Tradução deste blog

sexta-feira, 14 de novembro de 2014

EBD LÇ.7 INTEGRIDADE EM TEMPOS DE CRISE.

EBD – SUBSÍDIO - LIÇÃO PARA O DIA 16/11/2014
PONTOS A ESTUDAR:
I – DANIEL, UM HOMEM ÍNTEGRO EM UM MEIO POLÍTICO CORRUPTO.
II – DANIEL, UM HOMEM ÍNTEGRO QUE NÃO TRANSIGIU COM A SUA FÉ.
III – DANIEL NA COVA DOS LEÕES.




PROPOSTAS DA INTRODUÇÃO: Mantenha-se fiel e não se deixe levar por qualquer proposta vantajosa que possa afasta-lo de Deus.


I – DANIEL, UM HOMEM ÍNTEGRO EM UM MEIO POLÍTICO CORRUPTO.

1.1 Dario reorganiza o governo e delega autoridade administrativa.

Perceba-se que a história se repete, sempre.
Se você não for 100% capaz, tripudiam sobre você.
Se você for muito capaz, falam mal e tentam desestabilizar procurando falhas para acusar publicamente.

Resumindo: Quem pretende servir a Deus, torna-se uma pessoa pública e com certeza, sofrerá ataques e nessa hora, é olhar o menos possível para os lados, seguir em frente e impor a sua personalidade. Exigir sempre o respeito é fundamental, todavia, respeito não se impõe, planta-se como uma semente a partir de atitudes coerentes e firmeza de caráter.

Há muitos que querem o respeito, impondo-se com ares de coronel, trazendo “ares de coronel” para um sentido figurado.

1.2 Daniel se torna alvo de uma conspiração.

Vida de Daniel é o que importa. Quem ninguém ache nada em nossas vidas como também na liderança dos trabalhos a que venha servir como ponto de apoio para os que atacam.

Daniel tinha uma vida íntegra e não dava chances para o azar.

Não encontraram nada na vizinhança, vamos procurar na sua própria fé. Notem que quem quer o mal, não consegue esconder a sua astucia e capacidades para essa prática.

O poder econômico é uma das armas para atacar obreiros fieis, oferecendo presentes, mimos e  paparicar para ter a confiança. Depois de tudo, as unhas penetram na carne. É preciso muito cuidado. Muitos obreiros se deixam levar pelas aparências e muitas vezes, elevam o moral de certos indivíduos que serão os primeiros a destruí-lo.

1.3 O perigo das confabulações políticas.

Quanta astucia, conheciam os hábitos de Daniel.

Muitos políticos evangélicos caem em desgraça por não atentar na malícia alheia.

Muitos irmãos responsáveis por departamentos de compras nas empresas, são prejudicados pelos mesmos motivos  ocorridos na política. Receba essa comissão, pagaríamos de qualquer maneira aos nossos funcionários, dizem eles! Nunca aceite suborno.

Daniel manteve o seu excelente hábito de orar a Deus, pois, precisava mudar a história do seu povo.
  
II – DANIEL, UM HOMEM ÍNTEGRO QUE NÃO TRANSIGIU COM A SUA FÉ.

2.1 Nenhuma trama política mudaria em Daniel o seu hábito devocional da oração.

Daniel entendera que a sua vida dependia de sua relação com Deus escreve o autor e completa:  “a oração era a maneira de orientar de ele ser orientado em suas decisões pessoais e políticas”.

É um tanto incompreensível que pessoas transformem os momentos de oração a Deus, em verdadeiras batalhas espirituais, como propagam.

A oração é antes de tudo, devoção para uma vida de submissão e reconhecido do monitoramento divino sobre as nossas vidas.

Os hábitos podem ser mudados, quando outros interesses se mostram indispensáveis em determinados momentos.

 2.2 A momentânea vitória dos conspiradores.

Não se avalia tudo na vida dentro de um tempo, mas, na soma dos tempos para depois perceber que os maus nunca terminam bem.

Que bom lembrar-se de Hamã e sua insana busca em prejudicar Mardoqueu. Que fim horrível teve Hamã. (Livro de Ester).

Não precisamos tomar vingança em nossas mãos, Deus trabalha para quem se mantém no caminho da justiça.

2.3 Preservando a integridade.

Recomendo a leitura deste tópico que oferece importantes considerações sobre a preservação da integridade.

A vida de Daniel anula o comentário dos que buscam se defender sob a declaração de que; ninguém é de ferro.

O crente verdadeiro pode morar ao lado de ímpios, conviver com impíos profissionalmente e até politicamente, sem se contaminar.

Salmo 15 para todos nós.


III – DANIEL NA COVA DOS LEÕES.

3.1 Daniel preferiu morrer a se dobrar diante de um edito maligno.

Olhando pela ótica de Daniel, sequer deveríamos estar contestando decisões políticas sobre aborto, homossexualismo e etc.

É bom não confundir os momentos nem as realidades; hoje, somos parte de uma sociedade e temos o dever de proteger os mais fracos e menos favorecidos; não é impróprio que o cristão opine, questione, até porque, não se trata de defender interesses pessoais diante de alguma adversidade e sim, como ser social, preservar os valores esposados na Palavra de Deus, como o reconhecimento e sustentação do casamento nos moldes bíblicos, temos também o aborto e a tentativa de reduzir a maioridade sexual das crianças.

3.2 Daniel foi protegido da morte pelo anjo de Deus.

Ao ser lançado na cova, Daniel não contava com essa proteção, mas, ela veio para ele como para os seus amigos na fornalha.

Neste tópico temos outra importante lição. O rei reconhecia a inocência de Daniel, todavia, fez cumprir o edito. Quantos hoje sacrificam pessoas de Deus, simplesmente para não ferir interesses protagonizados por terceiros em prejudicar alguém.

Na fidelidade, a proteção de Deus.
  
3.3 Deus mais uma vez, foi glorificado através da vida de Daniel.

 Um novo decreto impunha a todos em toda extensão do império que somente o Deus de Daniel devia ser adorado.

O fato de essa nova decisão do rei ter sido recebida, possivelmente, com festas e agradável ao povo judeu em todas as províncias, temos que ter muito cuidado para não achar que as coisas de Deus, são feitas por decreto.

Em 391 Teodósio oficializou o cristianismo em todo território dominado por Roma e conhecemos bem os desdobramentos dessa inventiva cujos males foram tão danosos para a humanidade, até a ruptura no século XI com a reforma luterana.






Nenhum comentário:

Postar um comentário