Tradução deste blog

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

EBD CPAD LIÇÃO 10. O Exercício Ministerial na Casa do Senhor.

PONTOS A ESTUDAR:
1 – A CONTAMINAÇÃO DO MINISTÉRIO.
2 – A JUSTA INDIGNAÇÃO DO HOMEM DE DEUS.
3 – HONESTIDADE E TRANSPARÊNCIA NA ADMINISTRAÇÃO.

Uma das mais perigosas áreas da vida da igreja, é a que deveria ser uma bênção e por vezes não é, sendo a causa de brigas e divisões. 
FINANÇAS – A fidelidade no trato das finanças da Igreja, a pouparia de lutas internas, divisão, suspeitas e difamação.
ZELO – Deus nos guarde de pessoas como Eliasibe. Eles andam por aí, abrindo as portas da casa do Senhor para os Tobias de plantão.


1 – A CONTAMINAÇÃO DO MINISTÉRIO.
1.1        O sacerdote aparentado com o ímpio.
Sempre entendi que o obreiro, não é um crente comum. Muitas coisas podem passar despercebidas, se praticados por um membro da igreja, porém, o ministro da casa do Senhor, precisa ter mais cuidado no trato com coisas e pessoas. Tudo se torna mais visível com ele; amizades, negócios, empreitadas de qualquer espécie,      qualquer envolvimento errado pode ensejar um grande prejuízo para muitos.
1.2 Privilégios Abusivos.
Abrir as portas para o inimigo é como franquear sua entrada no campo para semear joio (Mt.13:25). Outro caso também, digno de nota, foi quando o rei Ezequias abriu as portas do templo para o emissário do rei da Babilonia, Merodaque-Baladã, filho de Baladã (Is.39:1-2). Diz o texto que não houve nada que Ezequias não lhe mostrasse.

2 – A JUSTA INDIGNAÇÃO DO HOMEM DE DEUS.
A postura do obreiro nos dias de hoje, fica bastante comprometida, pois remover abusos, já fez com que muitos, perdessem a igreja por conta dos que insatisfeitos levam o nome do pastor aos líderes e estes por vezes tomam atitudes precipitadas e fazem trocas injustas. Temos também que considerar que por vezes, há obreiros que são precipitados em remover o que ele, em sua visão pessoal, considera abuso. O que pode representar abuso em nossos dias?
Transformar o local de culto em espaço para comemorações, com comidas e bebidas; permitir que pessoas, por pertencerem a família de fundadores, interfiram na liturgia do culto,  fazer da igreja, ponto de encontro para qualquer tipo de negócio alheio aos fins, permitir que pessoas desqualificadas ocupem lugar de honra na igreja bem como nos diversos órgãos musicais entre outras coisas que comprometam os bons costumes e a preservação da santidade.
1.1        A firmeza de um líder.
Agir na hora certa, com firmeza e coerência. É preciso que o povo perceba que o líder tem visão bíblica para o que pretende.
1.2        A resposta do povo é o crescimento das contribuições e almas.
1.3        O procedimento do líder cristão deve ser isento de parcialidades, truculência ou apenas para mostrar, quem é que manda aqui.
3 – HONESTIDADE E TRANSPARÊNCIA NA ADMINISTRAÇÃO.
Agir com total fidelidade é não precisar esconder de quem quer que seja, aquilo que se faz na administração.
3.1 A razão da necessidade dos recursos financeiros da igreja.
Estabelecer conforto e condições para condução do trabalho e atender as necessidades sociais da igreja. É impossível conviver com falta de recursos e esta é a razão porque muitos crentes ficam revoltados e encurtam as mãos ou encaminham seus dízimos para cobrir outras necessidades. Lembremos os frequentes pedidos de Paulo às igrejas, com vistas a atender os necessitados. Fl.4:15-16, 2Co 8:1-4 e Tg.2:15.
3.2 A procedência dos recursos da igreja.
Além dos recursos originados das contribuições dos membros da igreja, o autor sugere que instituições para-eclesiásticas, possam receber dotações de órgãos governamentais, porém, alerta para os cuidados. Deve-se evitar: Dinheiro de pessoas envolvidas com política ou de fontes não confiáveis e apoio de canditados a cargos públicos.  Mais que qualquer outra pessoa, os líderes não podem se descuidar nessa parte.
3.3 Quando lidamos com o nosso dinheiro, empregamos todo cuidado na forma como gastamos e mais do que isso, deve ser com o santo dinheirinho dos irmãos, que deixam de comprar, roupas, remédios ou uma melhor alimentação, amando o investimento que faz em favor da obra do Senhor.

 
Opinião de contador: O pastor deve se preocupar com os registros contábeis da sua igreja sob pena de sofrer sanções em uma eventual fiscalização do poder público. A preocupação não é apenas em como o dinheiro entra mas de que forma ele sai.

2 comentários:

  1. "A postura do obreiro nos dias de hoje, fica bastante comprometida, pois remover abusos, já fez com que muitos, perdessem a igreja por conta dos que insatisfeitos levam o nome do pastor aos líderes e estes por vezes tomam atitudes precipitadas e fazem trocas injustas."
    Gostaria de fazer um comentário sobre esse ponto aqui, que já vi acontecer ao contrario e não faz muito tempo, quando alguns obreiros foram levar o nome do pastor aos lideres e quem ficou queimado foram os obreiros e não o pastor que estava fazendo coisas absurdas na congregação porque o tal pastor tem as costas quentes e ameça os crentes da congregação dizendo que é amigo do pastor setorial, infelizmente isso acontece no nosso misnisterio....

    ResponderExcluir
  2. Você deve ter lido o restante do parágrafo que foi isolado e perceber que trato de forma imparcial. Muitas vezes essa atitude de levar problemas ao conhecimento do ministério não funciona, simplesmente por que algumas regras bíblicas não são observadas. Quem sabe um dia escrevo sobre este tão importante assunto.

    ResponderExcluir