentar assiduamente a igreja, ficamos dispensados do culto doméstico.
Se você é professor e cultiva a prática do culto doméstico, não trate os alunos com censuras quanto a esta questão; reparta como eles a sua boa experiência para que despertem o gosto.

II – O CULTO NO LAR.
2.1        Organizando o culto doméstico.
O culto doméstico, como momento de adoração, deve ter a cara ou o jeito da família. O autor fala dos elementos indispensáveis. a) Oração de agradecimento pelo dia b) Louvor, um ou dois hinos, cantados de maneira suave e não precisa chamar a atenção dos vizinhos c) Leitura bíblica com dissertação sobre o texto, sem entrar em questões profundas de teologia ou doutrina  e d) Oração de encerramento.
Havendo a presença de vizinho ou amigo comum da família que mostre desejo de participar e havendo o convite para entregar uma vida ao Senhor, não precisa mandar levantar as mãos; isto fazemos na igreja para identificar no meio do povo aquele que aceita o convite.

2.2        Ganhando os que ainda não são crentes.
Não duvidamos que este assunto é de muita complexidade, pois, quando há outras pessoas da família vivendo juntos, por vezes essa presença incomoda, quando o comportamento inconveniente no dia a dia, exige interpelações, deixando o relacionamento salgado que vai de alguma maneira, provocar inibição na hora do culto. Isso precisa ser vencido de alguma forma.
Há pessoas que acham que pelo fato de sermos crentes, temos que ser tolerantes com tudo.

2.3        Eu e minha casa servindo ao Senhor.
Não use textos bíblicos para bater nos alunos, mesmo sabendo que algum lar, esteja sofrendo qualquer deterioração.


III – BÊNÇÃOS ADVINDAS DO CULTO DOMÉSTICO.
3.1 Fortalece os laços familiares.
Para que o culto doméstico seja eficaz e cumpra seus objetivos, faz-se necessário que a família, não promova uma concorrência com a igreja, mostrando aos filhos que se faz em casa o que não se faz na igreja. Sei da existência desse espírito contencioso.
É preciso compreender que a família não deve ser comparada a família dos sacerdotes na antiga aliança nem ser espiritualizada. Há um momento para todas as coisas. Nossa casa deve ser preservada, mas, não anulada quanto a existência secular.

3.2 Santifica e protege a família.
Sabemos e cremos que o culto doméstico tem efeito muito positivo na vida familiar e nem pretendo sugerir qualquer contradição nesse princípio. Serve o alerta que cultos domésticos, leituras ducentésimas da Bíblia, não substituem os valores éticos e morais que os pais devem emprestar aos filhos para que estes adquiram os seus próprios valores.
A santificação da família inclui um pacote completo que vai de uma vida moral irrepreensível a uma vida espiritual segura.

3.3 Torna a família piedosa.
Envolver a família na adoração habitual, desperta a consciência para uma vida piedosa. Considero que este adjetivo tem sido mal compreendido, portanto, não pode ser sentido apenas do ponto de vista da religiosidade de cada um. Ser piedoso é como entrar na presença de Deus, colher frutos e dá-los a quem precisa além das coisas materiais.
Temos em Atos dos apóstolos, figuras de vida piedosa, como: Tabita ou Dorcas, Atos 9:36, Cornélio, Atos 10:1 entre tantos outros.





Nenhum comentário:

Postar um comentário