Tradução deste blog

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

A VINDA DE JESUS EM GLÓRIA - EBD LÇ.9 para o dia 28/02/2016


EBD – SUBSÍDIO - LIÇÃO 9 PARA O DIA 28/02/2016.
PONTOS A ESTUDAR:
I – JESUS VOLTARÁ E TODOS OS VERÃO.
II – JESUS VOLTARÁ PARA DAR A DEVIDA RECOMPENSA AOS ÍMPIOS E PARA LIVRAR ISRAEL DO EXTERMÍNIO.
III – A PREPARAÇÃO PARA O MILÊNIO.

E morará o lobo com o cordeiro, e o leopardo com o cabrito se deitará, e o bezerro, e o filho de leão e o animal cevado andarão juntos, e um menino pequeno os guiará (Isaías 11:6)
Haverá paz na terra
"E morará o lobo com o cordeiro, e o leopardo com o cabrito se deitará, e o bezerro, e o filho de leão e o animal cevado andarão juntos, e um menino pequeno os guiará"
 (Isaías 11:6)


I – JESUS VOLTARÁ E TODOS O VERÃO.

1.1 Jesus voltará com poder e glória. 

Temos certeza que o mundo não faz a menor ideia de quem é Jesus de fato, e, até muitos crentes, se realmente soubessem não estariam aplaudindo os mercenários da fé. 

(...) Antes deste, diversos eventos serão vistos na Terra, protagonizados pelo Senhor Jesus Cristo”. Certamente o autor se refere ao “desmantelamento” do sistema montado pelo Anticristo, pela besta e pelo falso profeta, lembra que a última ação destes é juntar nações confederadas para “varrer” os judeus do Estado de Israel, no episódio conhecido como A Batalha do Armagedon.

2 O cortejo que acompanhará o Rei.

Agora sim, falamos do verdadeiro cavaleiro montado sobre um cavalo branco, diferente daquele descrito em Apocalipse. 6.2, cujo capítulo retrata as crises, antes mesmo da instalação do sistema satânico pelo Anticristo e sua equipe: a besta e o falso profeta.

 O que estava assentado sobre o cavalo branco chama-se Fiel e Verdadeiro (Apocalipse 19.11). É o nosso Rei Eterno, o nosso Deus.

II – JESUS VOLTARÁ PARA DAR A DEVIDA RECOMPENSA.

2.1 A recompensa dos ímpios. 

O autor faz referência à iniquidade e as blasfêmias contra Deus de forma acentuada. A corrupção, a injustiça e a ganância que acontecem com apoio das instituições governamentais, principalmente no Brasil, pelo Ministério da Educação e suas secretarias, que tentam de todas as formas impor conhecimento e avanços no reconhecimento da diversidade sexual. 

O que se vê na rede em matéria de prostituição, portais pornográficos, zoofilia e outras formas de desvios de conduta, impressiona. São acessíveis às crianças, aos adolescentes e pessoas com desvios de conduta moral.

Sobre as blasfêmias contra Deus, incluo canções, a maioria de cantores que têm o objetivo de através delas ganhar dinheiro e popularizar-se.

2.2 A Batalha do Armagedon. 

O autor oferece uma boa sequência com os textos elucidativos do que será a Guerra do Armagedon. Segundo o mesmo, durará apenas um dia referindo-se ao contra-ataque desferido pelo Senhor ao descer para salvar o seu povo Israel. 

O capítulo 14, no livro do profeta Zacarias, dá um detalhamento do que será esse “tempo de angustias para Jacó”.

2.3 O Anticristo se voltará contra Jesus.

Observe-se que o mundo caminha apressadamente para o ponto maior da sua globalização, e não há como impedir isso. A igreja resiste às consequências caóticas da mundialização, até que do meio seja tirada. 

Se os crédulos se derretem diante de Benny Him e outros mágicos, imagine, diante do Anticristo com todo o poder satânico?

O que chamam de “trintade satânica” não resistirá diante da presença do Senhor em seu retorno à Terra, acompanhado da Igreja, que o destruirá com o assopro da sua boca. 2 Tessalonicenses 2.8.

2.4 O fim da batalha do Armagedon.

Lembram-se que o tempo parou para o povo de Israel quando Jesus veio para reconciliar o homem perdido? Terminada a dispensação da graça, ocorre essa confrontação de forças e a derrota dos inimigos de Deus. O Senhor se volta para o seu povo no mesmo tempo em que estabelece o período de mil anos, mas, os judeus sem nós não serão aperfeiçoados (Hb 11:40).

 Horrenda coisa é cair nas mãos do Deus vivo. Hebreus 10:31.

2.5 O julgamento divino.

Pelo comentário do autor, as referências bíblicas e a muito generosa e oportuna lembrança das palavras do saudoso e querido missionário Eurico Bergstén, fica certo que todos os governos e pessoas que chegarem do outro lado da grande tribulação, chegarão com vida natural cuja existência será prolongada, todavia, algumas nações não gozarão das benesses sob o governo de Cristo, pelas razões expostas em Mateus. 25.32-46 (comentada lição - 24.32) e outras referências.

Lembrando que esse julgamento é para o assentamento durante o milênio. O grande e terrível julgamento se dará no tribunal do trono branco. Apocalipse. 20.

2.6 A separação dos bodes das ovelhas.

Há quem não goste de alguma linguagem usada em pregações, todavia, a linguagem é figurada e bíblica; não inventamos nada.

Já houve quem qualificasse irmãos por sua desobediência, como sendo os bodes. Primeiro, ninguém é bode por sua desobediência como ninguém é ovelha por sentir-se capaz de julgar outros.

A única diferença é a natureza de cada um e o que podem oferecer.

III - PREPARAÇÃO PARA O MILÊNIO.

3.1 Satanás é preso por mil anos.

O autor faz a pergunta e responde, para onde irão os derrotados na Batalha do Armagedon?

Penso que o autor se refere unicamente aqueles que morreram na batalha.

HADES – Lugar onde os pecadores, não remidos por terem rejeitado o amor de Cristo para se salvarem, irão e aguardarão o juízo final.

GEENA, LAGO DE FOGO OU INFERNO PROPRIAMENTE DITO – O Anticristo e o Falso Profeta.

ABISMO – Lugar onde Satanás ficará preso durante o Milênio.

3.2 Quem estará no milênio com Cristo.

Todos os sobreviventes estarão no Milênio.

As bênçãos do Milênio serão primeiramente para os salvos em Cristo.

As pessoas terão longevidade de vida por conta da cura dos mares, rios e da própria terra com seus frutos, morrerão em boa velhice (Ezequiel 47.6-12)

“Não haverá mais nela criança de poucos dias nem velho que não cumpra os seus dias; porque o menino morrerá de cem anos, porém o pecador de cem anos será amaldiçoado”. Isaías 65.20.

O amante da Palavra de Deus guardará esta lição com muito carinho e a usará para ensinar os que queiram tomar conhecimento de Deus e da sua Palavra.

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016

A GRANDE TRIBULAÇÃO - LÇ 8 EBD.21/02/16


I – A GRANDE TRIBULAÇÃO.

1.1 O que é a Grande Tribulação.

Todos esperam a Terceira Guerra Mundial. Eu mesmo tenho um livro muito interessante, publicado por volta da década de 50, escrito por um general do exército americano, líder da OTAN, que tratou do assunto com riqueza de detalhes e os sofisticados armamentos que seriam utilizados,

Já aconteceu a Terceira Guerra Mundial? 

A rigor não e nem precisa, pois a vivenciamos a longos tempos. "Como assim?" - perguntará o curioso aluno, considerando que as grandes potências mundiais não parecem tão interessadas no assunto e até se unem para combater ameaças como o terrorismo.

"Vamos por parte!" - dizia Jack.

Pássaros em sol vermelho. A Grande Tribulação - EBD Genivaldo Tavares de Melo ube blogs uniao de blogueiros evangelicosAs guerras com as quais vivenciamos:

• Bacteriológicas. (virais)
• Guerras urbanas
a) violência no trânsito;
b) crimes da má gestão pública; 
c) crimes decorrentes do uso de entorpecentes. 
• A guerra da má alimentação. 
• Guerra decorrente da destruição da fauna e da flora.
• Terremotos, maremotos ou tsunamis; 
• Guerras diplomáticas.

O conjunto dessas ações retrata a mais perigosa guerra sem estratégia de campo e trincheira.

Temos o cenário perfeito para que o Anticristo venha e estabeleça a paz, para depois da pacificação fazer nova guerra contra o povo de Deus (judeus), levante com efeito mundial, a que chamamos de “Grande Tribulação”.

A grande tribulação terá início na metade da última semana prevista por Daniel. Semana de anos.

1.2 A Igreja passará pela grande tribulação?

Templos, salões e outros locais de culto não representam a igreja do Senhor.

Os frequentadores desses locais não representam a igreja do Senhor.

Eles locais, contém a igreja do Senhor; os fieis se reúnem nesses locais.

Os fieis representam a universal assembleia dos santos, a igreja do Senhor e esta, será arrebatada, não passará pela grande tribulação. (A universal assembleia, não confundir com qualquer denominação Hb. 12:23). O autor está certo ao citar a igreja de Filadélfia como o modelo da igreja que será arrebatada; penso que todos nós concordamos.

II – A MANIFESTAÇÃO DA TRINDADE SATÂNICA.

2.1 A manifestação do Anticristo.

Ele vem como o Messias, porém, quererá ser reconhecido como Deus. Assenta-se no trono de Deus querendo parecer Deus (2 Tessalonicenses 2.4). Coadjuvado por duas outras personalidades.

A lição não comenta, mas poderá surgir uma pergunta como já surgiram no passado. Cogita-se se o Anticristo poderá vir do Japão ou de qualquer outro país. Vamos passar a régua nesse assunto. A questão do Anticristo é uma questão judaica. O Anticristo terá todas as origens no povo judeu para que seja aceito como o tão esperado “messias”.

2.2 Um governo único. 

A visão de Daniel (capítulo 7) se completa com o bem elaborado projeto de reunir as nações em grandes grupos tornando fácil a negociação e aceitação do discurso do falso cordeiro, que com a ajuda de duas outras personalidades, imporão o temor sobre todas as nações por conta dos sinais e milagres que se farão. Essa é uma das razões pelas quais, não se vê qualquer grande potência, buscando o isolamento e imposição pela força da ideologia e das armas.

2.3 O falso profeta.

Trindade satânica é uma expressão usada pelos estudiosos para mostrar como o diabo tenta imitar a Deus em tudo. (Anticristo, a besta ou personalidade religiosa e o próprio diabo).

O falso profeta: personalidade de profunda influência no mundo religioso e universal. Nem precisaria dizer o quanto essa figura é e será capaz de arrastar multidões, dando apoio político e espiritual ao Anticristo, com o dedo do próprio diabo sobre sua vida para que as nações aceitem o Anticristo como a personalidade salvadora. Assim, ele profetizará às nações.

III – O JUÍZO DE DEUS SOBRE O MUNDO.

3.1 O livro selado e sua abertura.

O livro selado é a maneira como o Senhor apresenta os mistérios do Apocalipse, não seria forçar sentido diverso, dizer que o livro retrata o fim do evangelho da graça para dar início ao juízo de Deus sobre os homens, isto pode ser compreendido com a introdução do capítulo 4 de Apocalipse.

 No capítulo primeiro o Senhor se mostra a João, glorificado e em glória. Nos capítulos dois e três, apresenta o retrato da igreja (Eclésia ou Ekklesia = ajuntamento) nas diversas situações, culminando com Filadélfia e Laodiceia, que representam as promessas e situações das igrejas deste século.

No quarto capítulo de Apocalipse,, João vê uma porta aberta no céu, o Senhor chama-o e diz: “Sobe aqui e mostrar-te-ei as coisas que depois destas devem acontecer”. E assim começa o tempo pós evangelho da graça com o juízo divino.

3.2 O segundo selo. 

João vê o cavalo vermelho que representa guerra, porém, falamos de uma situação bélica pós arrebatamento.

3.3 O terceiro selo.

O Cavalo preto, representa o período de grande fome sobre a Terra. Não é de admirar que a crise se estabeleça em nível mundial, porquanto neste tempo a população vivendo no planeta será maior que a produção agropecuária.

E tudo se complicará ainda mais para comprar ou vender por conta do sinal obrigatório imposto pela besta.

3.4 O quarto e quinto selos.

O cavalo amarelo, tipificando a morte, aparece no cenário mundial como resultado dos acontecimentos anteriores e presentes. 25% da população mundial morrerá faminta, vítimas de fome, doenças terríveis, de ânsia, envolvida pela violência descontrolada na luta pela sobrevivência.

O quinto selo mostra e confirma a salvação de almas nesse período, a salvação de pessoas que não aceitarem o sinal da besta, recusarem suas ideologias -  recusa que suscitará clamor. Não precisamos nos aprofundar teologicamente neste ponto, porquanto quando ocorrerem essas coisas a Igreja de Cristo já terá sido arrebatada, estará livre do peso desses terríveis sofrimentos

3.5 O sexto e o sétimo selo.

Nesta fase, a humanidade descobrirá o seu erro, porém, será muito tarde; começará a perceber o equívoco e a importância sem-igual da proximidade dAquele a quem rejeitaram por tanto tempo, zombaram, escarneceram. E muitos se conscientizarão que logo estarão diante do Justo Juiz.

3.6 As sete trombetas e as sete taças da ira de Deus. 

O estudo sobre esse assunto alimentou muitas penas que escreveram sob diversos enfoques, todavia, representa a continuidade do juízo de Deus e agora mais forte que os primeiros acontecimentos em que a Bíblia declara no próprio livro de Apocalipse que os homens procurarão a morte e não acharão tamanho o desespero e a dor infligida. Apocalipse 9.6.

Pelo relato ou descrição bíblica destes últimos acontecimentos, seria o suficiente para que o povo crente, os sinceros, mantivessem disposição de lutar pela causa da verdade com vigor.

passaros-em-sol-vermelho-a-grande-tribulacao-genivaldo-tavarfes-de-melo-ube-blogs-uniao-de-blogueiros-evangelicos

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

AS BODAS DO CORDEIRO (subsídio à Lç;7 EBD)

EBD – SUBSÍDIO - LIÇÃO PARA O DIA 14/02/2016.
PONTOS A ESTUDAR:
I – AS BODAS DO CORDEIRO.
II – A REJEIÇÃO AO CONVITE DO CORDEIRO.
III – A NOIVA DO CORDEIRO.

Felizes os convidados a Ceia das Bodas do Cordeiro.
Essas são as palavras verdadeiras de Deus.


I – AS BODAS DO CORDEIRO.

1.1 O que será?

Simbologia Bíblica – A Igreja como noiva para ser esposa de Cristo.

Todos sabemos que a Igreja do Senhor, sempre foi considerada como a noiva de Cristo ou a noiva do Cordeiro, preparada  para o desposório, a ser dedicada a um marido, a saber, a Cristo. Preparada como uma virgem pura, conforme disse o Apóstolo Paulo em 2 Coríntios 11.2.

"Como uma virgem pura", fala da não contaminação da Igreja com o mundo, ao contrário dessas "misturas carnavalescas" de alguns grupos chamados gospel, costumes que nada têm com a verdadeira Igreja do Senhor.

Não dá para pensar na Igreja como se tivesse pensando em uma jovem aprontada para o matrimônio, com todas as implicações emocionais do ato. Não teremos essas emoções que são de natureza terrena. 

A única coisa que sabemos e muito bem é que iremos encontrar o Senhor nos ares e que consequentemente nos apresentará ao Pai. A isto, o texto sagrado reconhece como sendo, as bodas do Cordeiro. 

No texto de  Apocalipse, capítulo 19 e versículo 7, a Igreja é descrita como "esposa".

1.2 Quem poderá participar das bodas?

A Igreja, na sua totalidade, participará das bodas. Nos referimos, é claro, à Igreja invisível, tão invisível quanto o reino de Deus,

1.3 Quem ficará de fora deste glorioso evento?

O Apóstolo João apresenta uma relação, em Apocalipse 22.15, e Paulo, descreve-os também (2 Tm 3:2-9). As listas parecem completas, indicam a natureza de muitas pessoas cujo cerco está fechado, são tipos de pessoas que jamais experimentarão a bênção de ver o Senhor face a face.

II – A REJEIÇÃO AO CONVITE DO CORDEIRO.

2.1 O convite ao povo de Israel.

Jesus disse ter vindo para o que era seu, mas não foi recebido. Voltou-se para o povo gentio sem esquecer Israel e o momento culminante da revelação do seu amor por eles, momento em que chorou sobre Jerusalém. Lucas. 19:41.

Quando comissionou os setenta, mandou-os primeiramente às ovelhas perdidas da casa de Israel. Mateus. 10:6. Não importa como a doutrina da eleição é vista, o que importa é que precisamos ir atrás dos perdidos e anunciar a eles o plano da salvação.

2.2 A tragédia dos que rejeitaram a Deus.

O povo de Israel rejeitou a Jesus e paga um alto preço por causa desta rejeição, como pagou ao longo da sua sofrida história. O ponto máximo desse sofrimento pela rejeição está por vir: 2 Tessalonicenses 2:7-11.

Todos nós sofremos com a operação do erro e Israel sofrerá muito mais quando chegar aquele dia; que será após o Arrebatamento da Igreja. Que o Senhor guarde o seu povo, o povo de Abraão.

2.3 O Rei convida a todos.

Neste tópico o autor diz no final: “(...) todos os que rejeitarem o convite de Jesus, serão excluídos eternamente da presença e da comunhão do Filho de Deus”. Penso que o autor afirma isto com base na parábola que apresenta um fim eterno.

Haverá salvação no milênio?

Apocalipse. 7:9-17 esclarece que sim. Lembremos que a Bíblia diz que o Espírito Consolador subiu com a Igreja neste período, não obstante o Espírito Eterno de Deus estará sempre presente no cenário mundial e que as benesses das Bodas do Cordeiro bem como participação no governo milenar de Cristo, terá a participação única da Igreja do Senhor.

III – A NOIVA DO CORDEIRO.

3.1 Assentados à mesa do Rei.

Há quem pense que a noiva do Cordeiro é composta apenas da Igreja. É bom recordar que desde o início do mundo conhecido, a partir de Adão e Eva, Deus sempre reconheceu os fieis que viveram; sem lei, aqueles sob a lei, e agora, quem está sob a graça.

Lembrar as palavras ditas ao profeta Elias quando pensava que somente ele permanecia fiel. Ao contrário do seu pensamento, Deus havia reservado, somente naquele tempo e lugar, 7 mil varões que não dobraram os joelhos diante de Baal (I Reis 19:10; Romanos 11:3).

3.2 As características da Noiva do Cordeiro.

O autor aponta para marcas que identificam e qualificam a Noiva.

Há muito o que falar sobre este tópico, mas vamos levar em conta o tempo.

Fidelidade: Ansiosamente, espera todo o tempo o Noivo, como em Cantares 3:1-4.

Santidade: Exclusividade como propriedade de Deus; não se relaciona amistosamente com o mundo..
Adoração permanente: Durante o momento do culto coletivo, ou fora dele, proclama a grandeza do Noivo.

ALERTA:

Sabemos o real sentido da palavra “igreja”. Tanto uma como a outra, foram criadas pelo Senhor.

Ao longo dos séculos, a Igreja que sempre se reuniu em casas, passou a reunir-se onde fosse possível, por segurança e comodidade.

É importante deixar claro que o modelo estrutural brasileiro da Igreja começou em casas. Veio o crescimento, e as reuniões de culto passaram a ser realizadas em salões. Depois, com a linha centralizadora, muitos líderes construíram templos suntuosos - situação atual que tem sido o motivo da  “bronca” de muitos que aproveitam a rede social para bater forte nas Assembleias de Deus.

O fato da liderança construir suntuosos templos não desqualifica a Igreja no sentido “ajuntamento”. Igreja é o lugar de encontro com Deus e Deus está no meio dela, salvo se o pastor com alguma invencionice expulsá-lo, como muitos fazem em nossos dias ao trocar o uso da Palavra por falsas doutrinas e comercialização de “patuás",  sal grosso, lenço ungido e tantas outras tranqueiras.

Queremos enfatizar que a busca dessa desqualificação deu causa ao surgimento das chamadas comunidades. O importante de tudo é resistir aos erros doutrinários e guardar a fé, praticando a Palavra em sua essência.

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2016

EBD LÇ.6 O TRIBUNAL DE CRISTO E OS GALARDÕES

EBD – SUBSÍDIO - LIÇÃO PARA O DIA 07/02/2016.
PONTOS A ESTUDAR:
I – O TRIBUNAL DE CRISTO E OS CRENTES.
II –  AS OBRAS DOS CRENTES E O JULGAMENTO DE CRISTO.
III – A PRESTAÇÃO DE CONTAS DO CRENTE E OS GALARDÕES.

 NÃO CONFUNDIR GALARDÃO COM INSIGNIAS OU PATENTES, JÁ ESTARÁ DE BOM TAMANHO.


I – O TRIBUNAL DE CRISTO E OS CRENTES.

1.1 O julgamento.

Salvo melhor juízo temos duas referências diretas para tribunal relacionados aos crentes:
O texto bíblico áureo da lição,  2Co. 5:10: “Porque todos devemos comparecer ao tribunal de Cristo...” e

Rm. 14:10 por sinal, muito interessante que diz: “Mas tu, porque julgas ao teu irmão: Ou tu também porque desprezas ao teu irmão? Pois todos havemos de comparecer ante tribunal de Cristo”.

Estamos falando de um tribunal que fará julgamento após o arrebatamento da igreja, portanto, um julgamento para os salvos que apesar de salvos, serão julgados pelo que fizeram nesta vida, bem ou mal.

Isto revela que algumas maldades não interferirão no arrebatamento do crente, por conhecer Deus o tamanho de cada um, a cabeça de cada um, que pode limitar o crente sobre certas questões da vida.

O que vou dizer agora, não dou como ensinamento,  mas como observação. Sabemos que tem muitos irmãos sinceros, laboriosos, mas com defeitos que brinco quando digo que é “defeito de fabricação”. Aprendemos a conviver com todo tipo e tamanho de pessoa e a maior virtude é sabermos administrar essa convivência.

Há pecado que é para morte e outros não, porém, mesmo não sendo para a morte, a obra será julgada.  IJo 5:16-17.

Apenas um tipo de pessoa, já está julgada e Deus não quer conversa; é a figura do ímpio. O ímpio é pessoa dotada de inteligência e sempre busca fazer o mal de forma consciente.  Salmo 50:16 entre outros.

1.2 Quando se dará.

Temos alguns pontos importantes a considerar.

O texto de Ap. 22:12 diz claramente: “Eis que cedo venho e o meu galardão ESTÁ comigo, mas, não diz que será entregue no momento do arrebatamento. De certa forma, nem precisaria. (grifo meu).

Qualquer que atender a um pequenino, não perderá o seu galardão, Mc. 9:41.

Qualquer que sofrer pela causa do Senhor, será reconhecido pelo Senhor e grande será o seu galardão nos céus. Mt. 5:12.

Qualquer pastor líder que tratar com desprezo, deixar de assistir de maneira conveniente o seu pastor auxiliar que dirige congregação de forma subordinada, permitindo que a família deste se revolte com as injustiças praticadas e deixarem o convívio da igreja, o tal pastor será responsável e com certeza, perderá o seu galardão.

Finalmente, “Se a obra que alguém edificou permanecer,  o tal receberá galardão ICo. 3:14.

CONCLUSÃO: É maior o indício de que o galardão será entregue após o julgamento pelo conjunto das obras  que resistirem ao fogo que qualquer outra presunção.


1.3 Quem será o juiz?

IITm 4:8 – Ele mesmo, o Senhor e no final, ele mesmo sujeitará todos os homens que não creram no amor da verdade para se salvarem.

II – AS OBRAS DO CRENTE E O JULGAMENTO DE CRISTO.

2.1 A precisão do julgamento.

Todo tribunal humano está sujeito a cometer erros, os chamados “erros judiciários”, todavia, no tribunal de Cristo, não haverá qualquer variação ou desvio, pois, o Senhor reina e julga retamente.

Alguém pode perguntar se é preciso dar importância ao tribunal. Não fosse importante não estaria na Bíblia.

A segunda questão é que ninguém fique pensando se os que não receberem galardão andarão expostas para motivos de vergonha diante dos demais salvos. O propósito não é humilhar, mas, retribuir os que deram a sua vida pelo reino de Deus.

Estigmatizar é coisa do homem e não de Deus. Essa questão de olhar os outros com desprezo é coisa terrena, animal e diabólica.

Muitos alcançarão a salvação por terem resistido até o fim, mas, muitos também perderão o galardão por atos ilícitos contra seus irmãos. Chamo de atos ilícitos aquelas atitudes condenáveis como, agir de forma inconveniente, ser desonesto com o irmão, humilhar, coisas da natureza humana ligadas ao tamanho de cada um.


2.2 Ouro, prata e pedras preciosas.
Muito interessante a abordagem do autor neste tópico e recomendável que a sua leitura seja feita de maneira rápida mais firme.

É importante que não há registro de condenação para todas as obras mostrando mais uma vez que o Senhor reconhece e não despreza os limites de cada um como no caso de Ananias e Safira que muitos acham que foram para o inferno pela mentira. O pecado foi cobrado na carne de maneira imediata para salvação do espírito   (ICo.3:15).

2.3 As obras que perecerão.

A outra série de obras tipificadas no texto é: Madeira, feno e palha lembrando que são as mais barulhentas quando lançadas ao fogo. Assim, há nas igrejas muito barulho e principalmente nos nossos dias, porém sem respaldo bíblico da presença e aprovação do Senhor.

IRs 19:12 O Senhor não estava no meio do terremoto nem do fogo, mas apareceu a Elias com uma voz mansa e delicada.


III – A PRESTAÇÃO DE CONTAS DO CRENTE E OS GALARDÕES.

3.1 Os pastores darão conta dos seus rebanhos.

Este tópico é muito sério e deve ser assim tratado tanto pelos professores quanto pelos alunos, pois, sabemos da responsabilidade pastoral e do peso do julgamento de Deus sobre os mesmos. Será maior que sobre os crentes.
Lucas 12:42-48.

3.2 Crentes darão conta dos seus talentos.

Conheço muitas irmãs e irmãos que pela condição, a única coisa que podem oferecer a Deus é o seu coração fiel e o louvor dos lábios. Receberão o galardão pela fidelidade.

O que este ponto e a Palavra de Deus trata é de pessoas que têm condições de prestar serviços ao Reino de Deus e se omitem por pura conveniência ou negligência; com certeza, não receberão galardão.

AFINAL DE CONTAS, O QUE É E COMO SERÁ ESSE GALARDÃO.

Já tive a oportunidade de ouvir algumas pérolas  sobre este assunto e uma delas, disse o propagador de novidades: “ Será como as insígnias usadas pelos militares...”.

Fico imaginando o Cel. Paulo encontrando-se com o Tenente Timóteo.

O galardão será uma distinção pela fidelidade e atos praticados em prol do Reino de Deus. O tipo de distinção mais provável poderá ser um brilho que torne reconhecível cada um dos fieis servos de Deus considerando que coisas de natureza material ou física, não devem ter lugar no céu.