Tradução deste blog

sábado, 16 de fevereiro de 2013

EBD LC7 - A VINHA DE NABOTE


LIÇÃO 07 A VINHA DE NABOTE.

EBD 17.02.2013. Subsídio.
I – O OBJETO DA COBIÇA.
II – AS CAUSAS DA COBIÇA.
III – O FRUTO DA COBIÇA.
IV – AS CONSEQUENCIAS DA COBIÇA.

  
Em tempo: Nasci para o Evangelho num tempo em que tudo era tratado como pecado, assim, a ambição que acaba se tornando uma doença na alma do individuo, era tratado como pecado e nos afastávamos de tudo que representasse interesse de conquista. Com o tempo, fui aprendendo e como pastor, ensinando os nossos jovens que a ambição, que só pode ser medida por sua intensidade e mediante o comportamento do ambicioso, todos nós devemos tê-la  e a única restrição bíblica para isto, está em Rm 12:16 “Não ambicioneis coisas altas, mas, acomodai-vos as humildes”. Assim, podemos dizer que ambição está mais para o desejo de querer o que é bom e útil para nossas vidas que deixa-la dominar a natureza ao ponto de:

1 – Desejar ardentemente aquilo que o vizinho tem.

2 – Desejar que outro perca o que tem porque não tenho.

3 – Desejar até a morte de alguém, para assumir o lugar de liderança.

4 – A cobiça é o mais alto grau da ambição e a patologia (doença) da alma.

É desastroso ver um jovem sem qualquer ambição, sem qualquer interesse de conquista de espaço na sociedade.

 I – O OBJETO DA COBIÇA.

1.1        O direito à propriedade no antigo Israel.

Esse ponto da lição nos mostra como Deus, sendo Senhor de toda terra, quer que seus filhos cultivem seu próprio espaço, todavia, ao longo da história, sabemos de verdadeiros banhos de sangue, praticados no interesse em possuir o bem alheio. Brigas intermináveis ocorrem nas partilhas dos bens deixados em espólio.

1.2        A herança de Nabote.

O autor remete para o direito legal de proteção do bem pela recusa de negociar o que havia sido deixado pelos pais, assim também, vemos o zelo de Nabote em cuidar da sua herança e transportamos isso para o sentido espiritual com que devemos proteger a herança recebida de Cristo, a nossa salvação.

Outro aspecto abordado neste tópico é a tirania dos poderosos. Não devemos ter medo em nossos locais de trabalho, diante da ação de pessoas egoístas, gananciosas e invejosas. Guardemo-nos sob a proteção da graça do Senhor. Nabote não estava abandonado.
 

II – AS CAUSAS DA COBIÇA.

2.1 A casa de campo de Acabe.

O desejo de querer sempre mais é o grande mal da sociedade moderna, tanto nos centros urbanos quanto nos campos. A televisão tem sido um forte agente de disseminação dos desejos de posse. Tenhamos cuidado e guardemo-nos sob os ensinamentos da Palavra de Deus que nos dá ricas orientações, para evitarmos tropeços.

2.2 A horta de Acabe.

O autor discorre sobre as posses de Acabe e o desejo de querer a vinha de Nabote. Ao lamentar-se diante de Jezabel, ele já sabia que teria dela, a resposta que lhe daria posse a qualquer custo e o autor lança mão do provérbio: “Os fins justificam os meios”. Tem muita gente vivendo desse expediente hoje em dia, mas, quem semeia vento colhe tempestade é o dito dos nossos avós.

 III – O FRUTO DA COBIÇA.

Os crimes cometidos contra o erário público de maneira desmedida pelos que exercem o poder político são frutos da cobiça.

 3.1 O fruto da cobiça.

Um crime engenhosamente encomendado contra a vida de Nabote, envolvendo mentiras. Muitas vidas de homens de Deus são ceifadas no ministério, por conta do espírito de Jezabel que levam pessoas a infamar outras, com o propósito de “limpar o caminho”.  Não vale a pena querer ser, apenas para mostrar-se. Deixe Deus trabalhar na sua vida ou nas nossas vidas e todos saberão a quem pertencemos de fato.

3.2 Assassinato e apropriação indevida.

Espiritualizar formas e meios para esconder as reais intenções, não funcionam diante de Deus. Lembremo-nos que tão logo Caim se desfez de Abel, a voz de Deus foi ouvida no campo: “Onde está o teu irmão Abel” Gn.4:9.

O que há de pessoas deleitando-se na cobiça das riquezas e usando a Bíblia como escudo, fazendo-nos corar de vergonha.

IV – AS CONSEQUENCIAS DA COBIÇA.

4.1 Julgamento divino.

Um coisa que nunca duvidei foi da ação profética. Ainda hoje, Deus usa seus servos para tornar público, segredos do coração do homem. Que ninguém duvide disso, lembremo-nos de Eliseu e o rei da Síria IIRs cap.6 e  Salmos 44:21.

4.2 Arrependimento e morte.

Na antiga aliança, muitas vezes a desobediência dos pais, recaiam sobre seus filhos ou sobre a sua posteridade. Há dois tipos de julgamentos para nossas ações. O pecado julgado na carne a exemplo de Ananias e Safira. Mesmo havendo arrependimento, sempre pagamos por aquilo que semeamos. Quando a impiedade permanece, por conta do endurecimento do coração, o julgamento recai sobre a alma do indivíduo e esse julgamento determina a eternidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário