Tradução deste blog

sábado, 18 de julho de 2015

MALDIÇÃO - DE GÊNESIS A MALAQUIAS


                                    MALDIÇÃO: DE GÊNESIS A MALAQUIAS.

                                                           MONTE EBAL


Depois de ter lido algumas matérias sobre maldição e até maldição hereditária, meu coração acelerou ainda mais para escrever sobre este tão importante assunto, sem pretender estica-lo muito como se fosse defender tese.

A primeira e segunda menção sobre maldição que encontramos na bíblia está em Gênesis.
1 – O Senhor disse à serpente: “maldita serás mais que toda besta”. Essa maldição foi seguida de uma sentença. Gn 3:14.

2 -  O Senhor disse à Adão: “ (...) maldita é a terra por causa de ti...”. Gn. 3:17. Sem sentença, mas,  levando o homem a entender que toda desobediência tem o seu natural preço;  padecer, adoecer e morrer.

Com esses dois textos é possível perceber e delinear o sentido bíblico de maldição. Em linguagem simples, maldição é o mal que se instala dentro do homem ou fora dele, na vida periférica. Pode ser ainda qualquer palavra proferida desejando danos a alguém.

Maldição que se instale dentro do homem, desestrutura a vida emocional com graves consequências para si para qualquer que faça parte do convívio.

Maldição na vida periférica do homem é a que causa males como perda de bens e pessoas amadas.

Em tese, maldição é o mal que se deseja a alguém.

Quando proferida pelo homem, a causa é sempre a raiva ou inveja.

Quando proferida por Deus, a causa é o próprio homem e sua desobediência.

Em Dt.11:26-28 Disse o Senhor ao seu povo: “Eis que hoje eu ponho diante de vós a bênção e a maldição: A bênção, quando ouvirdes os mandamentos do SENHOR vosso Deus, que hoje vos mando, porém a maldição, se não ouvirdes os mandamentos do SENHOR, vosso Deus e vos desviardes do caminho que hoje vos ordeno para seguirdes outros deuses que não conhecestes.”.


A última palavra de maldição listada no Antigo Testamento está em Malaquias 3:9 proferida contra o seu povo, Israel, que a essa altura, já não deixavam lugar para Deus nem para o santuário. Muitos pregadores usam-na para assustar crentes associando com a questão do dízimo na nova aliança, cujo significado e desdobramentos pela falta dele não geram consequências, mas, impedem que o homem receba muitas bênçãos do Senhor, quando fruto de contraditório ou da avareza mesmo.

MALDIÇÃO PEGA?

Infelizmente sim e não.

SIM – Certa feita trabalhando em uma empresa, encontrei uma ex funcionária que perguntara sobre a diretora de quem não gostava. Tendo dado a informação, ela proferiu palavras de maldição. Quando cheguei no escritório tinha tomado conhecimento do acidente da diretora, em sua casa, fraturando o osso do calcanhar necessitando de platina. Confrontei o  horário que coincidiu com as palavras amaldiçoadoras. Nada comentei a respeito.

Já tive casos em família de um tio e seu filho terem sofrido com obras de macumbaria que tem origem em maldições pessoais de uma pessoa contra outra.

NÃO – Já fui amaldiçoado ao demitir uma funcionária, copeira, ela praguejou contra a minha família dizendo que tudo quanto eu ganhasse, gastaria com remédios.  Graças a Deus, nunca aconteceu nada, salvo os gastos decorrentes da boa idade e as consequências dela decorrentes.

JESUS entrou no meu coração e quando ele ocupa o coração do homem, a vida é selada; nada atinge. Veja o que diz o Salmo 91.

NEM UM MAL CHEGARÁ A TUA TENDA.
Daqui para frente, conhecemos todos os casos bíblicos da maldição sobre o Monte Ebal  (Dt. 11:26) para os hebreus que fossem rebeldes à palavra de Deus à Malaquias 3:8-9 passando pelo importante relato de tentativa de amaldiçoar o povo de Israel, pedido feito por Balaque a Balaão. Concluindo Balaão: “Contra este povo não vale encantamento...”.  Nm. 22.

NO NOVO TESTAMENTO.
Alguém pode citar um texto, um pensamento apostólico proferindo maldição contra quem quer que seja, salvo, sentença condenatória por conta da vil desobediência à Palavra do Senhor na tentativa de usurpar ou usufruir do evangelho como um bem de valor comercial?

Se alguém citar Ananias e Safira, (Atos 5), o fornicador da igreja de Coríntios (ICo 5) Simão (Atos 8:18) Elimas (Atos 13:8), estes  foram mostrados para ficar como exemplo de que Deus não tolera enganos na sua casa e que o evangelho é realmente o poder de Deus.

A única maldição persistente é a que decorre do pecado original; “maldita é a terra” e como terra tem aqui, duplo sentido, falando tanto da natureza como do homem, o pecado tem submetido o homem sob essa maldição que o Apóstolo Paulo chama de lei do pecado e da morte, conforme  Rm. 8:2.

O QUE SIGNIFICA TUDO ISTO:
Deus freou suas ações com o advento do Messias para que o evangelho fluísse livremente libertando o homem, os que abrem seus corações, para uma libertação total de todas as mazelas ou maldições da vida.

Pobreza não é tratada na Bíblia como maldição, mas, algo decorrente ainda, do pecado e das diferenças de capacidade e trabalho entre os seres humanos.

Nas maldições proferidas no Monte Ebal que tratam de diversos temas sobre os quais, pesam as maldições,  hoje são julgados pela rejeição ao amor da verdade. João deixou escrito em 3:19 do evangelho; “ ...e a condenação é esta que a luz veio ao mundo e os homens amaram mais as trevas do que a luz porque as suas obras eram más.

No Juízo final, os homens serão julgados pelas suas obras, quaisquer que tenham sido, pois, perderam a oportunidade da remissão dos pecados por rejeitarem o autor da vida.

Genivaldo T. de Melo.

Julho/2015.

Nenhum comentário:

Postar um comentário