Tradução deste blog

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

IV - COSTUMES, CONFLITOS E DOUTRINAS

No penúltimo bloco,  ensaiamos conversa sobre a segunda geração dos pastores da nossa Assembléia de Deus, considerando os 100 anos em 3 períodos de 30, os 10 ficam para nossas crianças em desenvolvimento.  As conquistas, pelas quais, os considero verdadeiros servos de Deus, a manifestação de apreço pelas almas, a dedicação no ensino da palavra como também as constantes exortações quanto a postura cristã em relação ao mundo, cada vez mais tomado por valores terrenos e transitórios, nos obriga a reverencia-los. Não quero dizer que na explosão de crescimento da nossa AD não houvesse como ainda hoje há, pessoas desprovidas do conhecimento doutrinário da Palavra de Deus, sem a verdadeira chamada, ensinando e cobrando tolices dos conservos; coisas que  o Apóstolo Paulo mostra o verdadeiro sentido em Col 2:18-23 declarando-as de aparente piedade e devoção, servindo apenas para satisfação da carne. Não podemos nos esquecer que ele introduz suas palavras informando que são para os mortos em Cristo, que não dependem de mandamentos e exortações pois tem consciência da dialética moderna e sabem perfeitamento desdobrar os conselhos do nosso irmão João, o apóstolo do amor  quando nos diz:   "Não ameis o mundo nem o que no mundo há"  IJo 2:15. Imaginem o choque cultural dos nossos pais na fé que viveram numa época em que por exemplo; a mulher não fumava, não usava calça comprida e outros adereços que,  até a metade do século passado era considerado imoral, não pelos pastores mas pela sociedade, hipócrita ou não. O Brasil sempre amargou um alto índice de analfabetismo e a maioria quase absoluta dos pastores tinham no máximo o antigo curso primário ou apenas sabiam ler e escrever e essa falta de conhecimento secular, com frequência se chocava com o crescente desafio que a sociedade enfrentava na busca da modernização e do saber. Havia um grande divisor de águas; de um lado, pastores com pouco estudo porém cheios do Espírito Santo;  mesmo exigentes, sabiam cuidar do rebanho, eram durões com suas famílias para dar "EXEMPLO" a congregação e com isso,  pagavam um alto preço por dizer a igreja o que não PODIAM fazer quando o correto seria ensinar o que não DEVIAM fazer (ICo 6:12) e mais, com as palavras de ordem, estabeleceram-se  juizos de valor sobre a igreja criando dois grupos errados;   os que não obedeciam as regras da igreja e os que obedeciam mas, gastavam seu tempo acusando e cobrando os desobedientes, Mt. 7:1-5,  Cl 2:16 e Rm 2:1 que trata dos judeus, porém, me perdoem os exegetas por tomar esse texto isolado numa questão isolada.
Baton, esmalte, calça comprida, esportes de qualque espécie, tudo sob o pecado, dispensavam qualquer explicação. Os nossos filhos foram crescendo, estudando, ficando espertos e nos cercavam com perguntas tais como; Se é pecado, onde está escrito? e se pior, não sei, surgiram as escolas teológicas e eles foram pra lá e quando voltaram, alguns inchados já questionavam tudo e na igreja, fiscalizavam tudo o que se dizia, e carregados pelo grego e o hebraico, quase nos convence que a nossa tradução não é muito confiável. Agora eu do lado de cá, pergunto, nossos pais estavam errados?. exageros a parte.
UMA BOA PAUSA PARA MEDITAÇÃO.
Tudo o que não está na Bíblia, não é pecado portanto posso fazer a vontade? afinal, isto é costume e aquilo doutrina, huuum!! doutrina é imutável e costume, não,  costume não é doutrina. A mulher e as filhas de Ló que o digam e de quebra,  lembram-se da lição dos recabitas? Jr 35:1-6. Procure nos dicionários, o sentido da palavra doutrina. Significa muita coisa? ótimo.
Quando estabeleço dentro da "minha" igreja, uma série de normas visando o bem estar dos membros, parto sempre do principio que a rigor posso fazer todas as coisas porém, aquelas que não me aproximam de Deus, não me edificam, não  ajudam na fé, posso deixa-las de lado? aquelas que não alteram em absoluto, a minha capacidade de competir no mercado de trabalho, não aumentam ou diminuem meu tamanho moral e intelectual,  posso deixa-las de lado?.
Segunda-feira - vestido verde, sombras verdes, esmalte verde.
Terça-feira - vestido amarelo, sombras amarelas, esmalte amarelo podendo  ser roxo para contra balançar.
Quarta-feira - tem jogaço na televisão, pelo menos, um tempo menor para novelas, não aguento mais tanta choradeira.
Domingo - Maracanã, engenhão, morumbizão e pra minha família, domingão do Faustão, programa do Baú e enfim, elas cá e eu lá, se isto não for suficiente, passo na ponta da feira e compro uma dezena de dvds a R$ 2,00 e deixo lá para distração do  pessoal, já deixo também uns pacotes de pipocas para micro-ondas. O chato disso tudo é que esses filmes estão carregados de cenas com sexo explicito ou quase, são muito sugestivos e até mexe com a libido etc. etc. etc.; Há! paciência!  elas já são maduras o suficiente e saberão compreender.
A CONSCIÊNCIA BERRA e as almas? almas? que almas? O Malafaia (eles nem se dignam a chamar de pastor) o JR e o Bispo tal, estão na televisão, bem pagos, pregando uma grande variedade de mensagens (peço desculpas pelas citações de nomes, apenas para exemplificar) e a noite?
A NOITE - Já deixei há muito de ir pra minha congregação, lá eles conhecem a minha vida, vêem que não sou dizimista, tenho umas continhas pendentes no armazém da esquina e aí, prefiro as grandes;  belas orquestras, feira das nações, acampamentos e acreditem;  acampa-dentro; belo coral e o pastor, tem sempre um belo sermão textual ou expositivo (é assim mesmo? é que uso pouco essas ferramentas)  quando termina, vou com a família comer pizza, assistir tela de sucesso etc. etc. (psiu! não me fale em Escola Dominical), tenho o direito de descansar no domingo.
NOVAMENTE AQUELA VOIZINHA CHATA - E as almas, cadê as almas, quantas voce já ganhou; e para se livrar dessa questão, responde paara si mesmo: essas almas precisam ver televisão, os drogados, os pedófilos, os maridos que batem na mulher, os tele-evangelistas tem conselho pra isso tudo. Vou dormir que amanhã é dia de "branco".
PECADO hum! o que é pecado? sei lá; quem consegue hoje, em são juizo, sem ler a Bíblia, divisar a fronteira entre a justiça e a impiedade, entre o certo e o errado?.
Segunda feira, tudo recomeça, ops! tem novidade no pedaço, viu a mulher do presbítero Frederico?(1), tá fazendo academia e comprou um uniforme da ora, tenis de marca e la vai a irmâzinha,  mulher do presbítero Frederico, toda faceira, com aquela roupinha colorida colada no corpo, eu nem sabia que ela tinha um corpão por onde a santa irmã passa, os marmanjos só faltam engolir com os olhos. Cê viu  a mulher daquele pastor hum!!! encontrei com ela no metrô, nem reconheci, óculos escuros, cabelo chapinhado, penso que são louros agora, uma calça colada no corpo e "vamo imbora", rapaz! os homens são uns safados; que é que tem que ficar olhando pra mulher dos outros. Ele deixou de ser um servo de Deus para ser "zotro".(1)
Acreditem um dia alguém encontrou uma irmã da "minha" igreja e disse arrogantemente; como vai o Egito? (simbolo da escravidão)  ao que ela calmamente retruca: tudo bem e a Babilônia...(que confusão!!).
Olha,  só pra terminar, acho bom voces liberais, parar de ficarem criticando os conservadores, deixa essa questão por conta do Senhor, quando ele vier, tá bom?  Conheço irmãs, sinceras na língua e na vida que não aceitam alterar sua personalidade porque se sentem bem com Deus e sua consciência, não nos forçe a ir com voces ao campo de futebol e de tanguinha na praia só porque costume não é doutrina.
Aquela coisinha que Pedro falou em IPd 2:13-16;  3:1-5 o 6 é por demais escandaloso.
Para concluir este inesgotável assunto, tenho dito para alguns, não me incomodo que voces sejam; corintianos, são paulinos, flamenguistas e etc. eu só gostaria que voces tivessem por Cristo a mesma preocupação, o mesmo amor, a mesma intrepidez  e quando uma alma se entregasse para Jesus, voces fizessem o "OLA" de tanta alegria. Por enquanto chega.
Não se zanguem comigo.

1) Os nomes e os fatos citados, são fictícios e pura imaginação da minha cabeça, isso não existe, exclamo.




Nenhum comentário:

Postar um comentário