Tradução deste blog

quarta-feira, 19 de outubro de 2016

AS CONSEQUÊNCIAS DAS ESCOLHAS PRECIPITADAS, EBD Lç.05 para 30/10/2016 (Subsídio)

AS CONSEQUÊNCIAS DAS ESCOLHAS PRECIPITADAS.
EBD – SUBSÍDIO - LIÇÃO 05 para o dia 30/10/2016.
PONTOS A ESTUDAR:
I – O CUIDADO COM AS ESCOLHAS.
II – LÓ É ATRAÍDO POR AQUILO QUE VÊ.
III – LÓ, UM CASO DE PROSPERIDADES E PERDAS.

Há um caminho que parece direito ao homem, mas o seu fim são os caminhos da morte. Pv. 16:25.
  



I – O CUIDADO COM AS ESCOLHAS.

1.1 A prosperidade de Abraão.

Este ponto dispensa esclarecimentos por tratar-se de uma brevíssima informação sobre a prosperidade de Abraão. Por conta de muitos que leem este subsídio ao comentário não participarem de qualquer EBD quero apenas fazer algumas poucas considerações:

1 – Penso que não sabemos mensurar a riqueza de Terá e sua família e dos remanescentes, Abraão e família (Sara e servos)  e  Ló filho do seu irmão. Isso pode fazer alguma diferença?

2 – Abraão adquiriu mais riquezas estando em Canaã e não se pode negar que essa grandeza fora fruto da sua obediência a Deus.

3 – Pessoas que vão a algumas igrejas neopentecostais que pregam a doutrina da prosperidade não enriquece ninguém, todavia muitas pessoas que já tiveram uma riqueza e perderam para os vícios, prostituição e prazeres diversos,  retomaram a vida digna após esse novo contato e agora, uma vida regrada os leva a recuperar o que fora perdido. Não deixa de ser uma lei de exceção.

Cada tempo tem sua característica própria de construção de vida.


1.2 Abraão fez a escolha certa.

Muitos estão enfrentando crises porque tomaram decisões sem consultar ao Senhor, diz o autor.

O que significa consultar ao Senhor?

Se falássemos sob a égide da Lei Mosaica, diríamos; consultar um profeta. Na atual dispensação, a nossa vida deve ser marcada pelo equilibrado ensino bíblico e o que foge daí como negócios realizáveis,  devemos sim, orar a Deus, usar o bom senso e não custa, consultar pessoas experientes.

Outra forma:  “Não desprezeis as profecias” ITs. 5:20 é a manifestação do dom decorrente do batismo com o Espírito Santo que não tem o mesmo caráter do profeta da Antiga Aliança, mas que funciona, todavia não é para considerar alguém como fonte de “oráculo divino”.

Há ainda a mensagem pregada com inspiração profética pela qual Deus também fala com o seu povo. Veja o ministério de profeta em Ef. 4:11.

Segundo parágrafo do tópico: “Crise por desobediência a Deus”.

Não seria difícil explicar que há fatos isolados em que um irmão sofre correção de Deus para salva-lo de iminente perda da salvação, porém, não é regra geral e muitos, insolitamente julgam tudo e todos atribuindo a “pecado cometido”.

O autor cita Jó como exemplo de homem íntegro e provado por Deus.

Como dizem; cada caso é um caso.

1.3 Abraão passa pelo Egito.

Acompanhamos os passos do Patriarca naquela nação, (Gn.12:10) a ocultação da sua relação marital com Sara e os resultados. Foi um grande risco, mas o temor a Deus e a fé nas promessas nunca o abalaram e a vitória foi-lhe concedida, assim, aprendemos que estando sob situação adversa, Deus não nos desampara. Fato semelhante em Gerar, Gn.20:1-2.

II –  LÓ É ATRAIDO POR AQUILO QUE VÊ.

2.1 Briga entre os pastores de Abraão e Ló.

O autor retrata o conflito entre os pastores do gado de Abraão com os de Ló e Abraão, não perdeu tempo; procurou mostrar ao sobrinho Ló que sendo irmãos e estando diante de inimigos, não podiam viver às turras.

Esse exemplo deve ser seguido por todos os crentes, mas principalmente pelos pastores e seus ministérios.

2.2 A decisão de Abraão.

Gn.13:7 Não está toda a terra diante de ti? (...) Escolhe  para onde queres ir”.
1 –  Abraão não foi egoísta. Deu preferência a que Ló escolhesse primeiro.

2 – Por questão de princípio, Abraão devia escolher o melhor lugar daquela terra, mas não se aproveitou da condição de chefe da família. Que belo exemplo.


2.3  A escolha precipitada de Ló.

Ló mostrou-se oportunista e é a maneira como muitos agem.

Diz o autor: Ele não buscou a Deus, não honrou o tio, foi  seduzido pela aparência do lugar e pagou um alto preço.

Guarde-nos o Senhor.  
                     
III –  LÓ, UM CASO DE PROSPERIDADES E PERDAS.

3.1 Ló e suas riquezas.

Também não é possível mensurar a riqueza de Ló, mas era o suficiente para incomodar os pastores do gado de Abraão.

Perdeu o que tinha. Sodoma e Gomorra foram destruídas e não fosse a interferência de Abraão, Ló não teria escapado à destruição. Viveu nas montanhas, teve dois filhos das filhas e deixou no mundo a herança de dois povos, os Moabitas e Amonitas, inimigos do povo de Deus.

Orai sem cessar, recomenda o Apóstolo Paulo ITs. 5:17.

3.2 A guerra dos reis.

A perda dos bens de Ló decorreu do ataque de quatro reis que afligiram o povo de Sodoma e Gomorra levando Ló cativo e tomando todos os seus bens. Gn. 14:8

O que uma má escolha pode fazer na vida de um homem.

Não devemos nos apressar principalmente quando nossos atos são lesivos a outra pessoa.
  
3.3 Abraão socorreu Ló.

A vida de Abraão foi marcada por uma vida de altar e de frequentes contatos diretos com o Senhor ou seus anjos.
Não tinha um coração amargoso.
Sabia que Deus o tinha chamado e assim, a sua fé o amparava.

Aprendamos essa preciosa lição.
  

Percebam os senhores professores das Escolas Bíblicas Dominicais que esta lição é de cunho moral e prático, abordando pontos históricos que precisam ser bem aproveitados para valorização da vida e respeito ao próximo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário