Tradução deste blog

sábado, 9 de fevereiro de 2013

EBD/CPAD LÇ.06 A VIÚVA DE SAREPTA.


LIÇÃO 06 A VIÚVA DE SAREPTA.
EBD 10.02.2013. Subsídio.
I – UM PROFETA EM TERRA ESTRANGEIRA.
II – UMA ESTRANGEIRA NO PLANO DE DEUS.
III – O PODER DA PALAVRA DE DEUS.
IV – O PODERDA ORAÇÃO .


Em tempo: A viúva de Sarepta,  não tinha a menor noção que seu nome,  melhor dizendo, como se podia chama-la, viúva de Sarepta, seria alvo de tanta discussão acerca da fé e da bondade de Deus para com os necessitados, ultrapassando as fronteiras de Israel, provendo-nos de exemplo do seu grande amor e quem sabe, uma lição para aqueles que muitas vezes, são incapazes de ultrapassar os limites da igreja, para socorrer alguém, apenas, porque não é crente ou não é evangélica. Quantas vezes, perdemos a chance de atender a um chamado de Deus, por puro preconceito ou simplesmente, por erro de entendimento quanto ao Evangelho e seus propósitos.

I – UM PROFETA EM TERRA ESTRANGEIRA.
Deve-se considerar o clima que envolvia a vida de Elias conforme comentário da lição.

1.1        1.1 A fonte de Querite.
A orientação de Deus pela sua palavra, mas, também, por suas revelações, são melhores que conselhos até de amigos. Um amigo pode errar, porém, Deus nunca erra.
Como Deus conduziu a vida de José, filho de Jacó. A vida de Davi e sua ascensão ao trono de Israel.
Às vezes penso, porque esta geração vive correndo atrás de pregadores quando temos um Deus que nos ama e sabe tudo ao nosso respeito.

1.2        Elias em Sarepta.
Afastar-se da zona de conflito nos proporciona duas interpretações aceitáveis: 1) Esconder Elias e pô-lo longe do alcance de Acabe e sua má sorte, Jezabel. 2) Uma pausa para suas lutas e mostrar-lhe o quanto Deus é benigno e pronto a revelar  seu poder e cuidados com cada um de nós. Uma viúva vai te sustentar, humanamente falando, só rindo. Quando Deus manda, o resultado é o melhor.

II – UMA ESTRANGEIRA NO PLANO DE DEUS.
2.1 A soberania e graça de Deus.
Corvos que levam alimentos para o profeta, viúva que sustenta apesar da fome. Não cai uma folha da árvore se Deus não autorizar.
-Nunca rejeite ir à casa da viúva por ser pobre e viver praticamente isolada. Em uma caneca de café e um pedaço de bolo de fubá, pode estar a sua bênção por muitos, desprezada.
-Infeliz o obreiro acelerado quando convidado a ir a casa de quem lhe pode retribuir e passa pela porta da viúva sem dar a mínima atenção, nunca tem tempo.
A soberania de Deus revela o poder de controlar todas as coisas, tornando tudo possível enquanto a sua graça nos ensina a não desprezar aqueles por quem Cristo morreu.

2.2 A providência de Deus.
Este ponto da lição nos mostra que a despeito dos pregadores da prosperidade falar da riqueza como um fim em si mesmo, Deus usa coisas desprezíveis para honrar seus filhos. Imaginem um tele pregador cotado pela Forbes como milionário, teria essa preocupação. Somente o Deus da providência, oferece água da rocha Ex.17:6.


III – O PODER DA PALAVRA DE DEUS.
3.1 A escassez humana e a suficiência divina.
Qualquer semelhança entre as obras de Deus e as de Cristo não é mera coincidência.
-Cinco pães e dois peixes, sob a graça do Senhor, alimentaram multidões. Mc. 6:41.
-Um pouco de farinha e azeite, alimentou e pagou dívidas, garantindo um futuro tranquilo.
A minha incompreensão reside no fato de termos um Deus que provê e os homens correrem atrás de homens por conta de promessas, muitas das quais, não se realizarão.

3.2 Deus, a prioridade maior.
O texto de Mt. 6:33 citado pelo autor, precisa ser considerado neste contexto, pois não alimentará qualquer pretexto para o crente, comprar: Toalhinha ungida, óleo de Israel, areia da praia do mar da Galileia e a mais nova é o tijolinho abençoado ao custo de R$ 200,00.
Quando aceitamos a fé, aceitamos a Deus e as promessas do seu filho Jesus Cristo, sem questionar, como ficam as riquezas materiais.


IV – O PODER DA ORAÇÃO .
4.1 A oração intercessória.
Será que alguém tem dúvidas que essa viúva, pertencendo a um povo idólatra, não sabia no seu íntimo que havia sobre tudo e todos,  um Deus vivo que poderia socorrê-la?
– Consideremos o exemplo de Cornélio em Atos 10.
- A pronta e perfeita argumentação do cego de nascença. Jo 9:31.
Como dizem alguns jocosamente: Chupa essa manga.

4.2 A oração perseverante,
Dois momentos na vida de Elias nos mostra que nem todas as respostas de Deus ocorrem no primeiro momento de oração.
Em IReis 18:42 o servo de Elias foi procurar o sinal de chuva.
Daniel orou 21 dias por uma resposta. Dn 10:2.
Hoje o homem não tem paciência de esperar a providência de Deus e corre atrás de soluções rápidas.


Nenhum comentário:

Postar um comentário