Tradução deste blog

sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

PAZ DE DEUS: ANTÍDOTO CONTRA INIMIZADES, EBD, Lç.5 29/01/2017


EBD – SUBSÍDIO – LIÇÃO 5 29/01/2017.
PAZ DE DEUS: ANTÍDOTO CONTRA AS INIMIZADES.
PONTOS A ESTUDAR:
I – A PAZ QUE EXCEDE TODO ENTENDIMENTO.
II – INIMIZADES E CONTENDAS, AUSÊNCIA DE PAZ.
III – VIVAMOS EM PAZ.


"Glória a Deus nas alturas, paz na terra e boa vontade para com os homens.".



I – A PAZ QUE EXCEDE TODO ENTENDIMENTO.

1.1       Paz.

Recomendo a leitura do tópico por um dos alunos e uma breve reflexão principalmente sobre a referência feita pelo autor sobre o portador de “Síndrome do Pânico”.

Depressão e as síndromes diversas decorrentes dos conflitos emocionais geralmente provocados por situações adversas,  perda de arrimo como, pai, mãe ou cônjuge, além de algum trauma infantil como violência e abuso sexual, apresentam quadros de distúrbios emocionais levando o portador a profunda tristeza e sentimento de perda da paz.

Aprendamos o que isso significa e não permaneçamos indiferentes como sempre fomos.

O ponto trata da definição da paz como sendo um estado de tranquilidade, mesmo em  situações adversas.

O Espírito de Deus mantém esse sentimento em nosso coração. Desejo paz a todos.

O que mais estranho em minha caminhada é quando, diante do falecimento de um irmão fiel, membros da família, crentes choram desbragadamente, como se não percebessem que a paz nos pertence muito mais ainda, diante da morte. Chorar é natural, mas sem perder essa visão. Salvo em situações de morte violenta quando a dor aumenta.
  
1.2       Paz com Deus.

Particularmente, reconhecendo a doutrina bíblica que trata do assunto, tenho no meu coração que a paz com Deus começa com a entrega da vida a Cristo que nos justifica, porém, essa paz precisa ser cuidada. Qualquer ação contrária a Palavra de Deus, pode levar à intranquilidade ou perda momentânea da paz, se houver temor no coração.  Rm. 5:1.
    
1.3 Promotor da paz.
  
Vivemos em tempo de guerra urbana; no trânsito, no trabalho, nas escolas e muitas vezes em casa o que é lamentável.

Nas igrejas o caso fica mais sério por convivermos dias, meses e anos com pessoas sem parentesco, porém tornados mais que parentes por Cristo e nesse ambiente é que precisamos exercitar e semear a paz.

Façamos o que é bom enquanto há (é) tempo.

Ora, o fruto da justiça semeia-se na paz, para os que exercitam a paz. 


II –  INIMIZADES E CONTENDAS, AUSÊNCIA DE PAZ.

2.1 Três tipos de inimizades.

Todo tipo de inimizade é danosa à vida pessoal, à família, ao grupo com quem nos congregamos e finalmente, se nos colocamos em inimizade contra Deus quando nos associamos com o mundo no seu viver sem compromissos.

2.2 Inimizade e soberba.

A soberba é uma porta escancarada para fazer inimigos ou no mínimo angariar antipatia.

Quando a Bíblia recomenda que devemos andar em Espírito para não cumprirmos a concupiscência da carne ou desejos, (Gl.5:16) a razão é simples: O crente espiritual que anda em Cristo e com Cristo, não vive trocando ofensas, nem desconfianças  e não age de maneira a causar danos a quem quer que seja. Esse é o segredo.

Entrei para a vida em comunhão com a igreja em abril de 1965, portanto  há 52 anos e não sei o que é ou foi ter problema com os irmãos, exceto com os carnais que viviam atrás de cargos e com os que vivem no topo da pirâmide, tirando a lã e a pele das ovelhas.

Cabe ao pastor toda atenção para neutralizar as guerras dentro do convívio da igreja, mas se demonstrar inclinação afetuosa por algum membro da igreja para desprezo de outros, o problema está no pastor. Infelizmente há pastor que alimenta divisões e suspeitas.

Neste ponto, cito Filipenses 2.1-9 “Que haja em nós o mesmo sentimento que houve em Cristo...”.

2.3 Inimizade e facção.

Há quem semeia contenta entre os irmãos e é sempre bom saber como Deus considera os tais.
Provérbios 6:19  O Senhor se aborrece de seis coisas e abomina a sétima.: “ (...),  testemunha falsa que profere mentiras, e o que semeia contendas entre irmãos.”. 

III –  VIVAMOS EM PAZ.

3.1 O favor divino.

O autor associa a relação que existe entre judeus e gentios, com base em Rm. 11:7 para mostrar-lhes a necessidade de que haja  paz e amor em convivência harmoniosa os judeus por conta da promessa de serem canal de bênção para as nações e os gentios por terem sido alcançados pela bênção abraãmica em Cristo.

Devemos ser agentes da paz e nunca perturbadores dela.

3.2 A cruz de Cristo.

A cruz passou a ser símbolo de reconciliação entre Deus e o homem e entre os homens. Pela morte Jesus uniu pessoas. Deixo de dizer; uniu povos porque muitos se cobrem com a bandeira do Evangelho e as mãos permanecem sujas de sangue inocente.


3.3 A nossa missão.


O tópico fala da nossa missão ou responsabilidade que é ir atrás do perdido, para fazer deles o que fizeram conosco, apresentando-nos o Senhor para uma vida de paz.

Nenhum comentário:

Postar um comentário