Tradução deste blog

terça-feira, 20 de setembro de 2011

EBD LIÇÃO 13 CPAD - A PLENITUDE DO REINO DE DEUS.

Pontos estudados nesta lição:
1)   A PLENITUDE DO REINO: UMA BENDITA ESPERANÇA.
2)   O REINO DE DEUS: UMA SUBLIME REALIDADE e
3)   A CONSUMAÇÃO FINAL DO REINO DE DEUS.


Mt. 25:34 Então dirá o Rei aos que estiverem à sua direita: Vinde, benditos de meu Pai, possuí por herança o Reino que vos está preparado desde a fundação do mundo. (grifo meu).

Ef. 1:4 Como também nos elegeu nele antes da fundação do mundo, para que fôssemos santos e irrepreensíveis diante dele em amor. (grifo meu).

ICo 15:25 Porque convém que reine até que haja posto a todos os inimigos debaixo de seus pés. (grifo meu).

Gosto da palavra “macro” (do gr. Makrós) daí, a  macro visão para tratar de alguns temas bíblicos. Essa macro visão, nos permite conhecer algo do Reino de Deus, a partir de uma perspectiva maior que inclui o antigo e o novo testamento.  O Reino de Deus sempre existiu, no céu e na terra. A vontade de Deus era integrar o homem nesse governo e Israel seria para o mundo, a base política e social desse reino, não fosse a rejeição popular manifestada através do profeta Samuel (ISm 8:7). Deus rompeu com Israel (sob este aspecto). Mandou que se lhes desse um rei e ainda lembrou o tamanho da responsabilidade e custo que passariam a ter. Podemos afirmar que o homem caiu duas vezes rejeitando a Deus: No Éden, quando o homem, pela desobediência, perdeu a comunhão com o Senhor e  agora no período dos juízes, o fato se repete e o homem deixa escapar a Glória de Israel.   Perceba-se que pelo texto de Mateus 25:34 Deus já tinha planejado a remissão do homem e o restabelecimento da sua entrada no  Reino.
CONVÉM QUE REINE – Os TJs (Testemunhas de Jeová)  tentam convencer a todos que Jesus já reinou e já entregou o reino ao Pai. Tadinhos, pior que se isso fosse verdade, estaríamos sendo testemunhas de um reino, o mais degradado de todos os reinos; reino de prostituição, drogas, sexo e violência.

1 - A PLENITUDE DO REINO: UMA BENDITA ESPERANÇA.
1.1       O Deus da esperança.  Pela introdução e este primeiro ítem, percebe-se que o comentador não quer se deter totalamente no estudo  teológico sobre o Reino de Deus, mas, pretende mostrar que o homem, por conta do pecado, não tinha qualquer expectativa de adentrar a este Reino. Deus encheu o coração do homem de esperança, cremos que Adão não morreu sem entender o sentido profético da semente da mulher e a partir dele, todos os homens declarados justos e os justificados por Cristo,  alimentaram esta grande esperança, de alcançar a plenitude do Reino.
1.2       Em Cristo temos esperança.  A pregação mais legítima no tocante a salvação é a que conduz o homem a CRISTO. Aponta sempre JESUS como o núcleo da salvação e tudo que gira em órbita, deve girar sempre nele, nisto, não tem grego nem judeu. Entendo que somente em Cristo, temos esta esperança, isto por si, exclui os pregadores que concentram as pessoas em torno de si. Esta é a razão de eu (desculpem o pronome) nunca ter alimentado qualquer ideia de divisão, pois, os que promovem divisão, precisam ter as pessoas em torno de si e isto é usurpação.
Jo 1:29 “Eis o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo.
1.3       A esperança do Reino para a Igreja.  Perspectiva escatológica nada tem a ver com os sortilégios em voga na mídia (horóscopo, tarôs e etc.) A perspectiva escatológica é a que nos dá uma dimensão real das últimas coisas tais como: O arrebatamento da Igreja e o Milênio. Logicamente, quem nele (JESUS) tem esta esperança, purifica-se a si mesmo como ele também é puro IJo 3:3.

2 -  O REINO DE DEUS: UMA SUBLIME REALIDADE.
2.1 Nas escrituras. O projeto de Deus não era incompreensível. A chamada de Abraão sinalizava a formação desse Reino, frustrado em parte, pelo endurecimento de coração do povo, porém, prometido na lei, pelos sacrifícios, pelos profetas e poetas da bíblia que este reino viria na plenitude dos tempos. Quando chegou, João deu conhecimento a todos. Mt. 3:1-2.
2.2 No presente. Jesus Cristo efetiva o estabelecimento do Reino de Deus no mundo; basta verificar quantas vezes ele faz menção desse reino, nos seus ensinos.
Considere com seus alunos o que o autor quer dizer com: “A sua Igreja, como parte desse mesmo Reino,  não proclama a si própria nem é um fim em si mesma”.
Obs. Alguma semelhança com o que se prega e vive hoje, bem como as igrejas/denominações são exaltadas?
2.3 No futuro. O autor afirma que o Reino de Deus será espiritual e universalmente pleno.
Acredito que esse, universalmente pleno, refere-se ao aspecto físico e político do Reino, pois, as nações se dobrarão ante o Rei Jesus.

3 - A CONSUMAÇÃO FINAL DO REINO DE DEUS. Significa, o ápice, o
ponto máximo desse reino que apresentará Jesus ao mundo, com poder e grande glória bem como a magnificência desse reino, justiça e paz será a sua bandeira e pela primeira vez, em toda história da humanidade e para vergonha dos governos e políticos do nosso tempo, teremos um sistema justo em que a riqueza será distribuída de forma equânime. O Rei, não tratará seus súditos com vara de ferro e escorpião.
Outro aspecto importante desta lição por sinal, riquíssima, é mostrar que o Reino não se perpetuará por toda eternidade, ele tem um tempo determinado de duração. Logo depois, abrir-se-ão as portas da eternidade; uma destinando os injustos para o inferno e outra, para a maior conquista, estar com Deus por toda eternidade.
Amém. Ora vem Senhor Jesus.

2 comentários:

  1. Querido Pr. Genivaldo,

    A Paz do Senhor!

    Já devo ter dito antes e quero dizê-lo outra vez: admiro sua capacidade de escrever e tornar as ideias claras. No texto percebe-se sua visão do Reino, sua espiritualidade, realidade e extensão. Gostei da dimensão do macro e do micro proposta e de sua capacidade de análise.

    Forte Abraço.
    No Amor de Cristo!

    ResponderExcluir
  2. Grato, amigo e pastor Guedes.
    Seu comentário me renova. Espero em Deus, a quem glorifico por tudo, que possoam fazer escola.
    saudações a você e a sua linda família
    Pr. Genivaldo

    ResponderExcluir