Tradução deste blog

terça-feira, 15 de maio de 2012

SETE CARTAS PARA NOSSAS IGREJAS.


Estamos estudando lições muito preciosas, sobre as sete cartas enviadas pelo Senhor às  igrejas da Ásia. Por sinal, cartas subscritas pelo próprio Senhor, não se trata de psicografia pelo fato de João ter usado a sua pena para grava-las em  folhas e deixa-las como um testamento a posteridade, visto que, o Senhor apareceu a João na Ilha de Patmos, ressurreto, declarando estar vivo para todo o sempre. A doutrina da ressurreição é a maior das doutrinas bíblicas, pois, se não houvesse ressurreição, disse o Apóstolo Paulo que a nossa fé seria vã, ICo 15:17, Mc. 16:14, Rm 6:9. Em toda extensão do capítulo 15 da primeira carta aos Coríntios, Paulo trata da ressureição.
Tudo que foi escrito, para o nosso ensino foi escrito (Rm.15:4) portanto, resta apenas crer que a intenção do Senhor não foi apenas puxar as orelhas dos pastores daquelas igrejas, chamados de “anjos”,   para que soubéssemos o importante papel do ministro e o peso das suas responsabilidades;  tinha a finalidade precípua de alertar e corrigir o curso daquelas igrejas, algumas totalmente desapercebidas e aceitando tudo que lhes era oferecido como doutrina e outras, apenas como vacina para reforçar as suas defesas.
Além das palavras do Senhor e dos ensinamentos apostólicos, temos as cartas para que observando-as, possamos avaliar como andam nossas igrejas no presente século, quais doutrinas estão sendo ensinadas, além das doutrinas fundamentais da Bíblia, as doutrinas que tratam de questões morais, éticas e até sociais.
Ao escolher uma igreja, o cristão não deve ir a busca de uma igreja que explode na mídia, pois, assim como existem empresários que projetam suas empresas ao mercado consumidor, há igrejas e líderes que tem como única preocupação, projetar suas igrejas fazendo para si, um nome.
Sem citar os nomes das igrejas da Asia, apenas alguns fatos relativos a elas temos:
1) A que perdeu o primeiro amor. Essa pode correr pra cima e pra baixo, fazer trabalhos sociais e se desdobrar em atividades. A perda do primeiro amor representa queda espiritual.  
2) A que  tolerou imoralidade, culto aos demônios, idolatrias e heresias. Nas redes sociais, tornou-se comum, encontrarmos ensinamentos contrários à sã Palavra de Deus. Apenas como exemplo, um cidadão estava ensinando e postou isso em vídeo no Youtube que Jesus não celebrou ceia e sim, a páscoa e que as igrejas não devem celebrar ceia. Na verdade, o que Jesus celebrou com seus discípulos, foi a transição entre páscoa e ceia.
3)  A que tolerou Jezabel, que se algum dia foi realmente usada por Deus, não conhecemos a sua história de vida, exceto, o que o próprio Senhor disse dela: “Se diz profetisa e ensina o povo a praticar prostituição e a comer coisas sacrificas aos ídolos. A prostituição sempre esteve ligado a cultos pagãos incluindo em muitos casos, prostituição do corpo mesmo. Esse culto pagão ou idolatria, pode ocorrer no meio de evangélicos, quando estes se inclinam mais para a criatura que para o criador. O homem passa a ser o centro das atenções.
4) Uma igreja morta. Tinha apenas o nome de que estava viva. Alguém pode perguntar se é possível uma igreja estar morta ou morrer. Sim, é perfeitamente possível, basta para tanto abandonar os princípios basilares da vida cristã que se traduz por: Amar a Deus sobre todas as coisas, ter paixão pelas almas, ser ativa no tocante a atender os pobres, finalmente, deixar de ser uma igreja puramente social, apática ao clamor do mundo.
5) Uma igreja que superestima sua posição diante de Deus e do Mundo, isso pode ser traduzido por igrejas que detém um grande capital financeiro, investe em missões e jacta-se de ser altamente independente, não confessa, todavia, a fé, a força e todo empenho está amparado na riqueza dos seus membros, quando ora, segue apenas um padrão, o padrão do auto reconhecimento.
 Finalmente, temos uma igreja que deu a beber do vinho da prostituição e que representa o lado espiritual do Grande Império Romano, (parte de ferro e parte de barro) que foi ferida de morte, mas, reviveu para promover o seu último ataque contra o povo do Senhor, sem, contudo, alcança-los, também chamada de a Grande Babilônia, com quem se prostituíram  os reis da terra.
Escolher uma igreja observando sua vida para aferi-la com a Palavra de Deus, não é tarefa fácil, mas, vale a pena.
Perguntar se existe alguma igreja perfeita? Posso garantir que não, mas, tem igreja séria, comprometida com a verdade e com a expansão do Reino de Deus. Queremos apenas lembrar que das sete igrejas, apenas duas, não sofreram qualquer correção ou crítica da parte do Senhor.
VOCÊ É CAPAZ DE AVALIAR A SUA IGREJA A LUZ DA BÍBLIA? SEM ANIMOSIDADES OU PRECONCEITOS.

SP05/2012.


Nenhum comentário:

Postar um comentário