Tradução deste blog

terça-feira, 7 de maio de 2013

A INFIDELIDADE CONJUGAL - Lição 6 EBD/CPAD


LIÇÃO 06 A INFIDELIDADE CONJUGAL.
EBD 12.05.2013. Subsídio.
PONTOS A ESTUDAR:
I – ADULTÉRIO, UM GRAVE PECADO.
II – AS CONSEQUÊNCIAS DA INFIDELIDADE.
III – CONSELHOS CONTRA A INFIDELIDADE.

 Em tempo: Estamos diante de uma lição que é o primor da doutrina da moralidade cristã. Tanto no antigo como no novo testamento, a Palavra de Deus, não muda. A exigência de santidade sempre foi à palavra de ordem na Bíblia Sagrada. A presença do Senhor no monte, não permitia qualquer aproximação do povo, mesmo tendo se santificado para assistirem a maior entrevista de todos os tempos. Deus desce no monte para falar com Moises.
Ex.19:10 “Disse também o Senhor a Moisés: Vai ao povo e santifica-os hoje e amanhã, e lavem eles as suas vestes e estejam prontos para o terceiro dia; porquanto, no terceiro dia,  o senhor descerá diante dos folhos de todo o povo sobre o monte Sinai... E marcarás limites”.

I – ADULTÉRIO, UM GRAVE PECADO.
1.1        Conceito e origem da palavra.
Há três tipos de consideração sobre a prática sexual ilícita entre os seres humanos:
Relação incestuosa – entre membros da família.
Fornicação – A relação imprópria entre jovens solteiros e
Adultério – Além do ato de fornicação, lida com o rompimento dos votos de fidelidade, próprios do casamento.  Dormir em cama alheia.

1.2        É preciso vigiar.
Sou sempre a favor que se faça uma leitura do tópico da lição, não sendo uma leitura demorada, mas, a que se convencionou chamar de “leitura dinâmica” com vistas a valorizar a lição.
A vigilância é fundamental, todavia, o melhor é ocupar a mente com as coisas de Deus, leitura frequente da Bíblia, livros saudáveis, escolha de amigos que compartilhem pensamentos igualmente puros e governar o próprio espírito.


1.3        Buscar a presença de Deus e não desprezar o cônjuge.
O autor fala da vulnerabilidade do casal diante das investidas do maligno. Essas investidas não se traduzem por quebra de pratos, batidas de portas como muitos pressupõe que seja. Há muito que o inimigo mudou sua estratégia para o “fascínio” ou seja: Tornar as coisas do mundo mais atraentes para alimentar a cobiça.
Ainda neste tópico, o autor dedica uma advertência aos obreiros que certamente, merecia um capítulo a parte, pois:
-O obreiro interage mais de perto com todos os membros da igreja.
-Por vezes, a possibilidade de interagir de forma isolada surge e é tentadora para muitos.
-Há que pensar que o cônjuge precisa de tanta ou mais atenção que os membros da igreja que com frequência, vêm e voltam com seus dramas pessoais.
-Os dramas da vida conjugal geralmente esbarram no pastor da igreja.
-Por tudo isso e muito mais, o obreiro não pode sair de cima da torre de vigilância.

II – AS CONSEQUÊNCIAS DA INFIDELIDADE.
2.1 Afastamento de Deus.
O texto de Provérbios 6:20 e seguintes, trazem advertências tão fortes que fazem o cérebro pensar e repensar um comportamento infiel.
O afastamento de Deus tem sido a causa de muitas doenças psicossomáticas, ou seja: No corpo e na mente.
Os dramas vividos por famílias, decorrentes da infidelidade conjugal são intermináveis.

2.2 Morte espiritual.
Deus sempre dá um tempo para o arrependimento e este é o único meio de reconquistar o que se perdeu. Restarão as feridas ou as marcas como de uma cirurgia. Não havendo arrependimento, recebe-se o salário do pecado.
Como saber se Deus realmente dá oportunidade ao pecador nessas condições? Considerar o texto de ICo 5:4 Impureza na igreja.

2.3 Um lar despedaçado.
Um lar pode estar despedaçado antes e ou depois do adultério.
a)   Quando o amor se vai.
b)   Quando a falta de respeito impera.
c)   A perda de confiança entre os cônjuges, pela incapacidade de administrar o lar.


III – CONSELHOS CONTRA A INFIDELIDADE.
3.1 Fuja das tentações.
José é um dos mais belos exemplos de caráter e postura. Acabou preso, mas, manteve-se digno. A vitória foi dele.
Para os infiéis, mesmo sabendo que o preço do pecado é o mesmo, convém identificar:
a)   Aquele que por descuido ou fraqueza, errou e busca corrigir sua vida.
b)   Aquele que traz na sua natureza, o desejo carnal, a semelhança de Esau que era fornicador  e profano Hb.12:16 “ARC”.

3.2 Honre seu cônjuge.
A mulher tem mais a perder fisicamente que o homem por fatores diversos como: Gravidez, hormônios, menstruação e menopausa.
A deformação do corpo feminino abate a sua auto estima.
A mulher tende a se auto desvalorizar-se aumentando suas críticas ao marido.
Nós os homens, também estamos sujeitos a uma série de problemas de ordem patológica e não gostaríamos que nossa parceira nos despreza-se, portanto, o que não queremos para nós, não devemos querer para nossas esposas.

3.3 Aprecie seu cônjuge.
Um fato que considero interessante no tocante ao nosso comportamento e a vida cristã é que a mulher, antes e acima de qualquer é nossa irmã em Cristo e devemos ama-la como Cristo nos amou, Ef. 5:22 e seguintes. A recíproca também deve ser verdadeira.

Se alguma coisa está dando errado no casamento, o melhor é corrigir, pedir graça ao Senhor para rever a relação. Melhor que pecar.




Nenhum comentário:

Postar um comentário