Tradução deste blog

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

AS BODAS DO CORDEIRO (subsídio à Lç;7 EBD)

EBD – SUBSÍDIO - LIÇÃO PARA O DIA 14/02/2016.
PONTOS A ESTUDAR:
I – AS BODAS DO CORDEIRO.
II – A REJEIÇÃO AO CONVITE DO CORDEIRO.
III – A NOIVA DO CORDEIRO.

Felizes os convidados a Ceia das Bodas do Cordeiro.
Essas são as palavras verdadeiras de Deus.


I – AS BODAS DO CORDEIRO.

1.1 O que será?

Simbologia Bíblica – A Igreja como noiva para ser esposa de Cristo.

Todos sabemos que a Igreja do Senhor, sempre foi considerada como a noiva de Cristo ou a noiva do Cordeiro, preparada  para o desposório, a ser dedicada a um marido, a saber, a Cristo. Preparada como uma virgem pura, conforme disse o Apóstolo Paulo em 2 Coríntios 11.2.

"Como uma virgem pura", fala da não contaminação da Igreja com o mundo, ao contrário dessas "misturas carnavalescas" de alguns grupos chamados gospel, costumes que nada têm com a verdadeira Igreja do Senhor.

Não dá para pensar na Igreja como se tivesse pensando em uma jovem aprontada para o matrimônio, com todas as implicações emocionais do ato. Não teremos essas emoções que são de natureza terrena. 

A única coisa que sabemos e muito bem é que iremos encontrar o Senhor nos ares e que consequentemente nos apresentará ao Pai. A isto, o texto sagrado reconhece como sendo, as bodas do Cordeiro. 

No texto de  Apocalipse, capítulo 19 e versículo 7, a Igreja é descrita como "esposa".

1.2 Quem poderá participar das bodas?

A Igreja, na sua totalidade, participará das bodas. Nos referimos, é claro, à Igreja invisível, tão invisível quanto o reino de Deus,

1.3 Quem ficará de fora deste glorioso evento?

O Apóstolo João apresenta uma relação, em Apocalipse 22.15, e Paulo, descreve-os também (2 Tm 3:2-9). As listas parecem completas, indicam a natureza de muitas pessoas cujo cerco está fechado, são tipos de pessoas que jamais experimentarão a bênção de ver o Senhor face a face.

II – A REJEIÇÃO AO CONVITE DO CORDEIRO.

2.1 O convite ao povo de Israel.

Jesus disse ter vindo para o que era seu, mas não foi recebido. Voltou-se para o povo gentio sem esquecer Israel e o momento culminante da revelação do seu amor por eles, momento em que chorou sobre Jerusalém. Lucas. 19:41.

Quando comissionou os setenta, mandou-os primeiramente às ovelhas perdidas da casa de Israel. Mateus. 10:6. Não importa como a doutrina da eleição é vista, o que importa é que precisamos ir atrás dos perdidos e anunciar a eles o plano da salvação.

2.2 A tragédia dos que rejeitaram a Deus.

O povo de Israel rejeitou a Jesus e paga um alto preço por causa desta rejeição, como pagou ao longo da sua sofrida história. O ponto máximo desse sofrimento pela rejeição está por vir: 2 Tessalonicenses 2:7-11.

Todos nós sofremos com a operação do erro e Israel sofrerá muito mais quando chegar aquele dia; que será após o Arrebatamento da Igreja. Que o Senhor guarde o seu povo, o povo de Abraão.

2.3 O Rei convida a todos.

Neste tópico o autor diz no final: “(...) todos os que rejeitarem o convite de Jesus, serão excluídos eternamente da presença e da comunhão do Filho de Deus”. Penso que o autor afirma isto com base na parábola que apresenta um fim eterno.

Haverá salvação no milênio?

Apocalipse. 7:9-17 esclarece que sim. Lembremos que a Bíblia diz que o Espírito Consolador subiu com a Igreja neste período, não obstante o Espírito Eterno de Deus estará sempre presente no cenário mundial e que as benesses das Bodas do Cordeiro bem como participação no governo milenar de Cristo, terá a participação única da Igreja do Senhor.

III – A NOIVA DO CORDEIRO.

3.1 Assentados à mesa do Rei.

Há quem pense que a noiva do Cordeiro é composta apenas da Igreja. É bom recordar que desde o início do mundo conhecido, a partir de Adão e Eva, Deus sempre reconheceu os fieis que viveram; sem lei, aqueles sob a lei, e agora, quem está sob a graça.

Lembrar as palavras ditas ao profeta Elias quando pensava que somente ele permanecia fiel. Ao contrário do seu pensamento, Deus havia reservado, somente naquele tempo e lugar, 7 mil varões que não dobraram os joelhos diante de Baal (I Reis 19:10; Romanos 11:3).

3.2 As características da Noiva do Cordeiro.

O autor aponta para marcas que identificam e qualificam a Noiva.

Há muito o que falar sobre este tópico, mas vamos levar em conta o tempo.

Fidelidade: Ansiosamente, espera todo o tempo o Noivo, como em Cantares 3:1-4.

Santidade: Exclusividade como propriedade de Deus; não se relaciona amistosamente com o mundo..
Adoração permanente: Durante o momento do culto coletivo, ou fora dele, proclama a grandeza do Noivo.

ALERTA:

Sabemos o real sentido da palavra “igreja”. Tanto uma como a outra, foram criadas pelo Senhor.

Ao longo dos séculos, a Igreja que sempre se reuniu em casas, passou a reunir-se onde fosse possível, por segurança e comodidade.

É importante deixar claro que o modelo estrutural brasileiro da Igreja começou em casas. Veio o crescimento, e as reuniões de culto passaram a ser realizadas em salões. Depois, com a linha centralizadora, muitos líderes construíram templos suntuosos - situação atual que tem sido o motivo da  “bronca” de muitos que aproveitam a rede social para bater forte nas Assembleias de Deus.

O fato da liderança construir suntuosos templos não desqualifica a Igreja no sentido “ajuntamento”. Igreja é o lugar de encontro com Deus e Deus está no meio dela, salvo se o pastor com alguma invencionice expulsá-lo, como muitos fazem em nossos dias ao trocar o uso da Palavra por falsas doutrinas e comercialização de “patuás",  sal grosso, lenço ungido e tantas outras tranqueiras.

Queremos enfatizar que a busca dessa desqualificação deu causa ao surgimento das chamadas comunidades. O importante de tudo é resistir aos erros doutrinários e guardar a fé, praticando a Palavra em sua essência.

Nenhum comentário:

Postar um comentário