Tradução deste blog

segunda-feira, 21 de setembro de 2015

EBD LÇ.13 - A MANIFESTAÇÃO DA GRAÇA DA SALVAÇÃO.

EBD – SUBSÍDIO - LIÇÃO PARA O DIA 27/09/2015.
PONTOS A ESTUDAR:
I –  A MANIFESTAÇÃO DA GRAÇA DE DEUS.
II – A CONDUTA DO SALVO EM JESUS.
III – AS BOAS OBRAS E O TRATO COM OS HEREGES.

                   QUE SEJA TUDO, CONFORME ÀS ESCRITURAS.


 I – A MANIFESTAÇÃO DA GRAÇA DE DEUS.

1.1       A graça comum.

O primeiro ponto da lição sobre a graça comum, cujo sentido encontrado nos termos originais, hebraico e grego aponta para a bondade de Deus no tocante a nossa vida e tudo que por Deus nos é concedido, por bondade; como o tempo e as oportunidades.

Não podemos  esquecer que sempre olhamos para o termo “graça” sob o enfoque único da salvação e não no sentido geral.

1.2 A graça salvadora.

O professor deve ler o curto texto desse ponto  e ainda, fazer uma avaliação quanto ao conhecimento dos alunos sobre tão importante assunto e a razão é simples; o texto é claro, “trazendo salvação a todos os homens”. Isto não anula a doutrina da eleição e predestinação nem é uma heresia dizer que aceitamos a Jesus como salvador.

A eleição sob a ótica divina é diferente da ótica humana, pois, compreendemos  que Deus conhece todos pela sua presciência. Ap. 13:8 Lc. 10:20.

O salvo eleito, pode perder a salvação e ficar fora da eleição? Sim.
Hb. 6:11 e 13:12 entre outros.


1.3       Graça justificadora e regeneradora.

O autor afirma que a graça é a fonte da justificação do homem e podemos complementar que isto ocorre mediante a fé. Ef. 2:8. “... pela graça sois salvos por meio da fé...”.

1.4       Graça santificadora.   
O autor associa a graça com a renúncia para um eficaz efeito e com razão.
Temos muitas situações que anulam a graça de Deus na vida do homem e uma delas, citada na lição é a paz. Hb.12:14.



II -  A CONDUTA DOS SALVOS EM JESUS.

2.1 Sujeição às autoridades.

A maneira como o autor compreende a questão da sujeição é como a Bíblia nos ensina.

Não devemos participar de confrontação violenta contra o governo nem vilipendia-lo de forma gratuita, mas, não podemos ser omissos quanto à injustiça e leis arbitrárias que ferem princípios que abraçamos e os mais acalorados no momento tratam do aborto e de homossexualismo com que nos tacham de “homofóbicos” quando na verdade, a igreja nunca compactuou com qualquer tipo de agressão à pessoas com essa opção de vida.  


2.2 O relacionamento do cristão.

O autor fala de comportamentos ligados a ética cristã nas relações que mantemos com outras pessoas:
Não infamar ninguém.
Não ser contencioso.
Ser modesto.
Mostrar mansidão.

Muitos criticam os crentes, porém, não tem noção da vida e do peso moral dos verdadeiros crentes em Jesus, que experimentaram o “novo nascimento”.

Faria com meus alunos algumas observações como:
Infamar – A lei é muito severa com quem infama outros e na igreja, considerando a população de cada uma delas, exige-se cuidado até para pensar mal de alguém, quanto mais, falar.

O mesmo sentido que difamar: imputar a alguém, algo que cause danos a sua imagem.
A falta de modéstia tem crescido muito no nosso meio, causa-nos espécie ler textos de “pregadores” que publicam o resultado de suas “pregações” cuidando, eles mesmos, de exaltar os seus feitos nos cultos. Muito
estranho.

Quanto a mansidão, a única questão que temos a discutir é: Nascido de novo ou não? Caso não, o cidadão migrou de uma religião para outra, apenas isso.


III – AS BOAS OBRAS E O TRATO COM OS HEREGES.

3.1       A prática das boas obras.

Penso que podemos separar as boas obras em dois grupos:

I – Com relação ao nosso andar, nossas atitudes com aqueles que se aproximam de nós e os ganhamos pelo testemunho de uma vida cristão “sem cera”.

II – Com relação a estender a mão para o aflito e necessitado.

Definitivamente, boas obras não salvam, porém, acompanham a salvação.  Rm. 14:19, Ap. 22:12. Ap. 2:19. Ico 3:13-15.
  
3.2 Como tratar com os hereges.

Evitando-os.

Como não evita-los; quando for necessário salvar alguém que esteja sendo envolvido, todavia, segue o conselho na carta de Paulo à Tito 3:9-10. – Depois de uma ou outra admoestação, evita-o.

Não compensa ficar discutindo.

E.T. Eu não considero heresia a visão que muitos tem sobre a eleição e predestinação, (mas, acho duro engolir isso) quando declaram que o “o homem não aceita Jesus, Jesus é quem o aceita” e não concordam com a lei do “livre arbítrio”. Atos 16:7-10. Que acho uma coisa difícil de engolir, isso acho.


Há momentos e situações em que Deus impõe a sua vontade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário