Tradução deste blog

sexta-feira, 28 de outubro de 2016

DEUS: O NOSSO PROVEDOR, EBD Lç.6 para 06/11/2016 (Subsídio).

DEUS: O NOSSO PROVEDOR.
EBD – SUBSÍDIO - LIÇÃO 06 para o dia 06/11/2016.
PONTOS A ESTUDAR:
I – ISAQUE VAI A GERAR POR CAUSA DA FOME.
II – CRISE COM OS VIZINHOS.
III – CAVANDO POÇOS EM TEMPOS DE CRISE.

                                   AOS FIEIS, O PÃO.



I – ISAQUE VAI A GERAR POR CAUSA DA FOME.

1.1 A INTENÇÃO DE ISAQUE.

Isaque vai a Gerar por causa da fome e o autor usa essa experiência para aconselhar o que é tão comum hoje, o movimento migratório. Não nos moldes da década de 50-60 quando São Paulo estava em franco crescimento na indústria e na construção civil. Desejava-se a mão de obra do norte e nordeste e as vindas eram facilitadas.

Na atual conjuntura, a mão de obra primária já não é tão necessária e para vencer em qualquer parte do mundo, é necessário um bom conhecimento técnico em serviços diversos  ou intelectual na área de informática, tecnologia da informação que tem sido, ainda, a salvação em tempos de crise, todavia é bom saber que ninguém é mais tão bem recebido em qualquer país.

O autor recomenda buscar direção na oração e isto é verdade, mas é bom estar pronto para o novo ambiente para não culpar a Deus quando alguma coisa der errada.

Em se tratando de movimento pelo sonho ministerial; o cuidado deve ser dobrado.

1.2 Promessas em tempos de crise.

Nem tudo o que se prega em relação a “promessas”, deve ser levado a sério e certamente seja essa uma das razões pelas quais o Apóstolo Paulo afirma: “Aprendi a contentar-me com o que tenho...” Fl.4:11.

Há também quem use isto como pretexto para despachar o necessitado das suas portas. “Confie meu irmão; Deus proverá”. Quando a frase vem depois de assistir o necessitado, ótimo.
“Tudo o que dantes foi escrito para o nosso ensino foi escrito, para que pela paciência e consolação das escrituras tenhamos esperança” Rm. 15:4.

Uma maneira de valorizar a fé é mostrar a grandeza de Deus pelos seus feitos, mas nunca fazer promessas pensando que Deus opera no “atacado” em todos os tempos e para todos independente da condição de vida de cada um no tocante a fidelidade.



1.3 A obediência de Isaque.

A obediência é fundamental para que Deus se movimente em nosso favor.
Nesta questão, podemos lembrar Saul e a sua queda e tudo por conta da desobediência que é consequência de fatores tais como:
Vaidade pessoal.
Presunção e arrogância.
Conveniência. Ignora por querer os ensinamentos que afetam a vida moral e a ética cristã.

Deus não tem compromisso com quem não tem compromisso com ele.


II –  CRISE COM OS VIZINHOS.

2.1 Crise em Gerar.

A nossa crise não pode ser maior que a crise dos outros.

Nunca fui aos Estados Unidos. Jamais faria declaração falsa para conseguir facilidades ou carimbo no passaporte.

Deus foi misericordioso com Isaque e sei que será misericordioso com muitos, desde que, haja reconhecimento do erro e retorno ao princípio saudável da vida cristã.

A nossa infidelidade não muda a fidelidade de Deus. IITm.2:13

Não sejamos abusados com sua misericórdia; não sabemos o dia nem a hora em que ele virá.

2.2 Isaque semeou em Gerar.

A lei da semeadura é a mais perfeita lei não codificada.
OS DOIS TIPOS DE SEMEADURA:
1 - O autor refere-se a semeadura dos dízimos e ofertas e como eu também, creio o fiel não terá falta de nada.
A igreja que recebe as contribuições também semeia:
Separa a subsistência do pastor e sua família de forma digna (ITm.5:18, Mt. 10:10 e ICo.9:6).
Investe o que for possível nas demandas sociais, no sustento dos pastores auxiliares também com a mesma dignidade que o pastor titular e ao seu tempo, na ampliação de sua tenda.

2 – No meio da crise, não fica a espera que lhe estendam a mão; estende primeiro a sua para produzir o próprio sustento dentro das possibilidades.



2.3  A inveja dos vizinhos.

O autor fala sobre ação dos invejosos ao ver o campo próspero de Isaque.

Há muitos que fracassam nos seus empreendimentos pelo fato de realizar na sombra do progresso alheio.

É preciso orar a Deus, procurar conhecer suas aptidões e condições econômicas para investir no certo. A chance de ver prosperar o seu empreendimento  é muito grande, principalmente quando amamos a Deus e não nos tornamos orgulhosos com os resultados da semeadura.

                     
III –  CAVANDO POÇOS EM TEMPOS DE CRISE.

3.1 Isaque usa os poços de Abraão.

Isaque desentulhou os poços que seu pai Abraão havia cavado e os filisteus os tinham entupido. Esses mesmos poços deram água cristalina.

Este tópico é rico em bons exemplos e mostra o que não devemos fazer:

Além das experiências na vida cotidiana, quando somos vítimas de inveja e alguém que visando interesse reivindica o que é nosso, há os casos de obreiros e ministérios que viram as costas para determinadas regiões; quando alguém vai até lá, molha a camisa e mostra bons resultados logo aparecem os “donos” do campo que, mortos de inveja disputam sua posse.


3.2 O poço de Eseque.

Excelente o comentário do autor e que deve ser lido em classe por seus alunos, todavia o meu comentário é para quem não tem a lição nem participa das EBDs.

Os nomes na antiga aliança quando procurados, esses nomes se revestem de algum significado e no caso de “Eseque” temos a  contenda.

O autor sugere que o crente não deve se deixar levar pela inveja e pela maldade e isto é perfeito.  Se você foi convidado para assumir uma posição, assuma com firmeza e deixe que os resultados seja a resposta da boca.

Nada de ficar “espinafrando” os invejosos por aquilo que dizem de você. O silêncio e a postura elegante nessa hora encontra apoio divino e da igreja do Senhor.

Não corra, não mate e não morra por qualquer curto circuito.

3.3 O poço de Sitna.

Sitna = inimizade.

Quando fazemos a coisa certa e precisa ser realmente a coisa certa, alguns se afastam querendo lançar tristeza no coração.

Como saber se o que estamos fazendo é a coisa certa?

Temos três pontos de aferição.

1 – As nossas ações precisam estar revestidas de humildade e de acordo com a Palavra de Deus.

2 – O peso e seriedade com que conduzimos nossas ações calam no coração da igreja e é possível em qualquer pé de conversa, a satisfação dos irmãos por aquilo que realizamos e o contrário também é verdadeiro.

3 – Há pessoas que quando recebem um trabalho, felizes, exaltam o pastor considerando-o um homem de Deus, mas se algo der errado e o pastor chamar para uma conversa, isto deve ser criteriosamente avaliado.
O pastor pode estar cheio de razão ou sendo conduzido por mentes insanas. Estas questões precisam ser avaliadas com oração e com calma. Se o pastor estiver com razão, aceite as consequências e Deus te honrará.


“Deus foi muito sábio, ele começou o evangelho pelo norte, porque os nortistas e nordestinos tem rodinhas nos pés. Pr. Delfino Brunelli”.


O movimento migratório no Brasil transformou a Igreja Evangélica Assembleia de Deus a maior igreja pentecostal. Seu crescimento vertiginoso se deu pela movimentação de famílias do norte para o sul do país. Os pernambucanos, ao meu ver, deram a maior contribuição nessa gloriosa tarefa de evangelizar.








Um comentário:

  1. A PAZ DO SENHOR PARA TODOS.
    Peço aos quatro primeiros leitores que se reportem ao subsídio, pois ao lançar na página percebi a falta de um tópico que foi corrigido em seguida.
    O Meu sincero agradecimento.

    ResponderExcluir