Tradução deste blog

sábado, 18 de fevereiro de 2012

CRIANÇAS DEPRIMIDAS. AS PROVÁVEIS CAUSAS


CRIANÇAS DEPRIMIDAS. AS PROVÁVEIS CAUSAS.
Além do estudo feito pela Children’s Society, cuja base de pesquisa foi o Reino Unido, apurar que uma em cada onze criança nas idades entre 8 e 16 anos, estão infelizes e que o reconhecimento de especialistas brasileiros, os leva a afirmar que esse problema não é visto apenas naquela região do planeta e que elas não estão apenas infelizes e sim, estressadas, ansiosas, deprimidas e sobrecarregadas; considerando ainda, as palavras da Senhora Ivete Gattás, coordenadora da Unidade de Psiquiatria da Infância  da UNIFESP de que as crianças estão desconfortáveis com a própria infância, nos leva a reacender a vela desta discussão para considerar o seguinte:
A base social da criança começa sempre no lar e abrem suas janelas para o mundo social das escolas, das igrejas, da convivência e principalmente para o mundo da informação.
O acesso ao conhecimento é prematuro e pior ainda é que o conhecimento está cada vez mais ampliado, não se separando o que é próprio para adulto ou para crianças.
Exatamente nessa faixa de idade entre os 8 e os 16 anos, onde estão minhas duas netas e filhos de amigos meus, busco importuna-los, ou na linguagem popular, zoar com eles, para sentir a reação e confesso-me impressionado, pois, as respostas e ideias não parecem surgir de uma mente em formação; respondem com muita clareza, falam corretamente e usam termos impressionantes e nada comuns.
A criança de hoje, está buscando a duras penas o seu próprio espaço, não lhe dão qualquer folga.
 As igrejas, na maioria dos lugares, querem tratar as crianças como adultos e impor-lhes regras, proibir-lhes de viverem a própria infância, alguns chegam ao exagero de colocar a figura do demônio em seus brinquedos e a reconhecida falta de apoio econômico às crianças em fase escolar.
O Estado que exerce o grande papel de educador através das escolas, querem antecipar os conhecimentos sobre sexo e sexualidade e tudo para fazer entender que homossexualismo é perfeitamente normal através dos kits “educacionais”, achando que com isto, no futuro, não haverá homofóbicos. Tentam impor a doutrina da liberdade mas na verdade é de pura libertinagem, essa é a grande verdade e a grande jogada, pois existe um lado da economia que sobrevive de produzir entretenimentos e fantasias para adultos, vendo nas crianças um futuro mercado consumidor.  Querem que as crianças já entendam a importância do uso da camisinha e outras formas de diversão garantida.
A televisão poderia muito bem ser usada para divulgar programação de maior utilidade para essa faixa etária, porém, o que vemos, são futilidades, os BBBs, as novelas que em alguns momentos, sugerem a prática de sexo oral em pleno horário, onde muitas dessas crianças ainda estão perambulando pelas salas, as propagandas de bebidas alcoólicas, mesmo com aquelas mensagens de proibição para menores, o aumento de consumo de bebida alcoólica entre adolescentes justifica o que se diz a respeito e o consumismo desvairado.
Adoção de crianças por “casais” homo afetivos , que na atualidade, parecem querer transforma-las em objetos de demostração do quanto dois homens ou duas mulheres podem perfeitamente educa-las, mesmo sabendo que a criança precisa das duas referências, do homem e da mulher.
A família, por conta da pressão econômica e social, tem abandonado o papel de primeira educadora e responsável pela legítima dádiva do amor e da compreensão devidas às crianças, há muito, perderam o controle desse papel. Há tempo para tudo, menos para instalar em casa, uma boa e saudável convivência.
Os legisladores, ouvindo as diversas e dilacerantes vozes, dão as crianças, diploma legal de intocabilidade, com desprezo ao bom e velho corretivo e tudo para impedir a violência doméstica, quando na verdade já existem remédios legais para isso, levando as crianças a olharem para os pais, como verdadeiros monstros.
A justiça, lenta no trato com questões de abusos contra a criança, deixa entrever a incapacidade do Estado em protegê-las de toda forma de agressão moral, principalmente as fomentadas pela própria mídia e os crimes de pedofilia.
O que fazer o mais depressa possível. Unir forças, o Estado, a mídia, as famílias, as igrejas e começarem a olhar, primeiramente para as necessidades físicas das crianças e da mesma forma como trabalham pela recuperação do meio ambiente, trabalharem pela recuperação de uma infância realmente infância e não uma infância adultizada.
Se queremos salvar o planeta, precisamos igualmente, salvar as crianças da violência moral perpetradas contra elas e outros tipos de violência.

2 comentários:

  1. Olá Pr.Genivaldo.
    A Paz do Senhor!

    Falar e trabalhar, por este tema ´´A situação da criança na atualidade`` é algo muito importante, porém é quase que uma luta quixotesca, não da parte daqueles que levantam a bandeira da verdadeira infância,a qual deveriam viver nossas crianças, mas daqueles que entendem que isto é ´´chover no molhado``, pois ninguém terá a coragem de assumir a sua parcela de culpa.Como por exemplo:
    O Estado, por sua falta de políticas públicas que valorizem a infância.
    As igrejas, por não enxergarem que as crianças precisam ser crianças e não adultos em miniaturas.
    As famílias, por não terem a coragem de educar realmente suas crianças, dando-lhes amor e principalmente limites.

    Convido-o a visitar meu blog, lá tento transmitir minhas opiniões sobre este tema também.

    Em Cristo!
    Elias

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, meu amigo e irmão Elias!
      Há questões sociais que individualmente, nada podemos fazer, mas, podemos sim, esperar em Deus que as instituições se movam nessa direção. Vale a pena tentar. Visitarei o seu blog, sim! Deus o abençoe.

      Excluir