Tradução deste blog

domingo, 4 de setembro de 2011

MMA (ARTES MARCIAIS) A LUZ DA RAZÃO E DA VIDA CRISTÃ.

Li diversos artigos sobre esse violento esporte conhecido como MMA. De cara, acho engraçado, convidar um teólogo para opinar sobre essa luta, a luz da Bíblia Sagrada, sem qualquer ofensa ou desprezo aos teólogos.
Quase não tenho assistido, pois, inverti o meu fuso horário e nada consegue me manter de olhos abertos, no momento em que passa esse programa na televisão. Não tenho gosto especial por este esporte, apenas curiosidade em avaliar o limite de cada um como também, não teria iria a um ginásio assisti-lo pela mesma razão.
Novamente digo, acho engraçado e falo como cristão, ver irmãos censurando esta modalidade desportiva e gastando suas energias para assistir e torcer pelo time de futebol da sua predileção. Não consigo perceber diferenças.  Analisando a questão com frieza, apesar do MMA ser uma luta violenta,  não tem torcida organizada e não jogam seus adeptos no Rio Tietê como fizeram com um torcedor de um time  em São Paulo.
Quanto a participação de cristãos como atletas, se buscar doutrina objetiva na Bíblia, tá tudo liberado, a questão é mais profunda. Até o Apóstolo Paulo usou a prática desportiva como ilustração, sem exercer qualquer juízo de valor sobre o assunto.  A prática desportiva cresceu muito com as faculdades de educação física e as escolas técnicas, busca-se o aperfeiçoamento das habilidades para fazer delas uma profissão. É melhor que ganhar dinheiro mostrando as partes intimas do corpo ou se corrompendo.
Não dá para comparar as lutas marciais hoje praticadas, com aquelas vistas nos coliseus romanos.  Nos coliseus, eram forçados a lutar até a exaustão, determinando-se a morte dos mais fracos.
No tocante a brutalidade  estão preparados para isso, são bem treinados e caso não aguente, o juiz está presente para interromper a luta mesmo com alguma demora diante dos resultados.  Acaba-se a luta e enchem os bolsos de dinheiro, abraçam-se e vão para suas casas e nós, apagamos as luzes e vamos dormir. No sentido psicológico, as coisas não são tão simples assim. A derrota sempre deixa marcas na alma. Algumas nunca cicatrizarão.   
O que vejo neste e em todos os esportes em que haja, participação de evangélicos é a banalização e demonstração de profundo desconhecimento dos ensinamentos bíblicos. Orar pedindo a Deus vitória para o time da qual faça partem ou para si mesmo, é comparável ao aluno que diante das provas, não estuda e resolve orar pedindo vitória  a Deus.  O mundo jaz no maligno e está a beira do abismo e aqui sim, todos os crentes precisam estar prontos para fazer a vontade de Deus. Neste sentido, coro em todos eles.

2 comentários:

  1. Pr.Genivaldo,
    Graça e Paz.
    Com todo respeito, má comparação.
    O futebol é um jogo de estratégia, não violento em sua finalidade. Se há violência dentro ou fora
    de campo é porque jogador ou torcedor estrapolaram.
    Caso diferente do MMA e de qualquer luta, pois a violência, ainda que ensaiada ou suportada é o foco.
    Sem violência não há torcida.
    Abraço,
    Auli Júnior

    ResponderExcluir
  2. Caro irmão e amigo Auli Junior.
    Você tem razão e peço desculpas. O meu erro se deve ao fato de não assistir a jogos e sim os jornais que noticiam fatos relevantes sobre o assunto. A brutalidade no octógono é prevista e de frente e muitas vezes no campo, é um ato covarde como a tesoura voadora aplicada por trás em um jogador que quase o manda para cadeira de rodas; por me impressionar com essas coisas é que fiz a infeliz comparação.
    Na verdade, o que avalio não é a violência no esporte e sim a participação do cristão nesses meios. Sem extremismos, me apego sempre ao Salmo 1.
    Pr. Genivaldo (anonimo sem querer)
    Grato e um forte abraço.

    ResponderExcluir