Tradução deste blog

sábado, 19 de janeiro de 2013

EBD LC.3 A LONGA SECA SOBRE ISRAEL.


LIÇÃO 03 A LONGA SECA SOBRE ISRAEL.
EBD 20.01.2013. Subsídio.
I – O PORQUÊ DA SECA.
II – OS EFEITOS DA SECA.
III – A PROVISÃO DIVINA NA SECA.
IV – AS LIÇÕES DEIXADAS PELA SECA.



Em tempo: Certamente que esta lição vai nos proporcionar excelente aprendizado acerca das coisas que acontecem de forma contrária a previsão do tempo divulgado pelos homens a partir do estudo sobre a atmosfera. Deus é organizado e mantém regras, todavia, sempre que precisa agir, usando como instrumento o homem ou a natureza, ele não pede licença e frustra todas as expectativas humanas, cuja visão, é curtíssima por mais ciência que desenvolva. Sustenta nosso pensamento que agir pela regra é uma obrigação nossa e as exceções, são para Deus.

I – O PORQUÊ DA SECA.
1.1 Disciplinar a nação.
Seca como fenômeno climático, ocorreu nos tempos de Jacó. O sonho de Faraó (Gn.41) e a revelação de José, antecipando-se aos acontecimentos, nos ensinou que Deus usa todo e qualquer fenômeno para abençoar o seu povo e essa é a razão pela qual, nunca devemos baixar a cabeça diante das adversidades. Os fenômenos servem para lembrar a existência de Deus e oferecer lições de vida. Excepcionalmente, Deus agencia tais fenômenos para amolecer os corações.
Diante de tantas fatalidades ocorridas em diversas regiões, quais dessas foram agenciadas pelo Senhor como flagelo? Não nos esqueçamos de que na dispensação da graça, Deus olha o mundo através do seu filho Jesus. Afirmar que Deus pesou a mão aqui ou ali exige cuidados.

1.2 Revelar a divindade verdadeira.
Israel precisava de uma lição e Elias estava ali para fazê-los entender quem era Deus. Eles sabiam? Sim, de fato sabiam, mas, o coração endurecido os afastara do Senhor. Sobraram apenas os lábios, porém, Deus quer mais.

II – OS EFEITOS DA SECA.
2.1 Escassez e fome.
O pecado traz consequências amargas, diz o autor e disso, ninguém duvida, pois está escrito que Deus não se deixa escarnecer Gl. 6:7.
Todos nós sabemos que há sentenças para o homem que permanece em pecado como há sentenças para as nações rebeldes. No caso das nações, temos a falta de relação com Israel e a rebeldia nacional. Prefiro mais pensar que as fatalidades climáticas ocorrem por falta de proteção de Deus por recusa do próprio homem que um agenciamento de Deus para julgar seus pecados por conta da dispensação em que vivemos.

2.2 Endurecimento ou arrependimento.
É interessante ler este tópico oferecido pelo autor e lembrar a todos que a sequência pecaminosa diante da oportunidade de arrependimento, leva ao endurecimento de coração e nesse sentido, muitos crentes, estão ficando endurecidos, pois, há pecados fora da igreja e pecados dentro da igreja, praticados pelos que perderam todo o sentimento.  A falta de amor, de sinceridade nos relacionamentos, mordomia cristã e será que precisamos de mais?

III – A PROVISÃO DIVINA NA SECA.
3.1 Provisão pessoal.
O autor mostra como Deus conduziu a vida de Elias, afastando-o para um lugar seguro, o ribeiro de Querite. Esconder o cristão nos tempos de crise é o que Deus faz com os seus para evitar que sofram sob o juízo.
Algum aluno pode perguntar por que tantos crentes morrem em acidentes naturais, tsunamis, terremotos e violência urbana. A Bíblia responde:  Ec 9:2 “Tudo sucede igualmente a todos: O mesmo sucede ao justo e ao ímpio ao  bom e ao puro, como ao impuro”. No caso do justo, este tem um banquete contínuo com Deus, quer na vida ou na morte.

3.2 Provisão pessoal.
Não devemos pensar que somos filhos prediletos, Deus tem muitos filhos e alguns que muitas vezes desprezamos quando passam pelo nosso caminho. Deus informou a Elias que tinha sete mil varões fieis.  


IV – AS LIÇÕES DEIXADAS PELA SECA.
4.1 A majestade divina.
A lição nos brinda com algo magnifico, o reconhecido do poder, da presença e da soberania de Deus diante dos fatos. No antigo testamento, o controle dos fenômenos naturais, evidenciou que Deus tem o controle de tudo inclusive sobre a nossa vida e no Novo Testamento, Jesus dominou a tempestade e isso evidenciou que ele é Deus.

4.2 O pecado tem o seu custo.
Elias censurou Acabe pelos seus pecados e ao chamar Elias de perturbador de Israel, Elias não teve qualquer receio de dizer que Acabe e a sua casa tinham deixado os mandamentos do Senhor, sendo ele, portanto, o único responsável por todos os males.
Não podemos ser pretensiosos, mas, sinceros quando for percebido que alguém com responsabilidade estejam cometendo atos contrários aos princípios bíblicos. Permaneçamos fieis. O salário do pecado é a morte.

Um comentário:

  1. Agradeço a minha Simone por permitir o uso da sua Internet. Problemas com a minha, em casa e no escritório, por conta da pesada chuva ocorrida neste Sábado em São Paulo, Jaraguá.

    ResponderExcluir