Tradução deste blog

domingo, 27 de março de 2016

A EPÍSTOLA AOS ROMANOS, EBD.LÇ.1 03/04/2016

EBD – SUBSÍDIO - LIÇÃO 01 PARA O DIA 03/04/2016.
PONTOS A ESTUDAR:
I – AUTOR, LOCAL, DATA E DESTINATÁRIOS.
II – FORMA LITERÁRIA, CONTEÚDO E PROPÓSITOS.
III – VALOR ESPIRITUAL.

                                      
       A GRAÇA DE DEUS DISPONIBILIZADA A TODOS OS HOMENS.

I – AUTOR, LOCAL, DATA E DESTINATÁRIOS.

1.1       O autor.

Amanuense, aquele que escreve, copista e ou secretário. Temos um exemplo no Antigo Testamento com Jeremias o profeta que pela impossibilidade de escrever em alguns momentos, contou com a ajuda de Baruque (Jr.36:32), assim, Paulo contou com a ajuda de Tercio que se declara como escritor em Rm. 16:21.

É impressionante como tem pessoas que estudam teologia e passam a confrontar tudo. Digo isto em razão dos que acham que esta carta não seja de autoria de Paulo. 

O autor da lição e nem poderia ser diferente, está certo quando afirma que todo o conteúdo da carta aos Romanos reflete o estilo de Paulo. Do primeiro ao último capítulo, o jeitão do apóstolo.


1.2       Local e data.

Provavelmente entre 56 e 57 em Corinto.

Essas informações são por demais interessantes para que tenhamos ideia do tempo em relação a todo movimento da igreja no princípio contado a partir da ascensão de Jesus ao céu.


1.3 Destinatários.

Todas as cartas de Paulo tiveram destinatários apontados com endereço certo; isto é indiscutível como todo o Antigo Testamento teve como endereço, o povo israelita ou povo hebreu ou ainda, judeu.

Podemos chamar essa coerência de: O mistério da escrita bíblica? Nenhum motivo, afinal de contas temos a inspiração do Espírito de Deus.

Tanto o antigo, quanto as epístolas paulinas foram escritas para o nosso ensino considerando que a autoria primeira é de Deus para alcançar todos os povos.

“Porque eu recebi do Senhor, o que também vos ensinei...” ICo 11:23

II –  FORMA LITERÁRIA, CONTEÚDO E PROPÓSITOS.

2.1 Forma literária.

Penso que a forma literária e a preservação desta, nas traduções, visaram facilitar o entendimento dos povos, mais ou, menos cultos. Fico imaginando se a Bíblia contivesse a forma de pensar e escrever dos filósofos gregos e da maioria dos chamados “teólogos” dos nossos dias que mais parece um tratado acadêmico que uma leitura de fácil compreensão que se pretenda tornar público.

DIABRITES – Dissertação crítica.

FILÓSOFOS CÍNICOS – Para quem a vida deveria ser vivida na virtude, segundo a natureza.

FILÓSOFOS EPICUREUS – As emoções destrutivas resultavam de erros de julgamento.

Esta lição é lida nos grandes centros onde o acesso a escola superior é mais transitável  ou livre que nos cantões onde, humildes irmãos, lerão o texto e perguntarão: “O que isto quer dizer?”.


2.2 Conteúdo.

É muito interessante ler a carta de Paulo aos Romanos e em seguida, examinar a carta escrita aos Hebreus; ambas se completam.

Paulo sabia qual era a formação da igreja em Roma, do ponto de vista dos seus frequentadores assim, ele alcança os judeus mostrando o custo da desobediência e o poder da restauração. Manifesta sua tristeza por conta da incredulidade de Israel o que nos alcança no mesmo sentimento.

Com relação aos gentios:

Porque convosco falo, gentios... Rm 11:13

“E se alguns ramos foram quebrados e vós sendo zambujeiro (oliveira brava) fostes enxertados no lugar deles e feitos participantes da raiz e da seiva da oliveira... Não te glories”  Rm 11:17-18.

Sinto arrepios quando leio esta carta.

  
2.3 Propósito.

Quando se fala em propósito, é bom lembrar que a diversidade de entendimentos com relação a este ou qualquer outro assunto, suscitam as eternas discussões e muitas, infundadas. Esta carta tem  um alto teor apologético, faz a defesa da fé e ataca na raiz, toda possibilidade de perverter o exato motivo da morte expiatória de Cristo que provê a salvação de todos os povos, primeiro dos judeus.

                     
III –  Valor espiritual.

3.1 Fundamentação doutrinária.

O autor esclarece que esta carta contém forte conteúdo doutrinário e o mais completo do Novo Testamento tratando dos seguintes temas:

Eleição e predestinação.
Justificação, glorificação e herança eterna.

Sem conhecer ainda o conteúdo das demais lições, esperamos encontrar ensinamentos precisos como e principalmente  sobre eleição e predestinação.

Com relação a eleição e predestinação, tenho visto duas fortes correntes que disputam o direito de se fazerem entender; uma um tanto perigosa por entender que “nós não aceitamos ao Senhor, ele é quem nos aceita”.

Não dá para isolar qualquer texto dessa carta para tentar validar uma linha de pensamento.

3.2 Renovação espiritual.

A carta aos Romanos pode ser lida e ensinada nas igrejas, ponto a ponto e durante um ano inteiro que no final, produzirá um efeito de glória pelo conhecimento do tamanho do amor de Deus por todos os homens; o plano da salvação, da reconciliação, da justificação envolvendo o povo judeu que em Cristo, tem as mesmas oportunidas, pois, afinal, eles sem nós, não serão aperfeiçoados.  Hb. 11:40.

Neste trimestre, recebi além da lição, um valioso comentário complementar de cujo conteúdo pode ser tiradas informações valiosas para enriquecer o comentário em classe.


Deus abençoe a todos os professores. Que façam da Escola Bíblica Dominical, a trombeta que chama os crentes para o conhecimento de Deus pelo estudo sistemático das lições oferecidas.

sexta-feira, 18 de março de 2016

O DESTINO FINAL DOS MORTOS, EBD 27/03/16 Lç.13.

EBD – SUBSÍDIO - LIÇÃO 13 PARA O DIA 27/03/2016.
PONTOS A ESTUDAR:
I – O ESTADO INTERMEDIÁRIO.
II – A SITUAÇÃO DOS MORTOS.
III – O DESTINO FINAL DOS MORTOS.

   APENAS DOIS CAMINHOS ETERNOS COM DEUS OU SEM ELE.


I – O ESTADO INTERMEDIÁRIO.

1.1       O que é.

A condição e o lugar de permanência do ser humano após a sua morte.

A condição pode ser entendida como a maneira com que passarão a viver entre a morte física e a ressurreição.

A maneira deve ser entendida como a condição intelectual do morto já que morte, não significa aniquilação da espécie, considerando ainda que pela dimensão da parábola proposta pelo Senhor, ele, o Senhor quer que entendamos que a morte aniquila a matéria que volta ao pó da terra, porém não atinge o “homem interior” a verdadeira personalidade do ser.

A parábola vai ainda mais longe. Não tendo corpo físico, o homem sente o calor  e o tormento no lugar em que se encontra. O rico pede que Abraão determine a Lázaro molhar a ponta do dedo para refrescar-lhe a língua. Antes, passa longe de Lázaro.

Importante a observação do autor para lembrar que não há, purgatório,  o “sono da alma” nem reencarnação.


1.2       O Sheol e o Paráiso.

O mundo invisível dos mortos.

Temos aqui, duas palavras que representam lugares reais ainda que, percebi em pesquisa que muitos não os consideram como lugares reais de gozo para uns e sofrimento para outros, antes que sejam julgados no juízo do Trono Branco e lançados eternamente no verdadeiro inferno, o Geena.
                                                       
A parábola que envolve dois homens, um rico e outro pobre, cujo nome é citado por Jesus como sendo Lázaro é o texto com maior expressão e clareza sobre esse lugar o que dá maior sentido de não ser apenas uma ilustração.

1.3 O lugar dos mortos.

Ainda a mesma parábola, mostra a proximidade desses dois lugares. A visão era mutua separados por um grande e intransponível abismo.
Continuando a análise bíblica sobre o assunto, vamos encontrar em Ef. 4:8, Paulo declarando “subindo ao alto levou cativo o cativeiro” dando a entender que na ressurreição, Jesus levou a parte superior do Hades para o terceiro céu ou paraíso mostrado na revelação de Paulo em IICo 12:2;  que diz ter conhecido um homem que foi até o terceiro céu e que fora ao paraíso tendo visto coisas inefáveis que não podia contar ao mortal.


II –  A SITUAÇÃO DOS MORTOS.

2.1 O estado intermediário do salvos.

O justo é conduzido pelos anjos ao até o Paraiso. (Lucas 16).

Tive a oportunidade de estar presente na hora da partida de uma irmã cujo quarto estava totalmente às escuras, com as janelas fechadas quando ela disse logo ao partir  “Por favor, apaguem a luz, está muito claro...” e partiu. Jamais esqueci aquele momento.

Outro caso semelhante, o irmão, vítima de câncer, estava com um semblante muito bonito, o rosto viçoso, oramos e nos despedimos; ao passar pelo portão, fui avisado depois que naquela mesma hora ele partiu com absoluta serenidade.

Jesus garante a paz nesse momento.

2.2 Os justos são recebidos pelo Senhor.

Considero que a leitura deste tópico deve ser lido em classe com muita calma podendo solicitar o auxilio de um aluno ou dois para essa leitura.

O autor cita a passagem de Estevão que na hora da sua morte declara estar vendo os céus abertos e o Filho do Homem em pé “à mão direita de Deus”. Atos 7:55-60.

Outra palavra importante com relação a morte está em Atos 7:60b.

“(...) e tendo dito isto, a d o r m e c e u”.

Adormeceu.

2.3 O estado intermediário dos ímpios.

Aqui está algo que guardo no meu coração e não dou como ensino para ninguém.

A distância que temos para cima, para o Paraíso é a mesma distância que temos para baixo,  para o Hades ou a parte que restou dele onde vivem os que dormem sem ter crido na Palavra do Senhor; morreram sem salvação.

Pv. 15:24 “para o sábio o caminho da vida é para cima, para que ele se desvie do inferno que está para baixo”.

O ímpio estará consciente.
Sentirá o tormento do lugar.

Ele clamava pedindo por socorro, declarou Jesus em Lucas 16 pedia mesmo que Lázaro voltasse para pregar para seus cinco irmãos para que estes não fossem para o lugar de tormento ao que teve como resposta: “... eles tem lá, Moisés e os profetas, ouçam-nos.

Esse texto é o suficiente das palavras do próprio Jesus, não sendo teoria de qualquer religião, que os mortos jamais voltam.

Quer seja no Paraiso ou no Hades, os que partiram, romperam definitivamente os laços com o mundo dos vivos quer tenham sido pessoas comuns ou personalidades  cujos nomes estão na Bíblia,  como no caso de Maria e dos demais apóstolos.

                     
III –  O DESTINO FINAL DOS MORTOS.

3.1 O estado final dos salvos.

Os que partiram primeiro serão ressuscitados e os vivos transformados concomitantemente.  Apesar de o autor ter colocado no último parágrafo, “... seus corpos ressuscitarão...” observe-se os passos:

A última tarefa do Espírito Santo  nesta dispensação será transformar os nossos corpos abatidos para ser semelhantes ao de Cristo e ressuscitar os que dormiram antes,  já assumindo a incorruptibilidade. Romanos 8:11.

Participam das Bodas do Cordeiro.
Reinam os mil anos e não se fala mais em ressurreição para estes.

Carne e sangue não herdam o reino (eterno) de Deus, assim, Paulo ensina que convém que isto que é corruptível se revista da incorruptibilidade. ICo 15:50-55.


3.2 O estado final dos ímpios.

Teremos a última ressureição. Todos, grandes e pequenos, reis e pessoas comuns, ressuscitarão para o juízo final Ap. 20:11.

Morte significa separação, assim, os homens ímpios experimentarão a segunda morte sendo lançados na eternidade sem Deus.

Deu o mar os  mortos que nele havia.
A morte e o inferno deram os mortos que nele havia e foram julgados cada um por suas obras.
                                 
A morte e o inferno foram lançados no lago de fogo. Esta é a segunda morte.

Aquele que não foi achado escrito no livro da vida foi lançado no lago de fogo.

 Disse Jesus: “A luz veio ao mundo e os homens amaram mais as trevas do que a luz porque as suas obras eram más”. João 3:19.

Disse Paulo: “Nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus, que não andam segunda a carne, mas segundo o espírito”.  Rm 8:1.

Convém manter a perfeita paz com Deus e a comunhão com o seu Espírito.


terça-feira, 15 de março de 2016

NOVOS CÉUS E NOVA TERRA - subsídio para EBD Lç.12 20/03/16

EBD – SUBSÍDIO - LIÇÃO 12 PARA O DIA 20/03/2016.
PONTOS A ESTUDAR:
I – TODAS AS COISAS SERÃO RENOVADAS.
II – NOVOS CÉUS E NOVA TERRA.
III – NOVA JERUSALÉM.
  
A NOVA JERUSALÉM QUE DESCE DO CÉU... Ap. 21:2



I – TODAS AS COISAS SERÃO RENOVADAS.

1.1       Deus criou os céus.

A linguagem é diversa e tudo pode significar a mesma coisa?

Os céus incluem todo o universo com seus planetas,  satélites e outros sóis ?
Com certeza sim. A ciência tem descoberto outras expansões e tudo foi criado por Deus.

A Terra sendo uma referência por conta da vida existente nos permite dizer que o céu, esta expansão que se perde ao alcance dos nossos olhos, começa aqui onde pisamos? Sim, exatamente; este é o primeiro céu.

Paulo faz referência ao terceiro céu (ICo.12:2) deixando claro que se tem o terceiro, tem o primeiro e o segundo.

O segundo céu, “presumivelmente” é onde habitam as potestades, se tomarmos por base por exemplo, Dn. 10:12-14.

Onde Deus habita? Nos céus dos céus Dt. 10:14, expansão acima de todos os céus. Tudo foi feito por ele.


1.2 A renovação divina nos céus.

Segundo as palavras do nosso irmão Pedro na segunda carta, 3:7, a terra será totalmente refeita, não deixando nada que seja nocivo de uma civilização que soube afrontar a Deus e macular tudo o que devia ser parte de uma vida regrada e santa. Não ficará sequer a memória dos zombadores.

O paraíso que estava restrito a um pequeno espaço em relação ao resto do mundo, agora será total. Os mansos herdarão a terra. Mt. 5:5.

Essa limpeza geral, certamente inclui tudo o que foi lançado pelas potências, no espaço sideral.

II –  NOVOS CÉUS E NOVA TERRA.

2.1 Em cristo, céus e terra serão congregados.

Isaias 66:22 – “Porque, como os céus novos e a terra nova que hei de fazer estarão diante da minha face, diz o Senhor, assim há de estar a vossa posteridade e o vosso nome”.

Esta é a nossa esperança!

2.2 Novos céus e nova terra.

Algumas vezes encontramos na bíblia algo como “lembrança” e algumas pessoas têm curiosidade em saber se nos lembraremos de tudo o que houve.

Particularmente penso que lembrança e emoção não serão ingredientes para produzir alguma saudade de quem já foi; parentes, amigos ou bens, mas, creio que teremos lembrança da grande obra redentora realizada pelo Senhor, lembrando que há consciência após a morte, Lc. 16.

Meu caro professor, se alguém discordar de mim ou de quem pense igual, não se estresse, o importância será estarmos lá.

De nada adiantam as convicções teológicas e perder esta grande oportunidade.


III –  NOVA JERUSALÉM.

3.1 Foi preparada no céu.

A cidade de Deus é bela como descrita por João Ap.2. Além dessas características,  a cidade possui águas e flora purificadoras para eliminar todo o mal feito pelo homem em nosso planeta.

A cidade é protegida e não entrará nela nada imundo Ap. 21:27.

3.2 Os muros e as doze portas.

Uma descrição dos muros e das portas descritas em ap. 21:12-14.
A cidade construída por Deus para morada dos remidos tem características semelhantes as de uma cidade antiga fortificada, todavia, não visa dar proteção como estas considerando que não haverá o que temer. Será o lugar privativo do povo de Deus.

 3.3 Os doze fundamentos da cidade.

Ao colocar fundamentos em nossas construções, vê-se que tivemos em quem nos inspirar; pensando nas mega construções desde os tempos antigos, como a Torre de Babel, as Pirâmides e as modernas, verdadeiras obras da engenharia e tecnologia avançada.

DEUS É PERFEITO EM TUDO e somos felizes por que Cristo nos colocou ao seu lado.
  
3.4 Alí não haverá mais tristezas.

O consolo da presença de Deus que enxugará dos nossos olhos toda lágrima porque as primeiras coisas são passadas, aponta para a plena felicidade em todos os aspectos.

Vejam o papel que nossas igrejas têm hoje, tentar afastar o povo dos braços desses hereges que roubam a melhor esperança por uma esperança de natureza morta.

Estaremos dispostos a pregar a causa da verdade? Afastemos as festas dos nossos cultos e passemos a valorizar o ensino da Palavra de Deus e só assim alcançaremos melhores resultados.

Teremos coragem de acabar com as banquinhas de salgados e bazares, tudo para movimentar a igreja em torno daquilo que não é o seu objetivo real?

Jesus vem!

3.5 Não haverá pecados nem pecadores.

Não entrará nela coisa alguma que contamine e cometa abominação.

Ao longo do Novo Testamento, notadamente nas cartas de Paulo, há ensinos que são desprezados com relação a ética e a moralidade cristã em todos os sentidos, todavia, há igrejas que fecham os olhos para a questão da ética cristã valorizando a quantidade de pessoas e arrecadações. Presença puramente física.

Os pastores são responsáveis por ensinar o que precisa para consertar vidas e confesso que não sei – ou sei!? – por que tanta gente quer ser pastor? No mínimo ignoram que o julgamento de quem está para ensinar é mais pesado que o julgamento de um crente comum? Seremos mais cobrados.

Você, professor da Escola Bíblica Dominical é tão responsável quanto o seu pastor, pois, recebe um pequeno grupo em confiança e isto não significa que você deva imprimir palavras de ordem na mente dos seus alunos contra o seu pastor e ministério, basta ensinar a verdade; verdade bíblica, não a minha ou a sua.


A VERDADE LIBERTA.  

segunda-feira, 7 de março de 2016

O JUÍZO FINAL - EBD 13/03/2016. Subsídio.

EBD – SUBSÍDIO - LIÇÃO 11 PARA O DIA 13/03/2016.
PONTOS A ESTUDAR:
I – EVENTOS QUE ANTECEDEM AO JUÍZO FINAL.
II – O JUÍZO FINAL.
III – QUEM TERÁ DE PRESTAR CONTAS AO JUSTO JUÍZ?

  JUSTIÇA E JUÍZO SÃO A BASE DO SEU TRONO (Salmos 89:14). 


I – EVENTOS QUE ANTECEDEM AO JUÍZO FINAL.

1.1       A última revolta de Satanás.

Após o milênio de paz, Satanás será solto por um pouco de tempo e voltará a tentar os habitantes da Terra para que não se sujeitem ao governo de Cristo e destruam Israel definitivamente.

O autor afirma que ele será solto para provar os que nasceram no Milênio e que não tinham tido a oportunidade de ter a sua fé provada. Possivelmente sim, afinal de contas, ele procurará seduzir  todos para fazer guerra aos escolhidos de Deus e a Cristo. Que satanazinho teimoso hein!

A resposta de Deus está em Ap. 20:9-10.

1.2 A prisão eterna de Satanás.

A prisão de Satanás fecha o circuito montado por aquilo que chamam de “trindade satânica” o que não aprecio muito esse título, mas, considerando que ele sempre quis imitar a Deus em tudo; deixa estar.

Com essa prisão, o plano eterno de Deus sobre a humanidade; vida eterna,  a lacuna deixada pelos anjos caídos e agora totalmente preenchida pelos fieis,  resta agora cumprir-se o que disse o irmão e apóstolo Pedro, IIPd 3:12. “... os elementos ardendo se desfarão...”.

II –  O JUÍZO FINAL.

2.1 O que é e quando se dará?

O tribunal do “Trono Branco” visto por João, (ap.20:11) será estabelecido após o milênio e nessa oportunidade, Deus julgará todos os seres humanos:

Uma parte não será julgada, pois, nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus... Rm. 8:1.

Os ímpios serão julgados por suas más obras e principalmente por terem recusado em vida, o amor da verdade para serem salvos e todos estavam sob promessa de salvação, para que fossem tornados, “eleitos de Deus” segundo a graça.

O QUE FALO EM SEGUIDA NÃO ENSINO COMO VERDADE PARA OUTROS.

Sempre abracei a ideia de que findo o milênio, a igreja já não carregará esse “status” -  igreja -  considerando que o plano de Deus se completou entre nós, mas será mantido o “status” de filhos eternos de Deus por Jesus Cristo.

2.2 Quem será o juiz?

Não se trata de assunto polêmico. A maneira como cada estudioso vê pode ser aceita com reservas inclusive a minha, obviamente o que não pode é dar uma interpretação definitiva como verdade única.

Como falei acima, terminado o milênio a igreja já não mantém esse status e, portanto, é difícil acreditar que ela esteja ao lado para julgar considerando que todos nós seremos julgados como “pessoas”; basta notar que os livros serão consultados (como se precisasse);  o livro da vida e os outros. E aqueles que não foram achados no livro da vida foram lançados no lago de fogo e esta é a segunda morte.   Ap. 20:15 que é diferente de Ap. 20:4 quando aí sim, temos a igreja julgando com o Senhor no início do milênio, e viveram e reinaram com Cristo por mil anos.

O poder de julgar estará nas mãos do Senhor. Jesus 100% Deus, julgará os homens.

2.3 Quem terá de prestar contas ao justo Juiz?

RESUMINDO AS CITAÇÕES DO AUTOR:
1 – O autor cita que a partir de Caim, todos os que cometem iniquidade sem arrependimento.

2           – Todos os que estiverem vivos naquela ocasião.

3           – Todos os “salvos” que tiveram morrido durante o Milênio.

4           -  Os anjos caídos que se rebelaram contra Deus.

5           Todos os que exerceram domínio, falsos profetas e falsos ministros, os que perverteram o direito dos pobres e etc.

(3) Todos sabemos que haverá conversão no Milênio e que estes não viveram sob a graça.
Apesar de o conhecimento de Deus encher toda a terra, muitos homens continuarão vivendo a sua vida pecaminosa enquanto outros buscarão o favor do Senhor. Zc. 8:20-23.


III –  AS BASES DO JUÍZO FINAL.

3.1 Livros serão abertos.

O que está registrado nos livros, as obras de cada um para que ninguém (segundo o autor) diga que foi julgado injustamente, não obstante, Deus não precise dar explicações a qualquer mortal, todavia, faz todas as coisas da maneira como conhecemos em nossos tribunais, exceto, defesa. Não haverá defesa.

3.2 Qual a sentença.

O lago de fogo e enxofre será a sentença para todos os que recusaram o amor da verdade para serem salvos.

O plano da “eleição e predestinação” é visto por muitos, de maneira “vesga”. A conversão à Cristo torna o homem eleito e eleito já estavam pela presciência de Deus.

Os “eleitos” não virão correndo para os caminhos do Senhor. É preciso descer aos valados e praças e ruas e traze-los por que sempre haverá lugar. Lc. 14:22.


Meu querido professor, por mais que desçamos a detalhes, sempre haverá perguntas por conta de dúvidas sobre essas questões que se não vistas de forma geral, o plano de redenção de humanidade, muitas delas, ficariam sem respostas.




sábado, 5 de março de 2016

MILÊNIO - UM TEMPO GLORIOSO PARA A TERRA - EBD 06/03/16 Lç.10

EBD – SUBSÍDIO - LIÇÃO 10 PARA O DIA 06/03/2016.
PONTOS A ESTUDAR:
I – O REINO MILENIAL.
II – O GOVERNO DE JESUS CRISTO.
III – ASPECTOS RELEVANTES DO MILÊNIO.

A figura mostra cores da realidade milenial.
I – O REINO MILENIAL.

1.1 A restauração da terra.

Governos investem tanto (nem todos, claro!) para manter a natureza em ordem e alcançam pouco ou nada sucesso:

No milênio, rios e mares serão totalmente despoluídos sem custo para os cofres públicos, florestas serão revitalizadas e as doenças debeladas. Assim será o governo de Cristo na terra durante mil anos.

Quem fará tudo isto? A igreja estará reinando com Cristo e aqui na Terra, Deus usará Israel já restaurado, como principal agente propagador das verdades divinas aos homens para abençoar as nações e homens de corações abertos. Eles serão os responsáveis para levar o conhecimento do Reino Eterno a todos os homens (Ez. 47:6-12, Zc. 8:23).

Lembramos que no milênio, os corações serão iguais aos que conhecemos hoje, também serão divididos entre o prazer e a incredulidade. A única diferença é que o tentador será afastado por mil anos.

1.2 A Terra será governada por Jesus.

Gostaria muito que todos os zombadores resistissem ao período da grande tribulação, é possíve algum escape para contemplar a glória do Senhor.

Pela primeira vez na Terra se verá uma forma de governo socialista na essência.  Não acontecerão guerras, nenhuma disputa de fronteiras. O mundo experimentará o que de fato significa a paz.

Não posso negar que a lembrança e o gosto do suor, cerveja e mulheres estarão contidos nos corações humanos. Mas, está aí uma coisa que não acontecerá no milênio; desfile de pervertidos e carnaval, o que desencadeará já no fim do milênio, uma rebelião mundial contra o governo de Cristo e então será o fim de verdade. O fim ´para eles!

1.3 Jerusalém será a capital do mundo.

Muitos líderes como Gamal Abdel Nasser, presidiu o Egito e ameaçou varrer Israel do mapa; morreu em setembro de 1970 sem concretizar seu sonho. Este é o desejo de muitos governantes e não apenas árabes, mas, temos outros governos que dariam tudo para ver Israel se dobrar diante do mundo. Ficarão na vontade!

O Brasil que se cuide; esse governo petista tem dado mostras que não morrem de amores por Israel. Que pena!

“Possivelmente” essa bagunça que está acontecendo seja a mão de Deus revelando a sujeira toda, pois, levantar-se contra Israel é levantar-se contra Deus. Imagino como isto seria um celeiro de terroristas e será se este governo não sair rapidamente do poder.

II – O GOVERNO DE JESUS CRISTO.

2.1 Jesus governará com os seus servos.

Os “seus” servos citados pelo autor, deve ser entendido com a igreja ainda com o status de igreja e na terra com Israel que em uma linguagem rasteira, "dará colher de chá na boca" do mundo para que sobreviva na paz que pertence somente ao povo de Deus.

Digo “status” de igreja, pois no fim do milênio, entramos na eternidade descritos como “os mansos que habitarão o novo céu e a nova terra”.

2.2 A igreja reinará com Cristo.

Sabendo a importância e o papel da igreja no milênio sob o governo de Cristo, ministros deveriam ser mais zelosos da igreja do Senhor, cujo fracionamento humano foi permitido para que cada servo cuidasse de uma porção. Porém, muitos estão cuidando mais de si mesmos do que da igreja, e pior ainda, muitos estão envolvendo as igrejas em “maracutaias”. 

O Senhor vem e quando vier dará recompensa aos justos e destinará ao lago de fogo, com o diabo e seus anjos, todos que se serviram como “ministros da injustiça”.

2.3 A nova Jerusalém.

A igreja será levada ao céu pelo arrebatamento, será recebida no céu na nova cidade cuja, descrição completa está no Apocalipse, capítulo 21:9-27.

A nova Jerusalém estará visível aos homens com todo o seu esplendor, mas, naturalmente, somente a igreja habitará nela e os anjos terão livre acesso.

Nada neste mundo se compara a beleza da cidade celestial. Fica como oportuna, a declaração de Paulo em II Cor. 12:2 acerca de “um homem” que foi arrebatado até o “terceiro céu” e ouviu coisas inefáveis que não se podia contar ao mortal. Além do glorioso paraíso, teria visto além ou pelo menos ouvido acerca da Cidade Santa? O texto é insipiente, mas, ele viu a morada dos santos após a morte.

O autor da lição O Final de Todas as Coisas: Esperança e glória para os salvos, afirma que não é utopia a existência das coisas inefáveis lá no céu, discorda de alguns teólogos que consideram a esfera celestial uma fantasia; é impossível acreditar que alguém possa desacreditar desta linda verdade, todavia, é bom lembrar que há teólogos de toda espécie espalhados por aí. Precisamos tomar cuidado com os falsos ensinamentos, com as heresias.

III – ASPECTOS RELEVANTES DO MILÊNIO.

3.1 Quem vai participar deste Reino.

Serão cidadãos desta cidade os crentes fiéis, que foram arrebatados, ali estarão em corpos transformados, viverão no corpo da ressurreição, não mais em corpos do pecado. Serão reis e sacerdotes, permanecerão na santa cidade celestial. É indispensável dizer que no período do milênio a igreja permanecerá na cidade santa celestial, que estará situada NA TERRA.

A vida continuará com os remanescentes de Israel, com os que sobrarem da grande tribulação.

3.2 Haverá um conhecimento universal de Deus.

Com satanás preso e a revelação completa do caráter do Reino de Cristo, a terra se encherá do conhecimento de Deus.

O capítulo 11 de Isaias declara o lado glorioso desse período. Todo o extenso conflito árabe versus israelense terá fim. Não haverá discórdias, de pequena ou grande monta, em todo o planeta.

O autor da revista fala em um derramamento do Espírito Santo baseado em Isaías 32:15. Comenta que a promessa dita pelo profeta, refere-se exatamente a este tempo, todavia, cuidado para não confundir com o derramamento ocorrido no dia de pentecostes.

O derramamento do Espírito Santo no início do milênio visa abrir a mente para que vejam Cristo, o verdadeiro Deus e a vida eterna.

3.3 Haverá paz na terra.

A forma de governo de Cristo será de inteira paz até que se conclua os mil anos. Is. 9:6 e 65:3 são textos falam por si.

3.4 A natureza será transformada. 

Falamos tanto em agrotóxicos, produtos industrializados com elementos cancerígenos, e seus efeitos devastadores. Nada disto existirá no milênio.

Não dá para chegar aos “mínimos detalhes”, descrever como a vida transcorrerá de maneira natural. É provável que hajam hospitais e clínicas em funcionamento, para atenderem vítimas de algum acidente, se consideramos a natureza da vida e a sua normalidade.

Quero relembrar que o Senhor trará saúde para as nações com folhas e águas sanadoras provenientes da cidade santa.

3.5 Haverá saúde e prosperidade.

Isaías 65:20, citado pelo autor, mostra o quanto Deus é maravilhoso, nos leva a entender que mundo não teria passado pelo que tem passado se houvesse plena obediência.

"Não haverá criança de poucos dias". Significa que haverá desenvolvimento físico e intelectual. "Não haverá velho que não cumpra os seus dias", diz que haverá morte natural no milênio.

"O jovem morrerá de cem anos, mas o pecador de cem anos será amaldiçoado", mesmo diante de tanta grandeza haverão corações endurecidos e estes corações endurecidos se levantarão contra o Senhor no final do milênio.


Explicação aos leitores: Estou publicando este apoio exatamente às 22:50 da véspera da aula e peço desculpas por isso, o atraso acontece por conta da semana trabalhosa e pela cirurgia da minha filha Simone, agendada para este domingo, dia 06/03/2016. Abraço a todos.