Tradução deste blog

domingo, 10 de janeiro de 2016

EBD LÇ.3 ESPERANDO A VOLTA DE JESUS.

EBD – SUBSÍDIO - LIÇÃO PARA O DIA 17/01/2016.
PONTOS A ESTUDAR:
I – AGUARDANDO A VOLTA DO SENHOR. 
II – ATITUDES ERRÔNEAS DIANTE DA VINDA DE JESUS. 
III – ATITUDES DO SERVO FIEL, ANTE A VOLTA DO SENHOR.

Apesar de falar em "alarido" somente os salvos ouvirão a sua voz.
1 Tessalonicenses 4:16. 


I – AGUARDANDO A VOLTA DO SENHOR.

1.1 Com fé e vigilância.

O texto capitulado em 1 Tessalonicenses 4:15-17 impressiona por sua leveza do ensino acerca da vinda do Senhor e por não dar margem às especulações ou afirmações fora desse ensino.

Esperar com fé e vigilância não é:

a. Afastar-se de todo convívio social, nem pensar nisso.
b. Jejuar e orar incessantemente para manter viva esta esperança.
c. Fazer esforço para viver literalmente toda proposta de santificação.
d. Viver em luta interior para estar se preparando.

Embora a questão seja séria, porém é mais simples do que se possa imaginar e certamente será esclarecida nesta lição.

Veja o que diz o Salmo 51:11 “...e não retires de mim o teu Espírito Santo”.

O Espírito de Cristo,

Espírito de Deus ou ainda, o Espírito Santo, não veio apenas para nos ajudar a entender: Ele opera salvação no coração do homem, (Jo.16:8) ele sustenta o homem (Rm 8:26) e a sua última tarefa será transformar o nosso corpo abatido para ser semelhante ao de Cristo. Ainda que Fl. 3:21 Não faça literalmente referência, é o Espírito de Cristo que habita em nós que fará esta transformação e nos apresentará ao noivo, a Cristo.

1.2 Cheio do Espírito Santo. 

Este segundo ponto traz uma questão importantíssima, alvo de muitos questionamentos, dúvidas e excessiva espiritualização destituída da base doutrinária a que se submete; “CHEIO DO ESPÍRITO SANTO”.

 A parábola das dez virgens (Mt. 25) retrata de maneira simples o que escrevi no ponto anterior acerca do trabalho do Espírito Santo no arrebatamento da igreja.

a) A primeira condição era comum a todas; eram virgens. Para melhor compreensão, digamos que as jovens eram todas crentes e frequentavam a mesma igreja.
b) Diferenciavam-se pela prudência e pela falta dela (vers. 5).
c) Todas tosquenejaram, revelando fraquezas, entretanto todas esperavam o noivo.
d) A maior e mais significativa diferença: cinco tinham azeite nas lâmpadas e cinco não. 

1.3 Em santidade e amor.

A doutrina da santificação ou a santificação é fundamental, também é outra questão mal compreendida por muitos cristãos (Hb. 12:14)

Têm-se a impressão que a santificação assemelha-se a fisicultura ou um corpo sarado pelos exercícios. 

Não conheço exercícios que moldem pessoas a ter uma vida santa. Santidade é o alinhamento dos planetas: renúncia e amor a Cristo. 

A renúncia é o domínio interior sobre a vida e as coisas; em outro modo de descrever é o exercício do domínio próprio.

O Amor a Cristo é a “viga mestra” da vida. Um exemplo de santificação sem dor? Daniel e sua recusa em comer o manjar do rei.

II – ATITUDES ERRÔNEAS DIANTE DA VINDA DE JESUS.

2.1 Ignorar a vinda de Jesus.

Há muitas parábolas que tratam do compromisso com o Reino de Deus e a vinda do Senhor. E em todos elas Jesus deixa transparecer a figura do servo fiel, prudente e cuidadoso, e dos infiéis.

 A infidelidade a Deus é na maioria dos casos imperceptível aos que convivem com os infiéis, são os pecados ocultos ou interiores, da alma, como vícios de conduta, dependência patológica do sexo, a falta de princípios morais..

Manter a boa educação nos relacionamentos para mim é fundamental na vida cristã.

 Não podemos ignorar a vinda do Senhor, mas também não podemos viver aterrorizados com a ideia de ficar para trás no momento do Arrebatamento da Igreja.

É preciso ter calma e o coração aberto para Deus.

2.2 Escarnecer das profecias.

O que não falta são os escarnecedores, não são pessoas comuns. Muitos entraram em alguma escola teológica e acabaram se tornando “contestadores das verdades divinas”. É impressionante o número deles e a linguajar usado. Zombam das principais doutrinas bíblicas, duvidam de tudo. E o pior neste caso é a presença deles nas igrejas, porque são causadores de confusão.

 A questão da matemática de Deus, citada pelo autor juntamente com a referência de 2Pd. 3:8, nos dá conhecimento que o calendário é coisa do homem para os homens.

III – ATITUDE DO SERVO FIEL ANTE A VOLTA DO SENHOR.

3.1 Ter uma vida irrepreensível. 

A questão de vida irrepreensível pode ser percebida em muitas pessoas crentes e não crentes. É questão de caráter e questão de respeito às instituições e ao próximo. 

Irrepreensibilidade à luz da Bíblia é uma questão maior que as questões morais de caráter social e ético. 

A nossa relação com Deus e confissão de fé nos faz sensíveis mais do que qualquer pessoa no mundo. Aquilo que para eles é uma “piada” para nós pode ser uma ofensa contra Deus. 

Conservados irrepreensíveis para a vinda do Senhor (I Tess 5:23) é a pureza de vida interior e exterior: corpo, alma e espírito. 

3.2 Não dar lugar à carne.

Têm uma ferramenta destruidora da vida moral e da vida cristã que expõe os crentes ao fracasso. As as redes sociais, que possibilita a comunicação à distância e sem o olho no olho, encorajam as pessoas usuárias à libidinagem. Quem erra mais, se o homem ou a mulher? Fica difícil determinar, pois, a conversa envolve sempre duas pessoas com vontade de abrir o coração e falar tudo o que vem à cabeça.

Há ainda a questão do comportamento desonesto dentro da própria igreja. Excesso de intimidade levam pessoas à prática do adultério.

Na ansiedade de promover o crescimento do número de membros, há muitos pastores que com meia palavra já apontam o coro da congregação, o conjunto de jovens ou até mesmo o conjunto vocal de senhoras como instrumento para prender as pessoas na igreja, sem sequer avaliar a questão de fé ou preocupar-se com o conhecimento bíblico. É o chamado crescimento desordenado.

O cinema e a televisão despejam cargas de erotismo nos lares, as pessoas se acostumam a assistir a programação de péssima qualidade e nem reclamam mais. Esse comportamento incomoda.

3.3 Dar fruto.

Há um grande equivoco nessa área, muitos pastores evitam confronto para não “magoar” os crentes que seguem os seus caminhos tortuosos.

Ao examinarmos as Escrituras com atenção, percebemos que a igreja não é o lugar de se trabalhar para o Senhor, mas o lugar de adoração coletiva, de se conhecer as necessidades um do outro, dar assistência aos abandonados, de amparar os feridos e fortalecer os fracos. É o ponto de apoio.

O campo é o mundo onde se deve semear. Mt 13:38.

A seara é grande, mas poucos são os ceifeiros Mt. 9:37.

"Toda vara que está em mim que não dá fruto a tira; e limpa aquela que dá fruto para que dê mais fruto. Jo. 15:2.

Quem está em mim e eu nele, este dá muito fruto Jo.15:5.

E finalmente, “Se alguém não estiver em mim, será lançado fora”. Jo. 15:6.

Há dentro das igrejas atividades que só podem e devem ser feitas por seus membros, cada um dentro da sua capacitação, todavia, isto não pode ser motivo para deixar de fazer o que realmente é necessário; lutar pelo crescimento do Reino de Deus através da evangelização e das obras que glorifiquem o Senhor.

Atualização: 15 de janeiro de 2016 | 18h50

Nenhum comentário:

Postar um comentário