Tradução deste blog

sexta-feira, 13 de junho de 2014

O PRESBÍTERO, BISPO OU ANCIÃO.

EBD para o dia 15 de junho de 2014.
PONTOS A ESTUDAR:
I – A ESCOLHA DOS PRESBÍTEROS.
II – A IMPORTÂNCIA DO PRESBITÉRIO.
III – OS DEVERES DO PRESBITÉRIO.



Em tempo: Eis um assunto merecedor de estudo apurado para esclarecer o sentido da existência do presbítero na igreja.


I – A ESCOLHA DOS PRESBÍTEROS.

1.1 Significado da função.

A melhor palavra para entender de maneira bíblica literal para presbítero está no texto da lição: Tt 1:5 “...Estabelecesses presbítero de cidade em cidade..” a partir dessa orientação dada a Tito, basta um pouco de simples pensar.

O autor usa os recursos da língua original, grego, para traduzir o seu real significado.

Tendo como construção gramatical, o radical materno “presbys” para pessoa mais velha possivelmente seja a causa de muitos e por muito tempo ter-se no presbítero a figura de um homem mais velho, todavia, o texto com seu contexto, em qualquer momento deixa transparecer que a escolha devia recair sobre homens mais velhos, porém, as recomendações apontavam para pessoas maduras intelectualmente, experientes, bons maridos e pais de família.

Mesmo que, segundo o entendimento geral que “marido de uma mulher, não xxsignifique que deva ser casado, mas, se for, que seja de uma, as demais considerações indicam que deva ser casado.


1.2 A liderança local.

O autor fala bem quando fala de: “...aspecto pastoral da função exercida...”.

- Exatamente isto; aspecto pastoral da função exercida.

- Função exercida como pastor e administrador são biblicamente, sinônimos.

- Não há como dissociar sequer, o pastor da implicação de administrador, mesmo que por contingência, delegue poder.


1.3 As qualificações.

- Para mim, sem a necessária e longa discussão, o vocábulo encontrado sempre no plural, nos textos indicados, serve para mostrar que em determinadas igrejas, a presença dos presbíteros, pareciam formar um colegiado de bons conselheiros, todavia, um deles devia estar cuidando do governo da igreja de forma mais objetiva e a este, o reconhecimento de “pastor da igreja”.

Nesta semana da lição, uma professora perguntou-me a razão de chamarem todos os presbíteros da igreja de “pastor”.  Não é próprio, exceto quando de fato, ele exerce a função pastoral da congregação.

Concordo com o autor quando considera a escolha de presbíteros para cuidar de congregações, por ser a forma de experimentar o eleito nos trabalhos pastorais da igreja. Melhor que ordenar uma pessoa ao pastorado para depois, descredencia-lo por não cumprir com o objetivo desejado.


II – A IMPORTÂNCIA DO PRESBITÉRIO.

2.1 Significado do termo.


ITm 4:14 mostra a força, a importância e a espiritualidade do corpo de presbíteros, neste texto, o reforço da ideia de colegiado e força de governo, o valor do voto do presbitério na escolha do oficial.

2.2 A atuação do presbitério.

Em atos 15, vê-se o valor e respeito que se davam aos presbíteros e como atuavam junto dos apóstolos.

- Considero uma pena que pouco valor se dê aos presbíteros em muitas e igrejas e noutras, os presbíteros não se valorizem.

- Não considero pastor, um cargo e sim, um dom.

- Considero o presbítero não necessariamente com dom pastoral. Falo de um dos cinco dons ministeriais, já estudados.

2.3 A valorização do presbitério.

- Compor o governo da igreja.
- Apoiar o pastor titular nas suas atividades.
- O maior problema é que vivemos em um mundo tão desacreditado de valores éticos e morais que parece não haver mais respeito entre as pessoas.

- Sinto-me um presbítero por excelência. É o maior cargo da igreja, não existe outro. O que passa disso, está nos dons ministeriais.

Disse o nosso irmão Pedro: “...eu também sou presbítero com eles...


III – OS DEVERES DO PRESBITÉRIO.

3.1 Apascentar a igreja.

...Apascentai o rebanho que está entre vós... IPd 5:2

O texto acima é magnifico para nos fazer compreender a importância do presbítero.

ITm, 5:17 “...principalmente os que trabalham na palavra e na doutrina...”

5:18 “...digno é o obreiro do seu salário...”  e aqui, grande parte das lideranças fecham os olhos.

3.2 Liderar a igreja local.

Liderar de forma direta ou como coadjuvante do  pastor.

O que se espera de um presbítero é a sua posição digna diante da igreja e dos homens.

Não se pode esperar de um presbítero, uma pessoa irresponsável que torne público aquilo que lhe foi confidenciado.

Um bom presbítero é uma riqueza para a igreja do Senhor e para o ministério.

3.3 Ungir com azeite.

Percebe-se aqui, o apóstolo reconhecendo a função do bispo junto à igreja.

Finalmente, chamar os presbíteros de pastor, pode ser apenas uma forma carinhosa de tratamento, que não compromete em nada, a doutrina da Palavra de Deus.


Nenhum comentário:

Postar um comentário