Tradução deste blog

quinta-feira, 22 de março de 2012

EBD 13 SOMENTE EM JESUS TEMOS A V PROSPERIDADE.


LIÇÃO 13 – SOMENTE EM JESUS TEMOS A VERDADEIRA PROSPERIDADE.
Lição para 25/03/2012.
PONTOS A ESTUDAR:
I – A VIDA ABUNDANTE CONSISTE NO EQUILIBRIO.
II – CORRIGINDO OS ERROS ACERCA DA PROBREZA.
III – A VIDA ABUNDANTE NÃO SUPERESTIMA O CORPO NEM NEGA A ALMA.

Em tempo: A última lição deste trimestre. Se o conjunto dessas lições não exauriram o assunto, eu particularmente, nada mais tenho a dizer. Começou explicando o surgimento da Teologia da Prosperidade; esta, no antigo testamento tendo como palco, o cenário da vida do povo de Israel, a lei e as promessas, Os frutos da obediência e os milagres do maná, da carne e da sobrevivência em território hostil, cercado de inimigos, mas, combatente e suprido, fazendo de Israel, um segredo entre as nações.
No novo testamento, o assunto é muito explorado, porém, nos traz alívio porquanto, toda essa questão de corrida ao ouro, não tem qualquer amparo o que nos facilita entender as razões dos interessados.
Também não temos que nos preocupar, pois eles buscam sempre apoio no antigo testamento, nas exclusivas promessas feitas a Israel.


I – A VIDA ABUNDANTE CONSISTE NO EQUILIBRIO.
1.1        A matéria superestimada.
Na introdução da lição, o comentador apresenta os extremos que dividem de certa forma as pessoas. De um lado, os que apelam para riqueza como razão da felicidade completa e do outro lado os que acham na pobreza, a fórmula de chamar a atenção de Deus.
Superestimar a matéria é valorizar o ser social, físico, como se tudo girasse em torno dele mesmo, em prejuízo dos bens espirituais. O autor considera que somos seres espirituais e materiais.
Sendo seres espirituais e materiais, o conveniente é que equilibremos os interesses.
Os postulados bíblicos consideram as duas condições do ser humano.
Observe este exemplo:
Mt. 6:33A Buscai em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça. Palavras do Senhor.
ITm  5:8 Se alguém não tem cuidado dos seus, e principalmente dos da sua família, negou a fé e é pior que o infiel. Palavras do Apóstolo Paulo.
De um lado, somos chamados a buscar primeiramente as coisas espirituais para alcançar as materiais e no segundo caso, somos responsabilizados pelas coisas materiais como os cuidados devidos à família. Esses dois pensamentos geram uma guerra interior principalmente para quem deseja o ministério.

1.2        A matéria negada.
Considere o excelente comentário do autor acerca de como deve ser a nossa relação com os bens materiais em que ele considera:
Os que usam os bens para ajudar o próximo.
Os que usam de forma e para fins mesquinhos, cita Judas.
O dinheiro deve ser usado com sabedoria, prudência e cuidado.
Lembrar seus alunos que dinheiro não é bem de raiz (casa) é um bem volátil, escapa com facilidade das mãos e se usado de forma irresponsável, a família sofre.
Já se noticiou vários casos de ganhadores de milhões nas loterias  que ficaram depois, na miséria.

II – CORRIGINDO OS ERROS ACERCA DA PROBREZA.
2.1 Pobreza e pecado.
Essa questão de consignar ao pobre, o pecado e o diabo como responsáveis pela sua pobreza, exige muito cuidado, pois, a Bíblia não os consigna. Os pregadores da prosperidade, via de regra, usam isso como argumentação para que a pobreza seja desprezada e todos corram atrás do ter com prejuízo do ser, gerando muita frustração. O autor considera que a pobreza poderia ser amenizada se os mais abastados contribuíssem para isso. Na verdade, a forma de contribuir é não tesourar o salário do trabalhador.

2.2 A pobreza magicamente extinta.
Considere o que diz o autor neste tópico, de maneira clara e simples. Não existe mágica para se extinguir a pobreza e mesmo que existisse nem todos ficariam ricos. Esse ideal de vida simplesmente não existe. Uma sociedade justa e equilibrada, pode gerar maior conforto aos seus cidadãos mesmo que cada um viva com muito ou pouco.

III – A VIDA ABUNDANTE NÃO SUPERESTIMA O CORPO NEM NEGA A ALMA.
3.1 A vida abundante é equilibrada.
Ótimo comentário do autor. Certamente Agur (Pv.30:7-9) não teria boa acolhida na escola da teologia da prosperidade.

3.2 Bem estar físico e emocional.
Maravilha de comentário do autor considere isso com seus alunos. Por conta dessa corrida desenfreada em busca de satisfação material plena, o espírito tem sido abandonado. Muitos não se preocupam com a eternidade e até muitos crentes estão enrolados nessas premissas. Outra questão é que muitos também fragilizam suas defesas pelo excessivo stress emocional, principalmente a classe feminina, a fé é posta em dúvida pelos pregadores da prosperidade, causando conflitos emocionais.

3.3 O bem estar espiritual.
Leia este item e considere o seguinte:
O bem estar espiritual concilia-se perfeitamente com qualquer sofrimento, Deus nos dá graça para compreendermos as razões do sofrimento, permitindo-nos separar um sofrimento originado na nossa fidelidade cristã e sofrimento por conta de negócios mal feitos. Conciliação também por ser entendido como a nossa aceitação das diversas situações mesmo as que nos trazem momentânea tristeza. Não atribuir a falta de fé, eventuais fracassos financeiros. Tem muito crente sofrendo por conta disso e por conta das falsas doutrinas.

Com esta lição, terminamos mais um trimestre. Foram lições muito preciosas e edificantes pelo que rogo a Deus, que continue abençoado a nossa CPAD e os que comentam as nossas lições.

Nenhum comentário:

Postar um comentário