Tradução deste blog

segunda-feira, 14 de março de 2011

A DOUTRINA DE BALAÃO e a Marques de Sapucai

Para acalmar os mais exaltados, quero me antecipar dizendo que não fico horas diante da televisão, vendo a Escola passar todavia, não gosto de viver alienado, do mundo contemporaneo. São as minhas observações que aquecem a minha fé na vinda de Nosso Senhor e Salvador JESUS CRISTO quanto a proximidade da mesma. Jesus disse que eles são muito mais prudentes que os filhos da luz. Queimaram-se os barracões porém com muita rapidez, se recompuseram e fizeram suas apresentações. Quando vejo os temas e as alegorias, fico pensando na riqueza das imaginações contidas. Se o povo de Deus tivesse a mesma solicitude pelo Reino de Deus,  que grande obra faríamos.
O colorido do carnaval e suas alegorias,  nos leva a pensar nas palavras de JESUS: "Já não falarei muito convosco; porque se aproxima o principe deste mundo e nada tem em mim" Jo  14:30 e do Ap. Paulo que o chama de "O deus deste século" 2Co 4:4. Tudo que há no mundo é um verdadeiro fascínio.
Costumo ensinar a igreja que o Diabo não fica derrubando panelas, chutando cachorros, tentando assustar as pessoas e não se deixa amarrar com facilidade como pregam os falastrões. Ele, o Diabo,  deu a este mundo um colorido intenso, como forma de fascinar para  atrair os discipulos de Cristo e tudo com aquela máxima de "Não faz mal, não tem importância, DEUS só quer o coração". Isto tem levado muitos crentes a cometer os mesmos erros que morreram sob o engano do prêmio de Balaão. Carros, roupas bonitas, shopping e outras formas de lazer ocupam quase a totalidade das preocupações humanas. Li pelo menos duas vezes o livro  "O Peregrino" e um dos personagens mais tocantes é o Apego ao Mundo.  JESUS exorta os cristãos de todos os tempos, apontando para  um fato bíblico histórico;  "Lembrai-vos da mulher de Ló" Lc 17:32. Ficar na beira da Sapucai ou dentro dela ou ainda, acompanhando frenéticamente pela televisão, dá na mesma.  Um pastor responsável precisa levar a sério a lição do prêmio de Balaão e não subestimar as astucias de Satanas. O Apostolo Paulo disse que não ignorava os seus  ardis.
A igreja de Pérgamo  (Ap 2:12) tinha lá os seguidores da doutrina de Balaão que segundo as palavras de JESUS dirigidas ao anjo da igreja, ensinava Balaque a lançar tropeço diante dos filhos de Israel para que comessem das idolatrias e se prostituíssem. A carta não foi dirigida aos diáconos ou cooperadores mas ao anjo da igreja, ao pastor.
Um pouco de Teologia - Lendo a estória de Balaão e sua aliança com Balaque como está nos capítulos 22 a 24 de Números, não se percebe a subtileza de Balaão, ensinando tamanho mal para destruir o povo de Israel. Depois de levantar sete altares e não conseguir uma palavra de maldição a não ser de bênçãos, vem a mais importante declaração do amor de DEUS ao seu povo: "Contra este povo, não vale encantamentos". O episódio termina de forma lacônico; Nm 24:25 -  Então, Balaão levantou-se e foi-se e voltou ao seu lugar e também Balaque se foi pelo seu caminho.
O que de fato aconteceu entre eles em suas conversas, Pedro, o apóstolo, declara em sua segunda epístola, que estes, os Balaões modernos, deixam o caminho direito e erram seguindo o caminho de Balaão filho de Beor, que amou o prêmio da injustiça, sendo repreendido pelo mudo jumento que falou-lhe com voz humana tentando impedir a loucura do profeta. Hoje as jumentas não falam mais pois quando começa o barulho característico, a campainha do púlpito funciona em nome da ética. A referência do Apóstolo Pedro é endossada na carta escrita a igreja de Pérgamo. Deus disse a Davi: Você fez escondido mas eu vou mostrar sobre todos os telhados da casa de Israel.  

Nenhum comentário:

Postar um comentário