Tradução deste blog

domingo, 26 de março de 2017

A FORMAÇÃO DO CARÁTER CRISTÃO, EBD Lç.1 02/04/2017.

EBD LÇ. 01 02/04/2017 “A FORMAÇÃO DO CARÁTER CRISTÃO”.

O que escrevo com base nos textos da lição, representa o meu pensamento e o que posso extrair para o ensino na Escola Bíblica Dominical, lembrando que os alunos não são estudantes de Teologia, mas precisam usufruir de um bom e seguro ensinamento.  Eles funcionam como polinizadores;  sim, eles dão fruto para o Reino de Deus.

PONTOS:
I – O CARÁTER NA REALIDADE DO HOMEM.
II – A DEFORMAÇÃO DO CARÁTER HUMANO.
III – A REDENÇÃO DO CARÁTER HUMANO.


                       Batismo. O anúncio de uma nova vida em Cristo




Primeira do lição do trimestre. Desejo aos irmãos, o grande aproveitamento do seu conteúdo.

I – O CARÁTER NA REALIDADE DO HOMEM.

1.1 O que é o caráter?

O autor usa o dicionário Aurelio para explicar o que é caráter que dá como sendo o conjunto das qualidades (boas ou más) de um individuo.

Sempre dizemos de uma pessoa: É um bom caráter, quando suas atitudes são satisfatórias.

Dizemos: É um mau caráter, quando suas atitudes incomodam.

É possível a pessoa ser um bom caráter e ter eventualmente uma atitude insatisfatória ou sendo um mau caráter, eventualmente ter atitude satisfatória por conta de fatores de ordem psicológica.


1.2 Personalidade e caráter.

Para o autor, a personalidade pode ser definida como sendo a qualidade do que é pessoal.

Podemos ainda dizer que a personalidade é a identidade do individuo; pessoal e intransferível em relação aos familiares mais próximos.

O autor ainda declara que o caráter não é herdado, ele é construído e isso é uma grande verdade que se contrapõe a certas ideologias, principalmente os que defendem a ideologia de gênero, como se cada individuo já nascesse com sua mara registrada quando se trata de caráter.

                   
II – A DEFORMAÇÃO DO CARÁTER HUMANO.

2.1 A queda e o caráter humano.

O autor declara que Deus fez o homem perfeito em termos morais, espirituais e físicos.

A queda deformou e na deformação as doenças deram a contribuição para o mal físico e os demais, moral e espiritual foram restaurados por Cristo para quem confiou na remissão dos pecados dantes cometidos sob sua paciência.

2.2 Imagem e semelhança de Deus.

O autor declara que o homem era, no estado original, uma imagem ou representação perfeita de Deus. Adão e Eva possuíam atributos morais semelhantes a Deus.

O mundo seria um ótimo lugar de habitação se isto fosse preservado, mas não foi e o homem essa representação perfeita.

Talvez alguém diga que todos pecaram e tudo foi perdido. Verdade, todavia alguns guardam em si esses valores à semelhança de Abel, Enos, Abraão e tantos outros. É o que foi dito no ponto anterior: O caráter é construído para o bem ou para o mal.


2.3 A deformação do caráter humano.

Este tópico ou ponto é extenso para repetir ou avaliar todos os comentários e assim, faremos algumas considerações que certamente cada professor fará, todavia o aluno deve ser estimulado a ler a lição pela riqueza do conteúdo.

As consequências do pecado que:
                          
a) No relacionamento, o homem perdeu a comunhão com Deus, a repercussão e alcance, diz o autor: “Tem sido sentido ao longo da história o pecado distanciou o homem de Deus....” O mundo espiritual está fracionado em centenas de religiões que não tem qualquer eficácia na salvação dos homens nem qualquer aproximação de Deus por melhor que se apresente.

b) O relacionamento humano a partir da queda  afetou a todos que passaram a viver sob o medo e culpa. Tem sido assim; o homem vive perdido em si mesmo e alguns pensam encontrar na morte o alivio o que nem sempre é verdade.

c) No relacionamento com a natureza.

Há aqui, duas questões que poderão serem abordadas sem necessidade de aprofundamento.

A ordem de cuidar do planeta não tem sido seguida com os cuidados necessários. O mundo pode ser tomado como o quintal da nossa casa que precisa ser cuidado e mantido limpo para o nosso próprio bem.

O oposto disso é que muitos fizeram do amor à natureza o seu culto e adoração.

O homem não cumpre o dever de casa e o resultado tem sido a própria destruição.


III – A REDENÇÃO DO CARÁTER HUMANO.

3.1 Novo nascimento, transformação do caráter

O novo nascimento proporciona a restauração da comunhão com Deus. Elimina o velho homem ou velha natureza para fazer do homem uma nova criatura recuperando a comunhão com Deus  e consequentemente, restaura o caráter do homem.

Obs. Essa restauração não tem caráter definitivo, pois a maior recomendação da Bíblia é que o homem permaneça fiel até o fim.  Ap. 2:10, ICo. 10:12 entre outras exortações.

Após o arrebatamento, os salvos terão a perfeição garantida e eterna.


3.2 A Palavra de Deus muda o caráter.

Recomendo a leitura deste tópico em classe.

Para os que não frequentam EBD passamos a esclarecer:

Independente das coisas que recriminamos com frequência como as heresia e  os abusos praticados por muitos que usam a fé para enganar o povo, por ganância, queremos dizer que a igreja ao levar uma pessoa a Cristo, leva para regeneração, justificação e santificação fazendo dele, um verdadeiro cidadão do céu e da terra. Nisso o Estado nos deve.

Pelos milhares de jovens que estão dentro das igrejas e não dão trabalho para as policias nem os pais.

3.3 O caráter amoroso e santo do crente.
  
Uma pessoa transformada produz bons frutos para a sociedade e é isto que o Evangelho tem proporcionado aos convertidos.
Diz o autor: “Os que já experimentaram o novo nascimento devem viver de modo irrepreensível”.

O novo nascimento é a porta de entrada ao Reino de Deus e completa mudança do caráter do ser  humano.

domingo, 19 de março de 2017

UMA VIDA DE FRUTIFICAÇÃO, EBD Lç 13 19/03/17.

EBD LÇ. 13 19/03/2017 “UMA VIDA DE FRUTIFICAÇÃO”.

O que escrevo com base nos textos da lição, representa o meu pensamento e o que posso extrair para o ensino na Escola Bíblica Dominical, lembrando que os alunos não são estudantes de Teologia, mas precisam usufruir um bom e seguro ensinamento.  Eles funcionam como polinizadores;  sim, eles dão fruto para o Reino de Deus.

PONTOS:
I – A VIDEIRA E SEUS RAMOS.
II – O FUNDAMENTO DA FRUTIFICAÇÃO ESPIRITUAL.
III – CHAMADOS PARA FRUTIFICAR.             
A ÁRVORE E SEUS FRUTOS. SE CORTA-LO DEVORE RAPIDAMENTE OU APODRECE.

  
I – A VIDEIRA E SEUS RAMOS.

1.1 A parábola da vinha.

Começamos bem a última lição do primeiro trimestre e o autor toma a declaração de Jesus mostrando-se como “videira verdadeira” o que poderíamos dizer, ser essa declaração, a porta de entrada para todas as parábolas proferidas pelo Senhor.

Pensando por semelhança, como as raízes absorvem os minerais do solo que através dos vasos lenhosos, alimenta os galhos e consequentemente as folhas e os frutos produzidos, assim, nada funciona a quem está fora do tronco da videira. Nada recebe e nada pode dar.


1.2 Condição para ser produtivo.

Várias parábolas do Senhor estão ligadas a produtividade inclusive a figueira amaldiçoada no caminho entre Betânia e Jerusalém. Mc. 11:14.

“Sem mim, nada podeis fazer”  Jo. 15:5. Quem insiste, literalmente “quebra a cara”.

                   
II – O FUNDAMENTO DA FRUTIFICAÇÃO ESPIRITUAL.

2.1 Firmados no amor de Cristo.
  
O resultado dessa semente chamada amor, se é que a temos, pois o que confirma sua presença em nossa vida é o agir de forma semelhante a Cristo. Fil. 2.

Neste ponto o autor ressalta o amor de Cristo e o que ele fez para nos salvar. A Bíblia declara que devemos dar a nossa vida pelos irmãos.  Consideremos João 3:16 e IJoão 3:16.

Se uma árvore é conhecida pelos seus frutos, concluímos que se não for achado frutos na vida de quem quer que seja, esse tal não é dele nem o conheceu. 
                                                          
Simples assim.

2.2 Por que o amor é a base da frutificação?

O amor é o combustível que nos faz movimentar por entre os necessitados, pela igreja, família e trabalho, deixando rastros de benevolência.

Quando o amor está no lar, a resposta é a vida longa e saudável do cônjuge e da família.

Na igreja reflete o bom relacionamento entre os crentes e estes com o pastor.

2.3 Cheios do Espírito e do amor.

Já foi explicado em outras ocasiões que o “Espírito” com “E” refere-se sem ao Espírito de Deus, ou de Cristo ou o Consolador.

Enchendo-nos do Espírito consequentemente seremos cheios do amor.

III – SOB A TUTELA DO AMOR, REJEITEMOS AS OBRAS DAS TREVAS.
                                             
3.1 Revestidos do amor.

Texto um pouco mais longo onde o autor revela o que tem em nossa vida como resultado do revestimento associado ao conhecimento da palavra e o crescimento espiritual.

Perceba-se que muita gente vive um evangelho equivocado, totalmente destituído da necessidade de estar e permanecer revestidos bem como do crescimento espiritual que só acontece se houver um bom ensino bíblico.

O que de bom a acontece em nossa vida, o autor descreve em três pontos:

a) Amor estreito com o Pai e com o seu Filho Jesus Cristo.

b) Um relacionamento amoroso, protetor e respeitoso com a esposa e vice-versa.

c) Um bom relacionamento com os filhos que os permita crescer, física, espiritualmente, intelectualmente e com acesso as melhores condições de vida.

3.2 Se a Palavra estiver em nós.

Interessante abordagem do autor onde declara que é a condição de sermos ouvidos nas orações e cita João 15:7.

 Se vós estiverdes em mim, e as minhas palavras estiverem em vós, pedireis tudo o que quiserdes, e vos será feito.”.

Há diferença entre este ensino e o que se ensina por aí, no sentido em que o crente pode pedir tudo e até intimar Deus mediante textos isolados da bíblia notadamente das promessas vetero-testamentárias endereçadas unicamente a “casa de Israel”.

Não se faz confrontação entre a vida do crente e o dever de obedecer a Palavra de Deus.

3.3 Cumprindo a Lei.

O cumprimento da lei não se refere somente a Lei de Deus, mas a Lei dos homens.

Sem amor e sem respeito que é também um fruto e natureza espiritual, as transgressões se tornam frequentes na vida dos homens.

Outro aspecto deste ponto, “cumprindo a lei” põe de lado a pretensão de alguns que tentam forçar ao cumprimento de pontos isolados dos dez mandamentos ou das leis complementares encontradas no Pentateuco.

Quando Jesus disse que não tinha vindo ab-rogar ou pô-la em desuso, mas cumprir a Lei. Mt. 5:17, deixou muito claro que o amor nos coloca  a serviço, naturalmente.


Alguns ensinam que as leis cerimoniais tinham sido abolidas pelo Senhor e que o decálogo não e devia ser obedecido; assim é que muitos acham que precisa guardar o sábado. Oras!  Não se pode pensar em guardar um mandamento sem viver sob os demais.

De sorte que o cumprimento da Lei é o amor. Rm 13:10.