Tradução deste blog

terça-feira, 23 de dezembro de 2014

ORANDO NOS MONTES



O lugar de Samaria. Imagem: Wikipedia.


A topografia de Israel premia a nação com importantes montes que ao longo da história bíblica foram palcos de grandes acontecimentos e das  manifestações divinas através dos conhecidos profetas bíblicos.

A vinda do Messias  vira totalmente a página da vida religiosa do ser humano para trata-lo sob a “Dispensação da Graça”, iniciando com a emblemática figura do  profeta João Batista, que surge no cenário com uma pregação diferente de todos os profetas de Israel: “Arrependei-vos e crede no evangelho...”.

Cito apenas alguns, com o apoio da Wikipédia que oferece fotos atualizadas de todas as montanhas dessa região no Oriente Médio.
MONTE MORIÁ  –  Onde o Senhor aparece.
MONTE NEBO    –  Onde Moisés esteve na sua morte.
MONTE SINAI,  também HOREB -  Onde Moisés recebeu as tábuas da lei.
MONTE SIÃO OU TZIO – A cidade de Davi e a cidade de Deus; a terra prometida.
MONTE DAS OLIVEIRAS  -  Lugar favorito de Jesus.

Não pretendo estender-me muito sobre a história e os fatos que envolveram as igrejas perseguidas, principalmente em Roma para fugir das perseguições do império. Assim, faço referência ao  mais importante ensino de Jesus sobre este assunto, dirigido  à mulher samaritana quando ele sem qualquer receio, usa a rota que passa por Samaria a caminho da Galiléia. 

O mestre resolve descansar da sua caminhada  junto ao Poço de Jacó, na antiga Siquém no vale entre as montanhas de Gerizim e Ebal. Ali, discorre o diálogo com registro no Livro de João  no capítulo 4. Era a hora sexta, por volta do meio dia quando a mulher samaritana aproxima-se para apanhar água e depara-se com um judeu ali assentado e que lhe pede de beber.

“...Nossos pais adoraram neste monte e vós dizeis que é em Jerusalém o lugar em que se deve adorar...” .  JESUS LHE RESPONDE: “Mas a hora vem e agora é em que os verdadeiros adoradores adorarão ao pai em espírito e em verdade; porque o Pai procura a tais que assim o adorem. Deus é espírito e importa que os verdadeiros adoradores o adorem em espírito e em verdade.”.

SOLA SCRIPTURA. Nada se deve acrescentar e nada se deve tirar Apo calipse 22.18-19.

ASSEMBLEIA DE DEUS NO BRASIL – 19 de novembro de 1910.

A história dessa igreja é de uma exuberância impar; sem vícios e preservando a doutrina bíblica ela iniciou em Belém, capital do Estado do Pará a mais pura das pregações: JESUS, salva, batiza com o Espírito Santo e leva para o céu. Deste modo, ela rompeu com a tradição católica descendo do Norte ao Sul do país, com poder e milagres e os crentes não eram inventivos; mantinham-se na estrita observância da Palavra de Deus.

No sul do país, instalou-se a Congregação Cristã no Brasil, em 1910  como a conhecemos hoje.

As primeiras igrejas pentecostais saídas desta Assembleia de Deus, por vias diretas ou indiretas foram o Brasil  para Cristo fundada em 1955 e a Igreja DEUS É AMOR fundada em 1962 cujo missionário fundador era membro da Igreja Pentecostal  MARAVILHAS DE JESUS.

Lembro-me de uma série de artigos do Jornal O Estado de São Paulo que denunciando desmandos (entenda-se como perseguição) nas igrejas O Brasil Para Cristo e Deus é Amor, há pelo menos uns 25 anos, deu conta que muitas pequenas igrejas estavam sendo fundadas por funcionários de rádio, habituados a ouvir principalmente o Missionário Manoel de Melo pregar e conduzir os cultos.
A afirmação do jornal era verdadeira e a partir daí, placas ia surgindo com os mais variados títulos onde existiam pontos comerciais, trazendo os mais variados tipos de ensinamentos e formas de cultos.

A IGREJA CRESCEU E PERDEU O CONTROLE SOBRE AS VIDAS.

Essa história de “orar no monte”, não tendo uma data exata, comecei a ouvi-la há pelo menos vinte e cinco anos e não tínhamos noção da importância que se dava ao novo hábito, da mesma maneira que os vícios de fazer campanhas de números de dias, de semanas e meses, conquanto, isto não era prática da Igreja que experimentou o maior crescimento pentecostal.

QUE TIPOS DE CRENTES REFUGIARAM-SE NOS “MONTES” PARA ORAR?

Na minha juventude eram comuns, vigílias nas igrejas e até mesmo em casas de irmãos, afastadas dos centros residenciais, por conta do barulho.

Fui percebendo que outras razões começaram a tomar lugar. Irmãos que arrogavam para si o direito de profetizar e revelar, sentiam-se incomodados nas igrejas por conta do “homem” que não os deixavam revelar livremente. Esse homem era o pastor da igreja, que como eu, não gostavam de ver os crentes enrolados com falsas profecias e falsas revelações. Os reveladores usavam ainda da liberdade de entrar nas casas para orar e revelar e ainda recomendavam que nada dissessem ao pastor da igreja - isto aconteceu muito comigo e grande foi a minha luta e combate.

HÁ TRÊS GRUPOS QUE GOSTAM DE SE REFUGIAR NOS “MONTES”.

Os que gostam de ter a primazia e autoridade conduzindo o seu particular rebanho de seguidores que não costumam respeitar os ensinos bíblicos – Sola Scriptura nem o governo das igrejas.

Os que gostam de ver gravetos pegando fogo diante do “poder” manifesto, um poder duvidoso que não suporta uma análise bíblica para a verdadeira manifestação de poder.

Aqueles que ficam apenas zangados quando falamos deste assunto, por não perceberem que por trás desse hábito existem pessoas interesseiras e perigosas. São irmãos sinceros que reúnem grupos para fugir do barulho dos bairros e preferem se isolar para ter ”momentos de intimidade” com Deus.

Alguns defendem esse hábito de maneira tão ardorosa que se não tomarmos cuidados abraçarão a ideia que a nossa igreja que tanto fez por esta pátria nunca teve noção da verdadeira adoração; “em espírito em verdade” disse JESUS.

O Brasil é um país de sincretismo religioso e quando o ranço da religiosidade toma conta do coração aliado aos interesses de poder e dinheiro, parece que tudo vale e tudo se torna biblicamente aceito.

Disse o verdadeiro apóstolo do Senhor, Paulo: “Tem cuidado de ti mesmo e da doutrina, persevera nestas coisas, porque fazendo isto  te salvarás tanto a ti mesmo como os que te ouvem”.  1 Timóteo 4.16.

ORANDO NOS MONTES.

Não há qualquer preocupação com reserva de direitos ao comentário, pedindo apenas que a fonte seja citada por questão de educação. 

Informações históricas; valho-me do dicionário livre Wikipédia.

Genivaldo Tavares de Melo
Dezembro de 2014.

Nenhum comentário:

Postar um comentário