Tradução deste blog

segunda-feira, 29 de setembro de 2014

EBD LÇ.1 DANIEL, NOSSO "CONTEMPORÂNEO".

EBD – SUBSÍDIO - LIÇÃO PARA O DIA 05/10/2014
PONTOS A ESTUDAR:
I – A HISTÓRIA POR TRÁS DO LIVRO DE DANIEL.
II – OS FATOS QUE PROPICIARAM O EXÍLIO NA BABILÔNIA.
III – DANIEL, O AUTOR E O LIVRO.




PROPOSTAS DA INTRODUÇÃO: O autor se propôs a comentar estas lições baseadas no livro de Daniel sob a perspectiva da escatologia bíblica.  Além da grandeza escatológica, temos a grandeza histórica e moral do livro que nos trará profundos e valiosos ensinamentos.


I – A HISTÓRIA POR TRÁS DO LIVRO DE DANIEL.

1.1 A formação histórica de Israel.
Nesta primeira parte o autor repassa a história de Israel a partir de Abraão e Sara Gn.12:1-3.
Abraão, Isaque, Jacó e os 12 patriarcas de Israel, o cativeiro egípcio de 400 anos e o retorno à terra de Israel (Heretz Yisrael). O regime era patriarcal sob um governo teocrático, ou seja, a orientação de vida do povo e as grandes decisões nacionais vinham de diretamente de Deus.

1.2 O governo teocrático.

Moisés passou a liderança para Josué por determinação de Deus, (Dt. 31:14) que deu continuidade a incursão e domínio de toda a terra prometida.

A teocracia sobreviveu até os tempos de Samuel que intermediou a vontade do povo em rejeição ao governo divino.

As causas da rejeição à teocracia são vistas no livro de Josué e Juízes que retratam a decadência moral do povo por conta da mistura com povos estranhos.

1.3 O governo monárquico.

Foi um período de longa duração e de divisão do reino, de governos bons e outros, ímpios. A decadência da monarquia teve como principal causa, a impiedade e ganância de alguns governantes que promoveram cultos pagãos e a idolatria, sendo o mais significativo deles, o reinado de Acabe que se casou com Jezabel filha de Etbaal rei dos Sidonios.


II – OS FATOS QUE PROPICIARAM O EXÍLIO NA BABILÔNIA.

2.1 O contexto político do reino de Judá.

Uma pergunta que nunca falta em uma hora dessas: Por que Deus permitiu que isto viesse acontecer?

a) A Palavra de Deus não muda, lembrem-se das mensagens enviadas através de Moisés à Faraó; “...Deixa sair o meu povo...”.

b) Deus se mantém firme em tudo quanto diz; não se movimenta para acolher os corações entristecidos e discordantes dos ensinamentos bíblicos mudando suas regras.

c) Quando Salomão inaugurou o templo, Deus foi claro com ele no tocante a fidelidade, tanto dele quanto do povo. IICr 7:21.

Que sirva de lição para todos nós.


2.2 Israel no exílio babilônico

Recomendável que o professor faça ou peça uma rápida leitura do texto, muito bem comentado pelo autor; valorize o trabalho do autor e a lição que o aluno compra para uso em classe, mesmo que você seja muito competente para elaborar estudo paralelo.

A maioria dos casos de corrupção moral começa sempre com a liderança, todavia, há exceções e quero lembrar a revolta do povo de Israel que culminou com a construção do bezerro de ouro. Enquanto Moisés falava com Deus, o povo se corrompia sob os olhares dos príncipes dos acampamentos e de Arão.

Há hoje, muitos casos de desvios doutrinários protagonizados pelas igrejas que vão forçando a penetração de costumes estranhos, exigindo do líder, muita habilidade no trato dessas questões.

O resultado de quem permite corromper, é grave e o exílio na Babilônia serve de ótimo exemplo para o que não se deve fazer.




III – DANIEL, O AUTOR E O LIVRO.

3.1 O homem Daniel.

Daniel deixa exemplo  que essa história de que o crente não pode conviver em relacionamento profissional ou com vizinhos, por não serem crentes é pura conversa. Personalidade é tudo.

Daniel fez brilhar a sua luz nas trevas e Deus o honrou.

3.2 A importância do livro.

O livro de Daniel é riquíssimo em vida exemplar; nele encontramos também seus amigos, Hananias, Misael e Azarias, cativos sob o nome de; Sadraque Mesaque e Abdinego que mostraram o seu amor incondicional para com Deus.

3.3 A autoria e as características do livro.

O autor reitera a autenticidade e autoria do livro a Daniel, local e idioma usado na sua compilação; hebraico e aramaico.

O livro de Daniel é considerado o Apocalipse do Antigo Testamento, considerando suas profecias, algumas cumpridas e outras por se cumprir.

Algo que considero muito interessante do ponto de vista histórico e profético refere-se a estátua vista por Nabucodonosor em seu sonho que retrata o surgimento e destruição de grandes impérios e o último, o Império Romano representado  nos pés com parte de ferro e barro, com certeza mostrando as duas  naturezas desse império. A  parte  de barro mostra  a força desse reino sob o governo do Anticristo que será destruído pelo Senhor na sua vinda com a igreja. Apesar de o Império Romano ter subsistido com duas capitais, Roma e Constantinopla, é bom lembrar que esse império formou a maior religião da cristandade, misturando-se com semente humana, a parte de barro.

Finalmente, o Capítulo doze  versos 2 ao 4 que retrata de forma panorâmica como serão os últimos dias, os salvos e a multiplicação da ciência ou do conhecimento. Coisa séria!



Nenhum comentário:

Postar um comentário