Tradução deste blog

quinta-feira, 31 de julho de 2014

EBD LÇ.5 O CUIDADO AO FALAR E A RELIGIÃO PURA.

EBD – LIÇÃO PARA O DIA 03/08/2014
PONTOS A ESTUDAR:
I – PRONTO PARA OUVIR E TARDIO PARA FALAR.
II – PRATICANTE E NÃO APENAS OUVINTE DA PALAVRA.
III – A RELIGIÃO PURA E VERDADEIRA.



Proposta de introdução:
Quando as lições tratam de questões morais e de vida comum, é normal que alunos empolgados, peçam à palavra para contar suas experiências e alguns conseguem calar o professor por longo tempo. Não deixe que isso aconteça, pois, na maioria dos casos provocam irritação nos demais que acabam lamentando o tempo perdido.


I – PRONTO PARA OUVIR E TARDIO PARA FALAR.

1.1 Pronto para ouvir.

Momentos para ouvir: Quando estamos recebendo ensinamentos, em qualquer área da vida, faz-se necessário segurar a empolgação para não falar na hora imprópria perturbando o ensino, mesmo quando temos a sensação de saber mais do que o preletor.

Ouvir com serenidade os que nos procuram para aconselhamento mesmo que os esclarecimentos pareçam demorados e insipientes ou prolixos; isto faz com que o nosso interlocutor se sinta ouvido, importante.

O autor cita ainda, a experiência de Samuel, ensinado para  ouvir Deus falar. Há muitos que ficam tão preocupados com o vizinho de banco ou com a movimentação de pessoas dentro da igreja – quando isso ocorre – que termina o culto e não ouviu a voz do Senhor.

1.2 Tardio para falar.

Recomendo a leitura deste tópico, com expressão para que os alunos percebam a sua importância.

Quando falar: Tiago não impede ou critica a fala, mas, invoca responsabilidade na fala e principalmente quando estamos na Casa do Senhor, o cuidado deve ser redobrado. Já vi muitas perdas por conta de maus pronunciamentos, principalmente quando afetam os novos convertidos.

A segunda questão importante dessa abordagem é que Tiago deve ter conhecido muita gente precipitada para falar e desatentas para ouvir.
Pv.25:11 “Como maçãs de ouro em salvas de prata, são as palavras ditas ao seu tempo”.

1.3 Controle sua ira.

46 anos. Dias, semanas e meses de vida em comum nas igrejas nos levam a conhecer os sentimentos que envolvem as pessoas, comparando-as com os traços bíblicos e com certeza, a ira não é um sentimento comum de pessoas nascidas de novo.

“Tardio para se irar...”.
É um conselho sem cabimento da parte do apóstolo ou ele reconhece que nem todas as pessoas tem um bom temperamento, mesmo os nascidos de novo?

Há tantas coisas nesse mundo que a Bíblia fica parecendo pura teoria e utopia.

Mesmo os nascidos de novo precisam controlar a sua natureza. Deixar-se dominar inteiramente pelo Espírito de Deus, parece ser um privilégio de poucos, resguardadas as devidas proporções. Conheci excelentes crentes que não poderiam ser investidos de qualquer responsabilidade na igreja; causariam um transtorno pela facilidade de irritarem-se ou até mesmo, chegarem à ira.

II – PRATICANTE E NÃO APENAS OUVINTE DA PALAVRA.

2.1 Enxertai-vos da palavra.

Este tópico é uma exortação do autor baseado no texto de Tiago, para que não sejamos apenas ouvintes da Palavra. Definitivamente, o amor a Palavra de Deus é a única saída para uma vida coerente e vitoriosa. O que se vê em nossos dias, principalmente pelas heresias de muitas igrejas, deixa a nítida impressão que muitos não demonstram conhecer e se conhecem, desprezam a Palavra do Senhor.

2.2 Praticai a Palavra.

A palavra chave deste tópico parece ser a repetição da fala de  Tiago; “o homem que contempla a própria imagem no espelho e  depois se retira, esquecendo-se completamente dela”.

O típico ouvinte esquecido.

2.3 Persevere ouvindo e agindo.

A maior prova que um cristão pode dar como conhecedor da Palavra de Deus está na sua atuação constante.

Não podemos julgar a todos pela aparente falta de atuação, pois, há pessoas sem condições de envolvimento com a igreja, outras que se sentem incapazes de fazer algo, mas, guardam profunda fé no coração e não escondem isso das pessoas com quem convive exercendo admiração sobre elas.


III – A RELIGIÃO PURA E VERDADEIRA.

3.1 A falsa religiosidade.

Com o advento da rede social, passamos a conhecer pessoas que oram pela madrugada, que evangelizam e as que contribuem. São Pessoas que gostam de publicar seus feitos, isto não chega a ser uma falsa religiosidade, mas, a torna tão fútil quanto.

A outra questão importante é quando praticamos boas ações e agravamos a vida de alguém com alguma atitude má. Isso por si destrói tudo que de bom se faça em nome do Senhor.

3.2 A verdadeira religião.

Um texto que acho por demais interessante, muito usados em pregações, porém, de certa forma, fora de contexto, quando muitos acham que o os nossos pecados sejam limpos, sem que haja algo que agrade o coração de Deus, está no livro de Isaias 1:11-17 tendo no verso 17, a definição da bondade de Deus no tocante a verdadeira religião: (18) “...Vinde então e argui-me...”.

3.3 Guardando-se da corrupção.

Recomendo que você professor, grife neste tópico para dar ênfase: “A religião falsa está mergulhada no egoísmo, na corrupção e nos interesses maléficos do sistema pecaminoso”.

Mergulhada no egoísmo da corrupção; assombram-nos as coisas que acontecem no nosso meio, com relação à corrupção.

Ato ou efeito de se corromper; no sentido de negociatas, perder o referencial de fé ou ser um agente ativo da corrupção, como comprar favores.


Nenhum comentário:

Postar um comentário