Tradução deste blog

sábado, 14 de fevereiro de 2015

EBD.LÇ.7 HONRARÁS PAI E MÃE.

EBD – SUBSÍDIO - LIÇÃO PARA O DIA 15/02/2015
PONTOS A ESTUDAR:
I – O QUINTO MANDAMENTO.
II – OBEDIÊNCIA.
III – SUSTENTO.
IV – ENTRE A LEI E A GRAÇA.


  
PROPOSTAS DA INTRODUÇÃO: Grande momento para refletir sobre este assunto e que esperamos, produza muito fruto na vida dos alunos.


I – O QUINTO MANDAMENTO.

1.1 Os pais biológicos.

Eu não considero qualquer discussão sobre estrutura familiar, algo, complexo; considero apenas que se não for por loucura, muitos pais, deixam de estimular bons sentimentos nos filhos, por não aguentarem a pressão social que se abate sobre suas cabeças, afastando-os de cumprir a missão na sua plenitude.

Manter a família em boa sustentabilidade é o maior desafio dos nossos dias e muitos jovens por não compreenderem isto, acabam provocando situações insustentáveis no relacionamento familiar.

A falta de recursos interfere e muito na questão da sustentabilidade.

Somente Deus por sua graça pode soprar o melhor entendimento quando disponibilizamos o nosso coração para recebê-lo.

Penso que o autor sugere quando diz que “o propósito divino é a sustentabilidade da estrutura familiar” é que Deus quer que sejamos cuidadosos e carinhosos com os filhos como ele é conosco.

1.2 Os pais espirituais.

O autor estende a relação dos “pais espirituais” para todos aqueles que de forma direta ou indireta contribuem para o bem estar do ente social.

Na questão de pais espirituais, podemos incluir os professores, os bons e dedicados professores que com a maior satisfação, transmitem seus conhecimentos, buscando aprimorar nossas forças intelectuais.


1.3 Os pais intelectuais.

Entramos na atmosfera do respeito àqueles que visivelmente tem maior conhecimento que nós, não somente na vida pública, mais e principalmente na igreja que onde mais tempo ocupamos. Há os pastores, os anciãos e os que dedicam seu tempo no ensino; com eles aprendemos e os reconhecemos como “pais intelectuais”.


II OBEDIÊNCIA.

2.1 O verbo honrar.

Mais uma vez agradecemos a Deus pelo enriquecimento da lição com as explicações do autor.

Honrar pai e mãe é um imperativo e traz consigo, as promessas de abençoar com vida longa. É um mandamento que nunca saiu de moda e passou pela barreira do AC/DC e se mantém firme até o dia de hoje.

Quem quer ter a sua vida prolongada e abençoada, deve honrar os pais, no mais puro sentido da palavra.


2.2 Filho adulto.

Na fase adulta dos filhos, a velhice dos pais e esse é o momento que eles mais precisam de atenção e carinho.

Tem sido comum, filhos de famílias consideravelmente numéricas, (quatro e até mais...) ser preciso que um ou outro membro da família se aproxime para socorrer e estar junto enquanto outros, se afastam sob o pretexto de “não ter condições” de ajudar. Independente da condição financeira, a presença e atenção, responde por muito.


2.3 À luz da exegese.

Exegese - Análise de textos do ponto de vista do entendimento para uma boa interpretação.

O que considero do ponto de vista etimológico é que no original, grego, a riqueza gramatical  permite o uso de termos especiais para indicar uma ou outra situação a exemplo de “amor” e muitas vezes na língua portuguesa encontramos um substantivo que revela diversas facetas:

Filhos – São os nascido dos pais sob o mesmo teto sendo irrelevante, a idade destes; honrar é preciso.


III – SUSTENTO.

3.1 Cuidado.


Em boa oportunidade, o autor fala de sustento como também deixar pai e mãe.

Encontramos isto em dois momentos oportunos e que pede um esclarecimento:
                                                                            
Em Mt. 19:29 Jesus fala de promessas para aquele que deixar casa, irmãos, pai e mãe por amor ao seu nome, ganhará nesta vida cem vezes tanto...
Em Gn. 2:24 “...deixará seu pai e sua mãe...”.

Em nenhum caso referenciado acima ou em outras ocasiões, a Bíblia  sugere deixar por abandono ou desprezo; a Bíblia não se contradiz.

 3.2 Oferta Corbã.

Muito interessante este ponto e sugiro ao professor que chame a atenção dos seus alunos principalmente para o último parágrafo:

“...Assim ele dizia aos pais que não podia oferecer ajuda nem fazer nada por eles porque tudo já estava comprometido diante de Deus”.

Alguma novidade? A história se repete sempre, quando muitos deixam de assistir os pais em suas piores horas, por estar “ocupado” no ministério.

3.3 Ensino de Jesus.
M a g n i f í c o este último ponto da lição que sugiro seja pedido a qualquer dos alunos que o leia e faça algum comentário, pois, há muitos que duvidosamente declaram estar fazendo um serviço para Deus e o autor diz: “Quem cuida do pai e da mãe já está fazendo um serviço para Deus”.


IV – ENTRE A LEI E A GRAÇA.

4.1 Autoridade dos pais.

Ao criar o homem e este gerar filhos, essa relação respeitosa já existe como lei de Deus no coração de todo ser humano; formalizar como um mandamento literal no decálogo é permitir aos juízes julgarem o tratamento injusto dispensado aos pais.

4.2 O sistema Mosaico.

Todos sabem que o que Deus entregou aos filhos de Israel para cumprimento formal e legal, diz respeito somente a eles, todavia, nós nos apropriamos pelo direito de filhos de novo gerados e que contra a  natureza, fomos enxertados na oliveira, assim,  somos os verdadeiros israelitas e temos deveres morais a cumprir observando-se as regras do novo testamento.  Rm 2:29, Ef. 2:14.

4.3 Adptado sob a graça.

A adaptação sob a graça é a maneira como entendemos e nos apossamos das bênçãos prometidas ao seu povo pela obediência a lei e agora, pela obediência a Cristo.

  
UMA LEMBRANÇA POUCO LEMBRADA.
Sempre alertei aos membros da igreja que estiveram sob os meus cuidados pastorais, dos pais, passarem suas propriedades para os filhos com uso fruto vitalícios a favor dos pais. Este procedimento evita muita dor de cabeça aos futuros herdeiros.

Há pais que por pura soberbia ou medo, rejeitam este conselho.

Nenhum comentário:

Postar um comentário