Tradução deste blog

segunda-feira, 14 de maio de 2012

EBD 8 - FILADÉLFIA A IGREJA DO AMOR PERFEITO


LIÇÃO 08 – FILADÉLFIA A IGREJA DO AMOR PERFEITO.
Para o dia 20/05/2012.
PONTOS A ESTUDAR:
I – FILADÉLFIA, A CIDADE DO AMOR FRATERNAL.
II – A IDENTIFICAÇÃO DO MISSIVISTA.
III – A IGREJA AMOROSA, PACIENTE E CONFESSANTE.
IV – FILADÉLFIA NOS ÚLTIMOS DIAS.


Em tempo: As igrejas de Filadélfia e Laodicéia, tem uma característica singular e que a meu ver a historicidade dessas duas igrejas, podem perfeitamente representar ou tipificar os dois tipos de igrejas que antecedem o arrebatamento.
Não podemos e não devemos nos apegar a bandeiras. Penso que a escolha de uma igreja para congregar com nossas famílias deve ser vista pela doutrina que abraçam, pela orientação comportamental e litúrgica, não obstante, haverem pastores que entendem que não devem se meter na vida particular dos crentes. Resguardadas as devidas proporções, a igreja deve sim, envolver-se com os membros sem ser invasivas.
Quem frequenta uma igreja como a de Laodicéia, pode se sentir tão confortável e seguro como os que frequentam uma igreja com as características da igreja de Filadélfia. Quando amamos uma igreja, o sentimento próprio pode prejudicar o discernimento e embaçar a visão.


I – FILADELFIA, A CIDADE DO AMOR FRATERNAL.
1.1        A história de Filadélfia.
Já que o autor faz referência à língua em uso na cidade de Filadélfia, como sendo o gálico, apenas como esclarecimento, informamos tratar-se da língua do povo gaulês (quem não se lembra de Astérix?). A Gália Transalpina corresponde ao que é hoje, a França e a Gália Cisalpina, o lado Romano. Nessa região também conhecida como Pirineus habitavam tribos, celtas e gauleses entre outras (Wikipédia).
.






1.2        A Igreja em Filadélfia.
Novamente, temos uma pergunta sem resposta, quando se trata do responsável pela formação da igreja nessa cidade, tudo recai sobre Paulo, o Apóstolo dos gentios, seu incansável trabalho em toda Asia, chegando até a Europa. Não há dúvida que o papel dos seus cooperadores, foi muitíssimo importante e souberam apoiar o trabalho do seu líder. Confesso que o segundo papel importante dentro da igreja, recai sobre o pastor auxiliar; se este não for honesto com o seu pastor, certamente a obra sofrerá.

II – A IDENTIFICAÇÃO DO MISSIVISTA.
O Senhor se apresenta como Santo e Verdadeiro e como o que tem a chave de Davi.

2.1 Jesus, o Santo de Deus.
O conceito de santidade está hoje muito comprometido com o mundanismo, a dialética do mundo invade as igrejas. Já não se separa mais o santo do imundo, chegando a confundir os limpos de coração. Muitos crentes vivem envolvidos em negócios comprometedores, desnecessário relaciona-los aqui, que passam pela aquisição de produtos pirateados a dívidas não pagas. Lembrar aqui também dos crimes contra o erário público e de corrupção, já seria desgastante, envolvendo homens que deveriam glorificar o nome do Senhor.
Excelente a informação do autor sobre Jesus: “Embora separado do pecado, Ele não se separou dos pecadores”.

2.2 Verdadeiro.
Assim como Jesus se declarou verdadeiro em toda sua vida, nós também precisamos primar por essa verdade, a sinceridade é um produto da verdade e com ela, estabelecemos uma base sólida para nossa vida, pessoal, familiar e social.

2.3 A chave da Casa Davi.

A casa de Davi representa o caminho percorrido pela promessa de um grande profeta e os olhos dos justos, estavam voltados para ele. Até o segue de Jericó entendeu que estava diante dessa grande promessa.

III – A IGREJA AMOROSA, PACIENTE E CONFESSANTE.
3.1 Amar é a maior das obras.
Melhor dizer que é a maior virtude, as cartas de João registram os bons resultados do amor e aí sim, pode-se estabelecer pelo amor, uma grande obra. Jesus vinculou o amor, à nossa comunhão, Deu exemplos disso e deixou claro para os crentes que deve incluir as lideranças pastorais que esta é a forma como o mundo pode identificar um discípulo seu. Jesus fez com que todos soubessem que a igreja de Filadélfia era amada e nessa condição, protegida pelo Senhor.  Na carta aos Efésios Paulo declara que Cristo amou a igreja e se entregou por ela, Ef. 5:25.
Minha pergunta é: Como pastor, olho para a igreja sob minha responsabilidade, como posso ter certeza (sem teologias) que Jesus está amando a minha igreja como amou a igreja de Filadélfia?
“E SAIBAM QUE EU TE AMO”.

3.2 Força na fraqueza.
Há duas coisas importantes para dar a uma igreja de hoje, a força de Filadélfia, mesmo sendo, pequena, com poucos recursos, aparentemente frágil. Valorizar a graça salvadora e ter paixão pela Palavra do Senhor.

3.3 Amorosa perseverança.
As vezes berramos contra movimentos neo pentecostais que usam metodologia que nós, em geral, não usamos, pelo simples fato de não sentirmos a necessidade de trabalhar a psique humana. Sabemos o poder que a Palavra tem, são nossas lutas externas. Filadélfia enfrentou a perseguição dos ímpios e de quebra, enfrentou um grupo que o Senhor chamou de “Sinagoga de Satanás”. Judeus “convertidos” que dissimuladamente disseminavam heresias dentro da igreja e com certeza, causava muito dano a esta. Nem com as perseguições de fora nem as de dentro, Os irmãos negaram a fé. Mantiveram-se firmes e só pode comportar-se assim, que está realmente firmado na Rocha.

IV – FILADÉLFIA NOS ÚLTIMOS DIAS.
4.1 A iminência da volta de Jesus.
Percebam que ao dizer a igreja “Eis que venho sem demora” é como se arrastasse Filadélfia para o nosso tempo. Eu não tenho dúvidas que em meio a tanta confusão religiosa, temos nessa “Era de Laodicéia”, crentes que não pedem carta de mudança, só porque aqui, em Laodicéia, tudo é muito livre, livre até demais.

4.2 A grande tribulação.
“Eu te guardarei da hora da tentação que há de vir sobre toda a terra” Nem precisamos de muita discussão para saber que a igreja, enfrenta tribulações, todavia, não experimentará a grande tribulação. Esta, será um tempo de angustia para Jacó, não para a igreja do Senhor composta por crentes fieis, que não negam o nome do Senhor nem o trocam por nada, por mais prazeroso que seja.

4.3 A coroa de glória.
Existe época em que devemos resguardar ou proteger a nossa coroa mais que a de hoje? “Guarda o que tens”.
O amor pelo prazer, comer, beber, vestir-se bem e os passa tempos,  exercem hoje maior peso de influência na vida de muitos crentes.

Quero crer que esta lição, merece um cantinho muito especial no nosso coração, traz-nos preciosos ensinamentos. Quando terminarmos o estudo sobre Laodicéia, vamos perceber que só temos dois caminhos. Um largo e outro estreito. Questão de escolha.

2 comentários:

  1. Essa lições sobre as cartas enviadas para as Igrejas da Ásia, tocam profundamente os problemas existentes em todas as Igrejas do Senhor. É interessante porque são situações que se repentem, veja :

    Crentes espirituais
    Mundanismo na Igreja
    Tolerância com o pecado " em nome do amor"
    Crentes de aparência sem conteúdo verdadeiro.

    Vale ressaltar que são avisos do Senhor para não cairmos no mesmo erro. Se não vigiarmos e deixarmos a chama do Espirito apagar, todos nós estaremos sujeitos a mesma queda.

    ResponderExcluir
  2. essas liçoes desti trimetri e muito iportante para as igrejas de hoje por exmplo esta dia vinte maio sobre filadrlfia uma igreja que tinha amor hoje vemos que as igrejas estao vivendo no modismo e nao procupando com a palavra de deus estao com laodiceia mornas mas uma coisa eu falo nao podemos dar ouvidos ao mundo porque se nao vomos ser vometados da mesma farma que os de laodiceia vejear e orar e nosso dever

    ResponderExcluir