Tradução deste blog

domingo, 2 de setembro de 2012

IGREJA, VOCÊ ENTENDE?

Leio muitos comentários via facebook sobre igrejas, pastores,  ministérios, dons espirituais, vinda do Senhor, avivamento e outros assuntos pertinentes. Fico triste em perceber que mesmo com formação teológica,  muitos demonstram não conhecer de igreja pelo menos o necessário para evitar discussões vazias que bate rebate sem desfecho que produza edificação. O mesmo vale para o mundo musical.
Quero me deter na questão igreja pois sobre ela, há muito tumulto sem o devido esclarecimento. Quando se pergunta o que é igreja, quase todos respondem de maneira correta apelando para o sentido original da palavra, ajuntamento ou chamados para fora. O outro aspecto da igreja, também conhecido pela maioria dos cristãos é a igreja no sentido ou plano espiritual, em cuja Bíblia, encontramos nas diversas figuras, o real sentido da igreja e o que ela representa.
A igreja, não deve ser conhecida apenas pelo aspecto estrutural, ela deve ser conhecida pelo plano divino cuja existência, estava pré definida assim como a morte do Cordeiro de Deus, seu nascimento com os primeiros discípulos, seu desenvolvimento e sua existência no milênio. No milênio, ela se insurge no cenário mundial como a esposa do Cordeiro e no final do milênio, todos retomamos a individualidade para habitar novos céus e nova terra.
A igreja, tal e qual se conhece pela Bíblia, tem uma estrutura natural e organizada, com diáconos e presbíteros. Os pastores são presbíteros envolvidos em dons ministeriais para cuidar do rebanho. O apostolado ainda que contado entre os cinco dons ministeriais conforme Efésios 5, tem uma característica diferente e nada convence que os muitos chamados de apóstolos em nossos dias, tenham o selo do apostolado.
Quando discutimos sobre a possibilidade de um novo grande avivamento ou reforma, já sinalizamos pela fragilidade de conhecimento. Há quem diga que a igreja deste século, experimentará glória semelhante a vista na igreja chamada primitiva ou primeva (primevo), os acontecimentos daquela igreja, tinham como objetivo principal, derrubar o impedimento imperial ou estatal em cujas legislações, não se contava com qualquer apoio a igreja como nos dias atuais. O poder estava nas mãos dos politeístas e saindo disso, dos inimigos corruptos. Enfrentar o momento de pregar o evangelho naqueles dias, não bastava, amor a obra e coragem, precisavam de sinais e esses sinais sobejaram pelo amor a eles e nós.
Hoje, vejo a igreja e a comparo como um leque aberto e sua trajetória de dentro, do núcleo para fora, esbarrando nas pontas, com o grande mar. 
O grande mar a que me refiro, é uma figura que preciso identificar com: Corrupção, depravação, egoismo, ganância, proveito próprio, venda de milagres, imitações baratas dos dons, perda do primeiro amor, aumento da iniquidade, mercantilização e banalização do que é sagrado ou divino, musicalidade barata que rima com lucro e encharcamento das emoções.
Para a igreja do Senhor vencer tudo isso que Lutero com certeza nem imaginava fosse a sobra do seu gigantesco trabalho, salvo apenas pela graça e bondade do Senhor por todos nós, eu posso afirmar que a igreja não precisa de avivamento e reforma, a igreja precisa de ânimo e apoio bíblico para não derrapar e cair na contaminação do grande mar, visto que muitos, já se contaminaram pelas águas sujas e do espojadouro de lama.
A mim só resta duas orações, "Ora vem Senhor Jesus..." e "Deus, mantenha a salvo os crentes fieis e verdadeiros..."



Nenhum comentário:

Postar um comentário