Tradução deste blog

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

EBD LÇ.4 A PROVIDÊNCIA DIVINA NA FIDELIDADE HUMANA.

EBD – SUBSÍDIO - LIÇÃO PARA O DIA 26/10/2014
PONTOS A ESTUDAR:
I – A TENTATIVA DE SE INSTITUIR UMA RELIGIÃO MUNDIAL.
II – O DESAFIO A IDOLATRIA.
III – A FIDELIDADE A DEUS ANTE A FORNALHA ARDENTE.



 PROPOSTAS DA INTRODUÇÃO: Fosse nos nossos dias, somos tão politicamente corretos que arranjar-se-ia uma maneira de dobrar meia perna na adoração para escapar da fornalha.


I – A TENTATIVA DE SE INSTITUIR UMA RELIGIÃO MUNDIAL.

1.1 A grande estátua.

Os indicativos proféticos contidos na história dessa estátua,  remete-nos para o final dos tempos quando se fará uma imagem à besta e exigir-se-á  que a adorem. Ap. 13:15. Melhor subir na vida do Senhor que ficar aqui para rever a cena.

Há muitos que buscam adoração sem precisar de estátua. Aí seria demais.


1.2 A diferença entre as estátuas.

A primeira,  fruto do sonho do rei com profundo significado profético para o que viria, os grandes impérios e o final dos tempos; já a segunda estátua, o rei não perdeu tempo e mandou edifica-la para que todos a adorassem como tributo ao seu nome.

A soberba encheu o coração do rei como acontece em nossos dias quando se conquista popularidade.

Popularidade e poder são dois amargos venenos para entorpecer a mente humana e afastar o nome de Cristo do centro da adoração.

1.3 A inauguração da estátua de ouro.

Ser adorado como deus sempre foi o tempero dos grandes imperadores, principalmente dos egípcios que já deixavam à sepultura pronta para serem recebidos e recebidos onde, todos nós sabemos.

Lúcifer plantou a sua semente e através dos séculos ela germina em muitos corações. O último coração a ser fertilizado de maneira plena será o coração do Anticristo.
  

II – O DESAFIO A IDOLATRIA.

2.1 A ordem do rei a todos os seus súditos.

É importante refletir sobre a soberba que tomava conta do coração dos históricos imperadores; a satisfação pessoal em construir algo que engrandecesse o nome deles.

Sempre nos poupamos de aproximar líderes religiosos do nosso tempo ao espírito desses imperadores, porém, penso que seria covardia não mostrar essas semelhanças. Muitos constroem magníficos templos e mesmo sem arrogar para si, a grandeza do nome, essa vontade é muito visível.

Quantas pequenas igrejas sofrem por má assistência dos seus ministérios e ajuda-las, não dá ibope.

Ser adorado como divindade é outra revelação da face oculta da personalidade humana; o ar de satisfação quando se fazem elogios públicos.

São Paulo tem hoje “um templo” chamado de templo de Salomão e um nome sobre ele.

Não sei se podemos chamar os católicos de idolatras sem olhar para o nosso rastro para não dizer “rabo”.


2.2 A intenção do rei e o espírito do Anticristo.

Há uma referência direta; a obra de Nabucodonosor aponta para a adoração consentida à besta que se levantará nos últimos dias, assentando-se no trono de Deus (na cidade santa, na terra) dizendo ser e querendo parecer Deus. 2Ts 2:3-4.

Muitos agem de forma semelhante, esquecem que a graça, verdade e poder vêm do Senhor, como uma concessão ao homem e não como propriedade; não somos deuses.

 2.3 Coragem para não fazer concessões à idolatria.

Todos conhecemos o relato bíblico que envolve os três jovens amigos de Daniel; Hananias, Misael e Azarias ou Sadraque, Mesaque e Abedinego. A decisão deles em não adorar, serve de lição para muitos crentes em nossos dias que alegam dificuldades de servir a Deus em determinadas circunstâncias.

 III – A FIDELIDADE A DEUS ANTE A FORNALHA ARDENTE.

3.1 Os jovens hebreus foram acusados e denunciados.

Este ponto dá margem a muita discussão e reflexão.

Nenhum de nós está isento de sermos vítimas de denuncias que causem danos a vida cristã; já sofri essas coisas, todavia, devemos nos manter serenos em qualquer situação, pois, nada se pode contra a verdade senão pela verdade e não podemos perder a confiança naquele que tudo pode e nos acompanha a curtíssimos passos.

A ele, toda glória.


3.2 A resposta corajosa dos jovens hebreus.

Os jovens sabiam que a fidelidade a Deus é algo inegociável, diz o comentador.

O lado belo da vida cristã, é saber que podemos fazer muitas coisas e saber que não devemos fazer todas as coisas.


3.3 Reação à intimidação.
A resposta dos jovens ao rei mostra; educação, firmeza de caráter e decisão sem enrolação; foram direto ao ponto.

-O Deus a quem servimos é quem nos pode livrar.
-Ele nos livrará da fornalha e da tua mão,

Emendaram com uma resposta digna de nota, diante das cansativas mensagens dos pregadores da prosperidade que dizem não aceitar a derrota nem uma vida carregada de provações.

“...e, se não, fica sabendo ó rei que não serviremos aos teus deuses nem adoraremos a estátua de ouro que levantaste”.

Precisamos de mais alguma coisa, diante dessas verdades e afirmações de fé?

Guarde-nos o Senhor.



Nenhum comentário:

Postar um comentário