Tradução deste blog

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

COM MALDIÇÃO SOIS AMALDIÇOADOS.


COM MALDIÇÃO SOIS AMALDIÇOADOS.

Um dos mais sérios problemas no tocante a todo assunto bíblico que exija uma maior participação dos fieis tais como: Campanhas de oração, dízimos, leitura da bíblia, fidelidade moral, ceia do Senhor e etc. levam muitos ensinadores a pensar que a força do medo, produz maiores resultados que o ensinamento baseado na exposição da Palavra de Deus.  Na verdade, sabemos que todo ser humano, uns mais acentuados, outros menos e alguns, sem qualquer vestígio de terror, diante da imagem do perigo iminente, possam mantê-los em absoluta fidelidade a não ser pelo amor e a partir desse pensamento, acharmos que alguns, se mantém fiéis, pelo medo do inferno ou de sofrer duras penas pela desobediência, não é tão acreditável.
Mencionamos em algum lugar, o domínio ditatorial de Maurice Duvalier – o Papa Doc -  que por 35 anos longos anos, manteve a sua ditadura no Haiti, sob o estigma de Vodu. O medo mantinha cativo o povo.
No caso do cristianismo, não faltou esse tipo de dominação, levando muitos a criticar a existência de um deus aterrador.
A maldição tem dois aspectos na Bíblia. O primeiro é a maldição do pecado. Sem querer olhar no dicionário para informar o sentido gramatical e a sinonímia da palavra, já que o termo está contextualizado na Bíblia Sagrada, maldição neste primeiro caso, significa estar sob os efeitos do pecado ou da separação da vida de comunhão com Deus, portanto, sujeitando-se ao domínio das potestades e da morte. No segundo caso, temos as maldições vistas na antiga aliança e o próprio Deus, estabelecendo a melhor condição de vida para o homem, sob pena de estar fora do plano abençoador de Deus,  no sentido de concessão para uma vida feliz e próspera. Temos os montes Gerizim e o Ebal, estabelecendo as duas únicas condições, vivendo debaixo da obediência ou  na desobediência; benção ou maldição.
Chegamos a Malaquias 4 – Com maldição sois amaldiçoados. Como o dízimo era além de uma obrigação legal e moral do povo para manutenção da tribo de Levi e consequentemente do sacerdócio, não dar o dízimo equivaleria a dizer: Deus! Não estamos interessados nos teus negócios.
Se Deus poderia impedir que as aves migratórias e outros animais, viessem e destruíssem a lavoura, não faria absolutamente nada em favor de um povo rebelde a sua palavra. Se o céu se fechasse , sob sua ordem ou mesmo por acidente, Deus não faria nada para impedir, já que toda a natureza, está sob a sua regência. O Homem rebelde, não teria outra oportunidade, não fosse pelo arrependimento.
Já, e, mesmo no antigo testamento, Deus deixava transparecer o cuidado com o seu povo, quando Balaão foi contratado para amaldiçoar Israel, (Nm.23 e 24)  a palavra do amor de Deus ecoou pela boca do profeta quando este revelou a Balaque: “Contra Jacó, não vale encantamentos e nem adivinhação contra Israel” e assim, não foi possível amaldiçoar o povo do Senhor, por quanto, Deus não tinha visto maldade em israel.
Na desobediência, o próprio homem atrai para si os males da vida.
Veio a graça; na manjedoura, nos braços de Maria e nos braços da cruz. Pagou o preço da redenção e tanto nas suas palavras como nas palavras dos apóstolos, o vocábulo maldição, sumiu! No lugar da Lei, a doce palavra; “Vós sereis meus amigos, se fizerdes o que eu vos mando”. Jo.15:14.
Soa diferente e logicamente, não penso que o Espírito de Deus ou Espírito de Cristo ou ainda o Espírito Santo, o consolador, não atuaria acima e além das palavras faladas e escritas, visto que ele mesmo, Deus, pelo seu espírito, no-las revelou, tornando impossível que alguém, pelo espírito da profecia ou pelo dom, possa ir além do que está escrito.
Assim sendo, maldição, não cabe nesta graça. Se o crente for infiel, não abrir o coração para a obra do Senhor e agir como agem os homens sem Deus, duas coisas fatalmente acontecerão:
Primeira – Deus só nos dará com ele todas as coisas na medida em que dermos a ele ou a sua obra todas as coisas que lhes são devidas. Isto é promessa da sua palavra. Não estou falando de salvação que é outro assunto. Estou falando a tudo o que concerne a nossa vida humana, não obstante, “todas as coisas”,  refere-se tanto as materiais quanto as espirituais, com maior ênfase as espirituais.
Segunda – Ele permanece fiel a sua palavra e todo pecado por desobediência, terão dois julgamentos, na carne, com aflições pelo que semeamos e na eternidade pela total desobediência.
O crente pode ser salvo pela graça, mesmo estando privado de tantas bênçãos concedidas nesta vida, menos ser amaldiçoado.

Um comentário:

  1. confusão é feita por muitos que não tem base bíblica, porém seu cunho escriturístico, é elucidador, esclarecedor e edificante... Parabenizo o nobre, por esta postagem... Abçs

    ResponderExcluir