Tradução deste blog

domingo, 14 de agosto de 2011

AS CRIANÇAS ROUBARAM E AS MÃES FORAM PRESAS

TEXTO CORRIGIDO EM 15/08 ÀS 15:00 (PEÇO DESCULPAS).
Vivemos o momento mais difícil para promover a educação dos filhos. O governo tem cercado as crianças de proteção e obviamente, aprovamos a atitude do governo por conta da violência praticada contra elas. Recentemente o mesmo governo estabeleceu normas jurídicas em que torna proibido bater na criança. Bater na criança. Meus filhos são adultos, já não corro o risco de abandonar o menor incapaz para ir ao super mercado comprar algo que precise para casa, sob pena de não poder preparar o almoço e  se nesse espaço de tempo, algum imprevisto acontecer, a mãe ou o pai, poderão ser indiciados; se o filho pega escondido a chave do carro e sai com ele, causando danos a terceiros, o pai poderá ser indiciado também. Se a professora, que não pode se descontrolar, explode por conta de alguma atitude desrespeitosa do aluno e dirige alguma palavra dura, poderá ser indiciada dependendo da gravidade ou em processo administrativo, perder o cargo.
O livro de provérbios, tem um conselho interessante (Pv.23:13):  "Não retires a disciplina da criança; porque fustigando-a com a vara, nem por isso morrerá. V.14 - tu a fustigarás com a vara e livrarás a sua alma do inferno.
Meu saudoso pai, dificilmente batia porém, quando entendia ser necessário e conforme a gravidade da traquinagem, dobrava o fio de ferro elétrico ou uma vara tirada da goiabeira e aplicava uma sova. Nenhum de nós, nos tornamos inimigos do nosso pai por conta disso; um dos meus irmãos, o que mais apanhava, tornou-se uma pessoa de bem, hoje aposentado, vive tranquilamente com a família e netos. Não acreditávamos no seu sucesso como homem de bem, mas, ele venceu. As surras aplicadas nele, o impediram de apanhar da polícia ou de algum bandido. Tinha do meu pai  o exemplo de como educar os filhos, porém, não precisei usar do mesmo  remédio. Criamos quatro  filhos sem nunca ter dado um tapa no traseiro de qualquer deles.
Sabemos que nem todos são iguais e que a presença dos pais, no lar ou na escola, é fundamental na educação dos filhos, porém, é preciso que os pais sejam um modelo a ser seguido. Palavrões, bebida alcoólica, ausência de carinho, de  presença e comportamento moral duvidoso são componentes de falência na educação dos filhos. Mães que muito cedo empurram os filhos para namorar, adultizam as crianças, não ensinam a respeitar as meninas e permitem que sejam erotizados pela mídia, deixam para eles, uma péssima herança.

Temos na televisão uma mídia poderosa e o governo deveria ter mais espaço para lançar propostas educativas. Refiro-me a programas de esclarecimentos sobre a importância do valor e dever social de cada individuo em todas as áreas da vida, mostrando-lhes o prejuizo de andar na contra mão das responsabilidades sociais. Dou como exemplo a recente aplicaçao da lei que proíbe o motorista de ser desrespeitoso com o pedestre, pesando-lhe no bolso e nos pontos da CNH. Sentiremos a mudança de comportamento em pouco tempo por que há penalização. Não havendo penalidade dos infratores, estes não levarão nada a sério. 

Penalizem os pais e inocentem as crianças apenas por que são menores de idade e estaremos criando bandidos para que no futuro, morram nas mãos impiedosas dos que fazem justiça por conta própria.  
Obviamente, caberá a autoridade policial, investigar o grau de responsabilidade dos pais, em casos de abandono, uso do menor para furtos ou pedir esmolas nos semáforos e nos casos de  prostituição infantil.
Não podemos nos esquecer que Jesus as considerou como parte do Reino de Deus. Devemos lutar pela felicidade delas.




2 comentários:

  1. Querido Pastor Genivaldo, infelizmente depois do ECA - Estatuto da criança e do adolescente - tem aumentado exponencialmente o número de adolescente até menores de 12 anos que tem cometido crimes. Infelizmente as autoridades de plantão ficam de mãos atadas, pois não podem fazer nada. Infelizmente as vezes pagam o pais, infelizmente para os que são inocentes e não incentivam o crime dos filhos. O ECA vai em desencontro com a palavra de Deus que o Pastor citou acima " Não retires a disciplina da criança; porque fustigando-a com a vara, nem por isso morrerá. V.14 - tu a fustigarás com a vara e livrarás a sua alma do inferno" como os pais não podem mais fazer isto, muitos do filhos estão indo não só para a cadeia, mas para o inferno.Um grande abraço.

    ResponderExcluir
  2. Abraço querido irmão Edis.
    Sempre que se pretende descarregar o estresses, pode ser eu ou você a próxima vitima. Lamentavelmente, as crianças têm sido as vítimas mais próximas dos estressados.
    Pr.Genivaldo
    O anônimo, as vezes.

    ResponderExcluir