Tradução deste blog

sábado, 21 de março de 2015

EBD.LC 12 NÃO COBIÇARÁS

EBD – SUBSÍDIO - LIÇÃO PARA O DIA 22/03/2015
PONTOS A ESTUDAR:
I – O DÉCIMO MANDAMENTO.
II – COBIÇA.
III – A VINHA DE NABOTE.



PROPOSTAS DA INTRODUÇÃO: Cobiçar as conquistas e o sucesso de outros, tem destruído vidas, casamentos e famílias.


I – O DÉCIMO MANDAMENTO.

1.1 Abrangência.

 João declara (IJo.5:19) que todo o mundo está no maligno, portanto, perceba-se que a abrangência é total; como se fizesse parte do DNA humano, porém, sabemos que entre os seres humanos, há os que reforçam a guarda moral para evitar os transtornos da concupiscência quando o autor relaciona as atitudes decorrentes dela: Sensualidade, luxúria orgulho etc.

Cristo não apenas nos tirou do mundo, mas, tirou o mundo de dentro de nós.

1.2 Objetivo.

Como todos os outros mandamentos estudados, o que propósito entre outros, foi o de estabelecer limites.

Interessante notar que há mandamentos que estabelecem limites às ações humanas (não roubarás) e este mandamento fixa uma norma de ética moral e interior considerando que nem sempre o que desejamos prejudica outros, mas, vitima a própria pessoa na sua angustia de querer ser e ter.

O autor cita Pv 16:32 “...Melhor o que domina seu espírito do que o que toma uma cidade”, portanto, o maior mal no ser humano é a perda do controle emocional e da fonte dos seus desejos.

Ainda bem que temos o Senhor por nosso auxilio e o seu Espírito por nosso condutor. Rm 8:14 “Pois todos os que são  guiados pelo Espírito de Deus, esses são filhos de Deus”.
1.3 Contexto.

O autor cita a inversão das cláusulas entre Ex.20:17 e Dt. 5:21.
A diferença é tão pequena que nunca me ative ao detalhe, mas, pode ser motivo para que algum aluno promova uma verdadeira batalha por conta disso considerando a fonte fiel dos dois textos. Não altera o sentido da ordenança.

1.4 Esclarecimento.

Neste tópico, o autor mostra a maneira como alguns seguimentos dividiram os mandamentos nas suas traduções. O importante em tudo isto é que não se altere a essência; o sentido ou o que de fato Deus transmitiu ao povo.

Lembro-me do velho catecismo católico onde se lia regras não encontradas no decálogo bíblico.

1)    Amar a Deus sobre todas as coisas.
2)    Não tomar seu santo nome em vão.
3)    Guardar domingos e festas.
4)    Etc....


II COBIÇA.

2.1 Significado.

Segundo o autor:
“Desejar o que é gerado pela emoção”.

Concentrar o prazer em alguém ou alguma coisa.



2.2 Cobiçar.

Desejar o que é dos outros.

As crianças deixam transparecer com mais facilidade esse sentimento quando esperneia para conseguir o brinquedo do amiguinho.

Entre os adultos a coisa funciona como o ataque de leões sobre búfalos; espreita, aguarda a oportunidade, sonda o terreno, a força do oponente para se atirar sobre o despojo.



2.3 O texto paralelo.

O autor reconhece que a falta de rigor nos textos comparados entre Deuteronômio e Êxodo, não alteram o sentido da mensagem  e isto é o que basta pois, compartilhamos do mesmo pensamento e louvamos ao Senhor por esse entendimento mútuo entre nós, consolidando a tese do princípio doutrinário aceito por “todas” as assembleias de Deus.



III – A VINHA DE NABOTE.

3.1 Proposta recusada.

Apesar da morte de Nabote promovida por Jezabel e Acabe, considero sua história como uma das mais emocionantes da Bíblia e cheia de bons ensinamentos para o nosso povo.

O caráter de Nabote.
Sua sustentação de fé e domínio de posse diante das vantajosas propostas feitas pelo rei.
Ensina-nos em como devemos guardar o tesouro, recebido de Deus, sem barganhar com o mundo por mais atrativa que seja a sua proposta.

A posição firme de Nabote: Não dou, não vendo e não troco a herança que recebi dos meus pais.

Guardemos a nossa herança.



3.2 O direito de propriedade.

Jezabel que não tinha herança em Israel nem temor a Deus, ignorava o direito de propriedade pelo menos o rei Acabe devia respeitar isto, porém, é o que estamos estudando; a cobiça.

O desejo fez acabe adoecer diante da recusa de Nabote.
Despertou mais ainda a insanidade de Jezabel.
O julgamento dela foi decretado e se cumpriu no tempo.

O julgamento para quem vive de expedientes por conta do espírito cobiçoso, não tarda.



3.3 O pecado de Acabe e Jezabel.

Nada pior que um governante corrompido e perverso.

O que temos visto em nossos dias compara-se aos dias de Acabe com danos muito maiores para a sociedade.

Vemos homens dominados pela cobiça ao vil metal e quem sabe, quantos que nos bastidores negociam as próprias mulheres para conseguirem seus intentos.

Deus julgará o homem pela afronta a sua Palavra.

Pecar contra a autoridade de Deus é abraçar a morte.

3.4 O casal não contava com uma testemunha verdadeira.

Veio a palavra do Senhor a Elias o tisbita dizendo: “Levanta-te e desce para encontrar com Acabe, rei de Israel que está em Samaria; eis que está na vinha de Nabote aonde tem descido para possui-la.

Dá para perceber o tamanho do nosso Deus?

É possível perceber que Deus não deixa ninguém impune por qualquer dos pecados descritos no decálogo.


Enquanto Jesus não vem, é tempo de arrependimento e restauração.

Nenhum comentário:

Postar um comentário