Tradução deste blog

quinta-feira, 18 de outubro de 2012

COMPORTAMENTO PASTORAL EM MEIO AS CRISES

Para onde caminha a humanidade? Pelo andar da carruagem, rumo a perdição a passos largos.
Somos contestados e conferidos pela sociedade, por todos os lados e essa avaliação chega a ser, tridimensional, nada escapa aos olhos dos críticos.
É bem verdade que em tempos passados, já nos preocupávamos muito com o que os outros iriam dizer de nos. Isso provocava um certo stress emocional, pois, tudo na nossa vida se resumia na questão da avaliação dos amigos, vizinhos e do público em geral. Essa avaliação, decorria muito do fato de e por conta de uma má orientação doutrinária, falávamos a plenos pulmões que quem não fosse crente, iria para o inferno; os que fumavam, bebiam e praticavam tantas outras coisas, estavam irremediavelmente perdidos e nós salvos. Claro que as vidas eram investigadas e pagavam pra ver.
A igreja cresceu e é natural que os problemas cresceram na mesma proporção, daí a tridimensionalidade visível.
OS FATOS - A Bíblia é uma e única sobre qualquer tipo de assunto, se partirmos do geral para à Bíblia, o motivo é que tudo quanto se divulga no mundo, na cultura, na ciência ou nas artes, devem passar pelo crivo da Palavra de Deus e se partirmos da Bíblia para o geral é que esta, não confina o ser humano à relação com Deus, foi o próprio Senhor quem disse: "Pai, não peço que os tire do mundo, mas, que os livre do mal" Jo 17:15. A multiplicidade de igrejas criou uma multiplicidade de normas ou costumes onde umas proíbem tudo e outras proíbem o proibir e nessa confusão generalizada, encontramos crentes que odeiam tudo e outros que abraçam tudo indiscriminadamente e por aí, os pontos de confrontação.

VALORES - Sabemos da astucia de Satanás, o Apóstolo Paulo, legítimo pela sua chamada, declarou na carta a igreja de Coríntios duas facetas importantes sobre o inimigo das nossas almas: 1) "...E não é de admirar porque o próprio Satanás se transforma em anjo de luz; não é muito pois que os seus próprios ministros se transformem em ministros da justiça e o fim deles será conforme as suas obras". IICo 11:14-15. e 2) "Porque não ignoramos os seus ardis".  IICor 2:11.
Esse é o mundo não visível ou mundo espiritual sobre o qual, achamos conhecer tudo e não é verdade. Se conhecêssemos tudo, nossos problemas estariam todos resolvidos e não falo dos problemas que afetam a nossa relação social e sim, a nossa relação com Deus pela sua igreja que é o catalisador comportamental, que filtram as reações dos seres humanos, daí, não poder haver crentes sem igrejas, Jesus criou exatamente para isto, além da obra evangelizadora.

NORMAS - Muitos crentes deixam as igrejas, alguns por problemas de relação com qualquer dos seus membros, superestimam a relação e quando alguma coisa acontece, choca mais que a relação com não crentes e outros, pela perda de confiança no seu pastor ou líder.
Vale lembrar as palavras do Apóstolo Paulo, o legítimo escolhido pelo Senhor, "...Antes, subjugo o meu corpo e o reduzo à servidão, para que, pregando aos outros, eu mesmo, de alguma maneira, não venha ficar reprovado". ICo 9:27. Perceba-se assim que o ministro ou pastor ou líder, não se pertence; ele pertence primeiramente ao Senhor e depois, aqueles a quem se propôs servir. Não tem outra saída.
Finalmente, se o pastor não é capaz de separar as coisas, daquilo que o emociona, daquilo que o faz gravitacionar no prazer pessoal, deve desistir do ofício sob pena de causar danos a si próprio e a terceiros, terceiros estes, que ao aceitarem o evangelho e mediante o novo nascimento, passaram a ser propriedade do Senhor e a ele, daremos conta, de todos.
Cabe ao pastor, não ser seletivo na igreja, ser disciplinado em seus negócios, em família, na sociedade e perante as leis. Cabe ao pastor, evitar favorecimentos, expor a igreja em negociatas escusas com vistas a favorecer a quem quer que seja. Cabe ao pastor, agir com verdadeira diplomacia e lisura nas questões que envolvam os membros da igreja e com essas atitudes, manter firme a confiança dos que o seguem como líder e responsável pelo rebanho sobre os quais o Senhor os constituiu Bispos, para os apascentarem. Cabe ao pastor, ser fiel em tudo.









Nenhum comentário:

Postar um comentário